Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Entre Parêntesis

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

22
Jan17

Tapioca, ou um desgosto profundo

Em 2006 fui ao Brasil, mais propriamente a São Salvador da Bahia. Tenho poucas memórias dessas férias, não foi algo que me tenha marcado e todo aquele mito que envolve o Brasil morreu para mim desde essa altura - neste momento, só tenho curiosidade em ir ao Rio, porque de resto passo bem sem lá pôr os pés de novo. A praia não era nada de especial, detestei andar nas ruas, não apreciei o ambiente. (Enquanto escrevia este texto fui ver as fotos dessas férias e concluo que, de facto, não estava a gostar de nada - estou SEMPRE com cara de chateada). Diria que, das duas semanas que lá estive, trouxe três coisas de que me recordo com alguma saudade: os macaquinhos que andavam lá e roubavam comida a torto e a direito nos pequenos-almoços; as atividades que haviam, nomeadamente uma a que eu ia todos os dias, que consistia em aprender a fazer cestos e outros objetos através da folha de palmeira; e, claro, não menos importante... a comida.

Essa foi a coisa que mais me marcou. A comida era divinal e eu nunca vi um pequeno almoço tão grande como aquele em toda a minha vida. O pior é que era tudo delicioso! A fruta, o pão, as iguarias... fico com água na boca só de pensar. Já nessa altura comia como uma lontra e ali não havia muito mais para fazer para além de enfardar, por isso limitava-me a comer e a ser minimamente feliz. Aprendi a gostar de umas tantas coisas, mas uma que marcou em particular eram uns crepezinhos de uma farinha branca que eles punham para cima da frigideira e aquilo, como por magia, solidificava. Não era líquido, mas mesmo assim ficava homogéneo e as senhoras depois colocavam lá dentro uma banana frita e o que mais quiséssemos.

Vim com aquilo na memória e andei a falar disto durante anos - anos, sem exagero! Lembro-me que, quando cá cheguei, não sabia o que era mas falava daquilo a toda a gente como se fosse a última iguaria deste mundo. Até que, eventualmente, acabei por a esquecer. Até há um ano atrás, quando comecei a ver os tais crepes brancos a invadir o instagram de todas as pessoas fit e percebi que, dez anos depois, tinha reencontrado a pólvora. O drama foi encontrar a tapioca para os fazer, uma vez que tem de ser hidratada e não havia nada no mercado (e que se vendesse no Porto) com esse efeito. Vi vídeos no Youtube, perguntei a toda a gente que via fazer, vasculhei nas caixas de comentários alheias à procura de dicas.

Nisto passou-se um ano. Pelo meio ainda fiz uma tentativa infrutífera com polvilho doce, hidratando-o, mas aquilo ficou um porcaria e eu achei que tinha feito algo de errado. Hoje percebo que se calhar não fiz nada de mal, simplesmente a tapioca não era aquilo que eu imaginava. Há uns dias vi que há uma nova marca de tapioca hidratada no mercado, que se vende no Celeiro. Fui logo a correr comprar aquilo e, nessa mesma tarde, fiz a dita. Primeiro não aglomerou, ficou toda partida - mas com isto uma pessoa até vive. O pior é o sabor e a textura. Sabem quando um comprimido daqueles que sabem mal fica entalado na garganta e, quando o tenta "empurrar" com água, ele se desfaz e deixa um sabor terrível na boca e parece deixar bocadinhos farinhentos na vossa boca? Foi basicamente o que senti quando pus a tapioca na boca. 

Para além de ter pago uma pequena fortuna por uma farinha que não vou usar e de aquilo ter sido das piores coisas que provei nos últimos tempos, o pior de tudo isto foi o desgosto. Não sei se fui eu que fiquei com uma ideia errada sobre aquilo que comi no Brasil, se era de facto algo diferente e eu estou a confundir ou se eles punham açúcar na farinha... mas a imagem que eu tinha era o oposto disto que hoje se come. Tenho consciência que estes "mitos" da nossa memória nunca mais se tornam a concretizar, que as comidas por muito boas que sejam nunca sabem à mesma coisa e perdem a magia, mas neste caso é passar de uma comida de sonho para algo absolutamente intragável. Admiro sinceramente quem consegue comer aquilo ao pequeno almoço e ainda sorrir enquanto dá uma trinca. Se calhar é o preço a pagar por ser fit. E, sendo assim, está visto que vou ser lontra a vida inteira.

 

tapiocabanana.jpg

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Pesquisar

Mais sobre mim

foto do autor

Redes Sociais

Deixem like no facebook:


E sigam o instagram em @carolinagongui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2020 Reading Challenge

2020 Reading Challenge
Carolina has read 1 book toward her goal of 12 books.
hide

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Ranking