Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Entre Parêntesis

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

16
Out21

Voltar ao Japão passado dois anos (... em memórias)

Há dois anos estava a meio de um dos conjuntos de dias mais felizes da minha vida. De mochila às costas, carregada até ao fecho não dar mais, uma mão estava colada à do amor da minha vida e a outra já devia arrastar por esta altura uma mala - uma das que tivemos de comprar para transportar tudo aquilo que compramos. Adoro souvenirs. Gosto muito de ter em minha casa um pedacinho de todos os sítios por onde andei - lembram-me como sou feliz a viajar, recordam-me coisas boas, fazem de mim grata pela vida que tenho e ansiosa pela próxima aventura. E gosto de dar estes pequenos presentes aos outros para eles saberem que, enquanto deambulava, passeava ou mergulhava num qualquer destino, parte de mim estava aqui, com eles.

Uma das coisas mais preciosas da vida, para mim, é a memória. Sou saudosista, adoro recordar - e uso todos os meios que tenho ao meu dispor para não me esquecer. Já o disse aqui muitas vezes: este blog, a escrita, é o maior inimigo para o esquecimento, e por isso faço questão de registar tudo aquilo que foi importante para mim, o que gostei e não gostei, tudo o que aprendi. Mas também tiro fotos, faço vídeos e, no que diz respeito às viagens, guardo todos os pedacinhos que me façam lembrar de um determinado sítio. Durante muitos anos estas minhas memórias foram sendo acumuladas em forma de entulho virtual (excluindo aqui no blog, que sempre foi muito organizadinho) e físico - e sei que funciona assim com a maioria das pessoas e as suas próprias recordações. Até ao momento em que tentava revisitar os locais e me perdia no meio das minhas próprias tralhas: no que diz respeito às fotos, depositadas numa pasta virtual, metade era lixo e eu chegava a meio cansada de ver fotografias feias, desfocadas, cortadas ou sem nada de interessante. Quando chegava aos vídeos, já tinha perdido a paciência. E quando me dava ao trabalho de ir buscar a minha caixa de recordações para ir ver os bilhetes de avião e coisas que tais, tinha de passar por tudo o resto até lá chegar - e entretanto perdia-me a olhar para o meu primeiro telemóvel, a chave de casa do Algarve, uma carta que a minha irmã me escreveu e outras relíquias que lá tenho guardadas, isto enquanto me cruzava com coisas caídas e perdidas de outras viagens que já não conseguia recordar ou distinguir.

Este caos acabou quando comecei a editar fotografias e a escolhê-las criteriosamente. Assim, em vez de 500 fotografias de uma viagem, fico com 150 - todas boas, todas com significado. Depois disso, vieram os álbuns - tanto de cada viagem como anuais, com o best of de cada ano, resumindo todos os eventos de família que existiram e mostrando um bocadinho de cada um, para mais tarde recordar. Dos vídeos acabei por fazer outros vídeos - mais curtos, mais divertidos, mais dinâmicos; que não necessitassem de doses astronómicas de paciência e tempo de cada vez que os via, mas sim que me dessem gozo sempre que clicava no play. As tralhas e recordações que trazia do estrangeiro, passei a colocá-las no meu viajário, organizadas e bonitas, para mais tarde poder viajar enquanto folheio.

Todos estes trabalhos são, por si só, inimigos do esquecimento - é quase como fazer copianços antes do teste: sem querer, enquanto os fazemos, estamos a aprender. E ali, enquanto revemos todas aquelas imagens e momentos, estamos a absorver tudo de uma forma mais profunda, a reviver tudo aquilo que vivemos.

No caso do Japão fiz um álbum, um vídeo e vários posts (embora não todos os que queria) - para além de ter trazido muitos souvernirs, claro. Faltava guardar todos os talões, papéis e recordações que de lá trouxe. Desta vez não iriam para o viajário, mas sim para aquela que foi a primeira prenda que o Miguel me deu: um livro de recordações de viagens da Mr. Wonderful. Comecei a fazê-lo pouco depois de voltarmos mas desisti, até porque sentia que faltava algo. Tratei do "algo" - sentia que o álbum estava despido, que lhe faltava contexto, e por isso mandei fazer umas fotos tipo polaroid no LaLaLab - mas depois nunca mais lhe peguei. Até há um mês, em que finalmente o concluí. E se por um lado é bom fazermos estas coisas enquanto a memória está fresca, por outro tive a plena consciência de que viajei outra vez enquanto o completava.

De cada vez que viajamos parte do coração fica com aqueles que amamos. Mas a outra - a que levamos connosco - está muitas vezes destinada a desfazer-se, a ser obrigada a deixar-se ficar no lugar onde fomos. Há dois anos eu estava no Japão com duas das pessoas que mais gosto - e foi tão especial que parte de mim ficou lá, naquele lugar, para sempre. E a única forma de o recuperar é voltar lá sempre que posso - se não for de avião, que seja pelas tantas memórias que deixei espalhadas de tantas formas e por todo o lado, para saber que é sempre possível ser feliz.

 

Sobre o álbum: sempre adorei estes cadernos tipo scrapbooks, como via nos filmes americanos. Não tenho a arte, a mão ou a paciência para os fazer tão bonitos como imagino, mas faço o melhor possível, e o resultado não é mau de todo. O livro é da Mr. Wonderful, comprado na Fnac. As fotos mandei fazer na LaLaLab e os "cantos" colados à moda antiga foram comprados na Tiger. Já tinha lá comprado um caderno de scrapbook que tinha vários autocolantes que utilizei aqui (outros são da Mr. Wonderful, tanto deste álbum como de agendas deles que tive há uns anos), assim como aqueles envelopes pequeninos; a washi tape também foi comprada na Tiger. 

 

AmbumJapao-1.jpg

AmbumJapao-2.jpg

AmbumJapao-3.jpg

AmbumJapao-4.jpg

 

AmbumJapao-5.jpg

AmbumJapao-6.jpg

AmbumJapao-7.jpg

1 comentário

Comentar post

Pesquisar

Mais sobre mim

foto do autor

Redes Sociais

Deixem like no facebook:


E sigam o instagram em @carolinagongui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Ranking