Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

[Entre Parêntesis]

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

01
Set18

O fim do mistério

Carolina

Eu tinha um feeling que me dizia que, no dia em que fiz o post, haveriam avanços no caso do rapaz misterioso infiltrado numa festa de carnaval de família. Não me enganei.

O meu irmão “taggou” vários amigos na foto, obrigando-os a ver a foto; eu voltei a chatear a minha família com uma nova foto do intruso encapuzado e também chamei à atenção da minha tia emigrante (beijinhos tia!) para que ela voltasse a olhar para o foto com olhos de ver. Todos os contactos feitos através do meu irmão caíram em saco roto - ainda tive um falso alarme, um homem que caía perfeitamente naquele estilo de rosto mas que dificilmente teria ido parar a uma festa como aquelas - quando, finalmente, caiu a bomba. Tive de esperar dois anos por isto, meus amigos!

A pressão que fiz com a minha tia resultou: ela voltou a mostrar a foto ao meu tio que, por milagre, se recordou daquela cara que afinal não lhe era estranha. O intruso é afinal um sobrinho afastado desse meu tio, que estava cá de visita (vindo de África do Sul, creio), e que deve ter integrado o baralho de cartas para, na altura, estar com ele. Não sei até que ponto o rapaz não se terá integrado, uma vez que absolutamente ninguém se lembra dele (será que recebemos os outsiders assim tão mal?!), mas a verdade é que nunca obtive uma resposta positiva sempre que perguntei sobre quem ele era. Para nosso consolo, ele ao menos estava com uma cara feliz - e, dado todo o espalhafato que foi esse carnaval, deve ter achado que éramos uma família altamente (ainda que, aparentemente, ninguém lhe tenha falado...!) ;)

Venho então por este meio agradecer a vossa participação na resolução deste mistério que assolava a minha mente há demasiado tempo. Não é que tenham reconhecido o rapaz -teriam de morar do outro lado do globo para o conhecer - mas acredito que ao nível da força cósmica talvez tenham ajudado alguma coisa. Pouparam-me dinheiro num detetive privado - creio que essa era a próxima fase do meu estado de loucura.

 

020211 Carnaval Invasão (11).jpg

 

 

 

28
Ago18

O mistério de um rapaz desconhecido numa festa de família

Carolina

Há 16 anos a minha família organizou aquele que foi para mim – e considero-o ainda hoje – o melhor carnaval de sempre. Como sempre fomos muitos, decidimos vestir-nos de baralho de cartas e pregar um susto aos meus pais, invadindo a minha própria casa e fazendo deles os “jokers” deste baralho.

Foi divertidíssimo, estávamos cheios de adrenalina e todo o processo foi engraçado: as minhas tias fizeram os fatos, pretos e vermelhos (na prática era um vestido e um gorro de cabeça inteira, só com furos para os olhos), e os meus tios fizeram as cartas. Na noite destinada juntamo-nos todos em casa de uma das minhas tias, preparamo-nos e encaminhamo-nos aqui para casa – onde fomos, no inicio, parados pelos meus cães, que assustados com o aparato não nos queriam deixar fazer a invasão (pelo menos não de forma silenciosa). Eu tinha sete anos, não tenho imensas memórias desse dia, mas ficou-me marcado para sempre – e acho que espelha bem o sentido de humor peculiar e o espírito de partilha da minha família.

Há dois anos, enquanto estava a ver as poucas fotos que tenho desse dia, deparei-me com uma cara desconhecida no meio do grupo. Não é certamente da família, pois tê-lo-ia reconhecido; achei que era o namorado de alguém, na altura, ou um amigo (algo pouco provável, porque estávamos só em família, mas nunca se sabe).

