Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Entre Parêntesis

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

25
Mar17

Uma vida no meio dos trapos

Quando era miúda havia duas coisas que queria muito fazer: a primeira era ir a um casino, a segunda era ver um desfile de moda. Quanto ao casino, tinha de ter idade para lá entrar; acabei por nunca entrar num tradicional, mas o mini casino no cruzeiro que fiz já me matou a curiosidade que tinha. Já relativamente ao desfile de moda, fartava-me de chatear o meu pai para me levar, e ele nada.

Na minha cabeça, o têxtil - onde a minha família sempre trabalhou e onde eu cresci - era uma coisa intimamente ligada à moda. Dos panos passava-se para a roupa e pronto, estava feito; vim mais tarde a perceber que embora as coisas sejam mais ao menos assim na realidade, muitas vezes estamos tão habituados a ver as coisas de um ponto de vista fechado de que nem nos lembramos do produto final. Um rolo de pano é um rolo de pano - e, acreditem, já dá muitos problemas por si só. Não interessa se vai para camisolas ou casacos; para a Zara ou para a Gucci; para o estudante de moda ou para um estilista de renome. É pano, já dá problemas que chegue, há outros que vêm a seguir e a vida segue neste nicho. Eu compreendo que isto seja assim, mas sempre vi mais além.

Quando roubava as amostras de tecidos das fábricas, imaginava o que dali iria sair. Houve uma fase em cosia as minhas próprias carteiras com aquilo, vestia algumas bonecas e empilhava pano para futuras ocasiões (que nunca viram a luz do dia). E por isso a têxtil, que apesar de tudo é a minha "casa mãe", sempre foi um meio para atingir um fim de que também sempre gostei muito: a moda. Daí a minha curiosidade eterna em ver um desfile, em perceber aquela dinâmica.

Hoje também entendo o ponto de vista do meu pai, que nunca me levou a estas coisas: um desfile de moda não é só um desfile de moda, da mesma forma que um rolo de pano não é só um rolo de pano. A moda é um circo de vaidades. É a fome de aparecer, um mundo de egos exacerbados, de uma competitividade fora de série, de invejas e mesquinhices terríveis. E eu sempre fui educada no sentido exatamente oposto: acima de tudo, no recato. Sempre fui perita em não mostrar, nunca me quis enaltecer por bens materiais mas sim por aquilo que era.

Mas, para o bem e para o mal, só mostramos aquilo que somos quando nos damos a conhecer (e todos sabemos que essa não é a minha especialidade). É muito mais fácil mostrar a roupa nova, o corpo de revista, a casa grande. E, no fundo, nos desfiles, está meio mundo desejoso de ter um fotografo qualquer a perguntar se pode fotografar o seu look, a perguntar que marcas tem vestidas; tudo tira fotos aos seus passes gold, muito bem conseguidos por cunhas travessas, tudo quer ter uma foto na passarela com os seus melhores trapinhos. E embora isso não seja eu, não faça parte de mim, não consigo deixar de me sentir um bocadinho em casa: porque aquelas roupas que desfilam, serão sempre os trapos que eu vi naqueles rolos quando era criança; são, ainda que melhor executadas, as ideias que tinha quando me punha a mexer na minha mini máquina de costura.

Há um ano realizei um sonho: vi um desfile. Na altura fiz aqui um post, que nunca chegou a ir para o ar, que demonstrava o quão feliz estava por ter feito um "check" em mais um sonho da lista mas, ao mesmo tempo, o quão deslocada me sentia num mundo que era o meu, que sempre foi meu, mas que não tinha nada que ver comigo. No fundo, como em quase tudo nesta minha vida. A parte boa é que me vou habituando. E, pelo caminho, vou desfrutando da sorte que tenho.

A verdade é que não tenho posto muitos posts positivos por aqui, mas cá vai: os sonhos realizam-se, mesmo estes, que parecem pequeninos mas que não deixam de nos alimentar a alma. Hoje fui a mais um Portugal Fashion, sozinha mas sempre bem acompanhada, ao desfile que mais queria, com um badge no peito que dizia "press", algo pelo qual lutei mas nunca esperei. Porque para além dos sonhos, a vida também tem disto: surpresas. E algumas, como esta, são muito boas. Fica a foto para a posteridade. 

 

17504455_10208663601204575_3246181239690075924_o.j

2 comentários

Comentar post

Pesquisar

Mais sobre mim

foto do autor

Redes Sociais

Deixem like no facebook:


E sigam o instagram em @carolinagongui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2019 Reading Challenge

2019 Reading Challenge
Carolina has read 1 book toward her goal of 12 books.
hide

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Ranking