Aproveitei as festas de família para questionar cada tio, cada primo, até os meus irmãos. Nada. Todos se riam como uns perdidos de cada vez que alguém dizia “não conheço”. Estive dois anos nisto – a família é tão grande que é difícil apanha-los a todos – e ninguém reconhece aquela cara. Pus no nosso grupo no facebook, voltei a perguntar. Nada. Neste campismo de família fiz uma tentativa final e obtive a mesma resposta. Decidi passar isto para uma esfera pública e colocar no meu facebook um post publico, pedindo a amigos, ex-namorados, primos de primos e quem mais visse a publicação para ver se alguém reconhecia a cara do rapaz. Ninguém. Pedi para o meu irmão partilhar (aquele que mais trazia amigos aqui para casa) e ninguém sabe.

Ou seja: esteve alguém numa festa de família, que não é da família, e que ninguém parece (re)conhecer. O pior é que este não era um evento fácil de “crashar”: tudo foi planeado, os fatos foram feitos para um determinado número de pessoas, assim como as cartas. Não podia haver convidados de última hora – esta pessoa tinha de estar na nossa lista. E eu só pergunto: como é possível?

Só tenho uma foto nítida da cara do rapaz e outras com ele aqui em casa, a vaguear com o grupo, como era suposto. Não há aparentemente nada de errado, para além de ninguém o conhecer e todos agirmos como se o conhecêssemos!

Posto isto, se alguém reconhecer a cara do intruso, que se acuse. Mesmo que seja algum antepassado (embora, a meu ver, ele tenha um ar bastante contemporâneo). Neste momento, em que eu acho que já fiz tudo ao meu alcance para descobrir esta pessoa, já estamos abertos a todo o tipo de teorias, desde fantasmas a vampiros que nos fizeram uma lavagem cerebral para o integrarmos no grupo. Ou talvez um assassino ou ladrão, que se escondeu algures aqui em casa – e quiçá ainda está para aí, 16 anos depois. Em último caso, talvez seja um extraterrestre, que só se vê nas fotografias e não na vida real. Já estou por tudo! (Será que já é evidente que este mistério me está a endoidecer?!)

 

40002191_10212060325960571_7937910624632176640_n.j

020211 Carnaval Invasão (11).jpg

04
Dez17

Eu julgo as pessoas pelos seus carrinhos de compras

Carolina

Julgar é feio, eu sei. Mas, na verdade, isto não se trata bem de um julgamento: é mais um conjunto de ideias, características e histórias que eu obtenho através daquilo que as pessoas levam nos seus carrinhos de compras e pela forma como agem quando estão numa fila de supermercado - e, em minha defesa, posso também dizer que faço o exercício inverso. Ou seja, penso muitas vezes "o quê que as pessoas pensariam de mim perante os produtos que tenho aqui em cima do tapete?"

Isto depende muitos dos dias, do meu estado de humor, da má-língua e até do tipo de compras. Sobre aquelas pessoas que compram poucas coisas - muitas vezes aquisições de última hora ou os ingredientes para o jantar - eu tento adivinhar quais os pratos que vão sair dali; em compras mais substanciais, tento mesmo decifrar o estilo de pessoa, passando primeiro pelos produtos e depois para uma avaliação superficial do próprio indivíduo. Vejamos algumas das categorias que costumo encontrar:

- Os saudáveis (onde se incluem também as fit, que não são necessariamente saudáveis, mas pelo menos parecem): o carrinho está frequentemente recheado de proteínas, carnes brancas, skyrs, óleo de coco, aveia e coisas assim; esta é talvez a tipologia mais rara.

- Os "não-saudáveis": estas não são, necessariamente, as que trazem mais gordices no carrinho, mas sim aquelas pessoas que às vezes têm filhos e lhes levam pacotes de todos os cereais possíveis - estrelitas, chocapic, kellogs com frutos vermelhos -, iogurtes gregos de caramelo, bolachinhas dos crocodilos, rissóis e pizzas congeladas. Dou sempre por mim a pensar "será que esta senhora sabe a quantidade de açúcar que está naqueles cereais?" e na falta de clareza que há neste sentido, não sendo este um julgamento necessariamente pejorativo (no sentido de pessoas gordas, por exemplo) mas sim de alguma desinformação.

- Os gulosos: estes, ao contrário dos não-saudáveis, sabem bem o que levam no carrinho - e que, no caso das mulheres, se vai transferir diretamente para as ancas e, no caso dos homens, para a barriguinha. Chocolates, gomas, sugos, gelados. Tudo uma maravilha... mas não há bela sem senão, e nós sabemos disso.

- Os caça-promoções exagerados: detetam-se à distância através dos carrinhos estilo monopólio - só levam um tipo de produto em quantidades abismais e ridículas, que só um exército é que é capaz de deitar abaixo durante um mês inteiro, seguido, e sem pausas. Mas estava em promoção, por isso vale a pena.

- Os cupõezaólicos: este tipo de pessoa não se vê bem pelo conteúdo do carrinho - a menos que sejamos, também nós, cupõezaólicos e saibamos que tudo o que está ali é patente de uma promoção - mas sim pelos dezassete minutos que as pessoas demoram a ir buscar os cupões, a procurar os cupões, a ler os cupões, a entregar os cupões, a guardar os restantes cupões. Enfim. Cupões e cupões e cupões.

- Os esperançosos: bastante comum no dia dos namorados - uma rosa, morangos e preservativos. É fácil tirar-lhes a pinta.

- Os desorganizados: isto não tem que ver com o conteúdo do carrinho, mas sim com a forma como as coisas estão arrumadas. Estas pessoas chumbaram na disciplina do tetris e estão matam um obsessivo-compulsivo de cada vez que atiram impiedosamente mais um item para dentro do carrinho, não respeitando a regra do mais-pesado-por-baixo e outras coisas que tais;

- Os jovens pré-ressaca: o vodka mais barato da secção, copinhos de plástico e nada para comer, que é para o álcool bater o mais rapidamente possível e eles nem se lembrarem que aquela noite existiu;

 

No fim disto tudo, e fazendo uma avaliação global da minha pessoa, gosto de pensar que sou uma boa mistura entre o saudável e o guloso. Ou então sou simplesmente aquela pessoa que vai só buscar pão e que mal põem o pé fora do supermercado já está com uma bucha na boca, o que me abre toda uma nova categoria: a esfomeada. Assenta-me que nem uma luva.

15
Nov17

As impressoras são a ralé dos hardwares

Carolina

Há algumas coisas que detesto nesta vida. Para além daquelas coisas básicas que toda a gente sabe e que também detesta (médicos, cobras venenosas, agulhas, trânsito e etc.) há um leque de outras coisas muito irritantes nesta vida. Como empresas de telecomunicações (quem nunca protestou e quem nunca se sentiu roubado por uma?) ou, no meu caso, impressoras. Eu tenho um caso sério de ódio por impressoras porque elas pensam que são gente. E, pior que gente, são gentinha de nariz empinado, com mania que têm uma personalidade forte, quando na verdade são só parvas. 

No mundo informático há tantas outras coisas de que não sou propriamente fã - começamos, de uma forma geral, com os macintosh e podemos acabar com o magnífico iTunes, óptimo para arrancarmos todos os cabelos enquanto tentamos fazer algo de útil com ele. Mas em termos de hardware as impressoras ganham num abrir e piscar de olhos. Elas recusam-se a operar quando têm um (um!) dos tinteiros vazios; elas não desligam quando estão empancadas numa "operação em curso" mesmo que cliquemos em todos os botões ao mesmo tempo de forma a despoletar uma overdose de cliques; elas têm botões para digitalizar e mandar faxes mas nunca funcionam - para tais funções serem ativadas tem de ser através do software do computador; quando vamos ao software, ele diz-nos que a impressora está desligada quando nós podemos jurar pela nossa mãezinha que ainda há trinta segundos a filha da mãe imprimiu uma página de teste; depois de o status passar a ligado, ela acha que ainda não está na hora de trabalhar, colocando-se misteriosamente "em espera"; quando por fim ela decide digitalizar o que quer que seja, demora 5 minutos em cada página, qual caracol lento e enraivecido por se ter levantado cedo da cama; quando é para mudar de tinteiros fazem birra - uma pessoa põe um e elas não detetam, torna a tirar para tornar a colocar e nada... só passados 15 minutos é que elas fazem "plim", como quem diz "na na na na na naaaa, estava só a brincar!". Enfim. É de ir à loucura.

E das duas uma: ou eu tenho muita pontaria nas impressoras que escolho ou então elas são todas assim. Porque esta não é a primeira que eu tenho - é pra'i a quarta! E são todas assim, "espíritos livres", como lhe chamaria alguém mais educado e apaziguador. Eu, só assim ao de leve, acho que são umas cabrinhas, vá. 

Há uns tempos tive de ir comprar uma para a empresa onde trabalho. Sabendo que os maus humores deste dispositivo iam sobrar para mim, cortei o mal pela raiz: aquilo não digitaliza, não envia faxes, não tem cores, não tem A3 nem A5 nem todos esses tamanhos desinteressantes, não tem ecrã, não tem teclado, não tem NADA. Só imprime, a preto e branco, e bem rapidinho - as folhas saem que nem pãezinhos quentes. Sei que depois disto o sindicato das impressoras - que de certeza que ainda é mais insuportável que o dos professores - se vai unir contra mim e a filha da mãe vai deixar de trabalhar, à custa de uma greve provocada por insultos àquela classe operária. Mas aoCabrinhas.

 

impressora.jpg

 

06
Nov17

Tenho uma confissão a fazer

Carolina

Acho que está na altura de abordar um tema fraturante da sociedade. É melhor ir direita ao assunto e não estar aqui com falinhas mansas: eu não gosto do boomerang. Pronto, já disse, é a verdade! Acho aquela aplicação uma chatice, fico farta de ver trinta vezes as mesmas coisas quando não têm piada ou assunto. Achei que tinha potencial quando saiu, mas rapidamente me apercebi que as pessoas generalizaram a sua utilização de tal forma que uma pessoa até foge quando vê um instastory com aquilo.

O boomerang só é giro quando há duas posições bem marcadas que contrastam entre si: quando as sobrancelhas sobem e baixam, quando a máquina fotográfica dá um flash, quando os olhos e a boca abrem e fecham. Percebem o conceito? A ideia não é mexerem o smartphone no meio da rua, como se fosse um filme rasca com shaky camera; o objetivo não passa por fazer um zoom literal nas coisas (que é como quem diz andar com o telemóvel para a frente e para trás); não é suposto apanhar as pessoas desprevenidas quando estão simplesmente a falar e a imagem se torna num conjunto de movimentos indecifráveis - e repetitivos - dos lábios.

O pior disto tudo é que há claramente fanáticos do boomerang, que utilizam a ferramenta para tudooo o que captam com a câmara. Mas as coisas ainda pioram se atentarmos ao facto de que publicam tudo isso nas instastories e no instagram, poluindo todo o nosso feed. Porque há coisas que têm piada e a verdade é que o boomerang foi criado com um propósito (que até faz sentido) - mas as repetições são tantas e passam tão rápido que é impossível ver o que quer que seja de forma decente. Por isso não passa mesmo de uma coisa com graça mas sem qualquer utilidade prática.

Hoje em dia os likes é que importam; o sucesso, a beleza e as capacidade de uma pessoa medem-se pela sua popularidade nas redes sociais e por isso quase nos sentimos olhados de lado quando admitimos não gostar de algumas destas coisas da moda. Mas, meus amigos, está na hora de quebrar o tabu e de dizer não às utilizações-estúpidas-e-desregradas-do-boomerang. Juntos somos mais fortes e sobreviveremos às 256 repetições que nos obrigam a ver diariamente em redes sociais alheias. Há que ter fé.

31
Out17

Uma mensagem a todos os craftycóolicos* como eu

Carolina

Tenho rotinas muito fixas de manhã, logo depois de acordar. Uma delas é ficar durante um bocado na cama a jiboiar (e a acordar), ao mesmo tempo que pego no telemóvel e divago entre as mais variadas redes sociais, blogs e email. E enquanto estou a fazer scroll no feed do facebook, uma das coisa em que costumo parar são aqueles vídeos de três minutos ao estilo "5 utilizações da pasta de dentes que não fazia ideia", "ten hacks with bobby pins" ("dez truques com ganchos") ou temas do género, com clara importância universal.

Eu sei, eu sei: é quase vergonhoso admitir isto. Mas eu gosto! E tenho aquela reação típica de pensar "será que isto funciona mesmo?" e até guardo os vídeos para ocasiões futuras. E é claro que nunca, mas nunca os utilizo. Alguém acha que eu me vou lembrar de pôr Coca-Cola na parede para tirar manchas? Ou de lavar as mãos com pasta dos dentes para tirar o cheiro a cebola? Ou de abrir uma carica com o cinto de apertar as calças? Não acontece. Mas eu gosto de ver na mesma, acho todas aquelas ideias geniais (principalmente aqueles vídeos que dizem "10 dicas para sobreviver no campismo", que implicam o corte de latas de salsichas - e que provavelmente acabariam comigo numa maca de hospital com um corte grotesco algures no braço), mas depois nunca usufruo delas - até porque muitas implicam uma dose elevada de bricolage, algo que normalmente não me assiste.

Mas há uma semana fiquei deveras orgulhosa de mim porque finalmente tirei partido dos muitos minutos que perco a ver estes vídeos. Eles são pequeninos, é verdade: mas à quantidade que consumo, já lá vão algumas horas de vida. Tudo para culminar nisto: há uns meses comprei umas calças na Pull&Bear, das quais gosto muito, mas que me magoam um bocado na barriga. Elas têm o tamanho certo, mas apertam com botões, não têm o clássico fecho zipper: ou seja, quando me sento, as calças ficam dobradas para dentro e apertam-me o estômago. É daqueles defeitos que uma pessoa só dá conta depois de usar as peças, enquanto que nos provadores parece tudo maravilhoso e espetacular. 

Passei a usa-las pouco porque, infelizmente, passo muito tempo sentada e aquele aperto me deixava em agonia. Até que se fez luz! Lembrei-me de uma técnica que vi nesses vídeos - na altura, era para ser usada em grávidas, mas uma pessoa tem de ser prática e ver as potencialidades de cada solução - fui buscar um elástico, enfiei-o na casa do botão e fiquei com muito mais espaço para respirar com liberdade. (Explicar isto por palavras não é tarefa fácil, mais vale verem a imagem abaixo). 

Isto tudo para dizer que todos aqueles minutos matinais perdidos a ver vídeos em páginas do facebook de utilidade duvidosa podem, comprovadamente, dar frutos. A todos os membros da comunidade craftycóolica*, da qual obviamente faço parte, quero transmitir uma palavra de esperança. Acreditem: os nossos minutos não são em vão e um dia algo daquilo nos vai ser útil! Palavra de craftycóolica!

 

*palavra que deriva de crafty, uma das páginas populares do facebook dedicada a este tipo de vídeos

 

57dc452541e7f81835409f1a7a470b92--pregnancy-pants-pregnancy-tips.jpg

06
Out17

O meu jardim zoológico de sonho já é quase uma realidade

Carolina

Passo a vida a dizer aos meus pais, em tom de brincadeira, que um dia (“quando for grande”) vou ter um burro, uma cabra, um porco e uma alpaca. De vez em quando lembro-me de juntar um outro animal à lista – acho que a girafa já fez parte, assim como uma vaca – mas este é o núcleo duro do meu “futuro” grupo animal.

Que dizer…? Tenho uma panca. Gosto muito de animais e como sempre achei que ia viver sozinha quando fosse mais velha, sem marido e sem filhos, começou-se a afigurar uma boa ideia ter uns animais de companhia para além dos cães e dos gatos (sim, porque para além daqueles bichos ainda quero um daqueles gatos sem pêlo que toda a gente detesta e eu adoro).

Tudo começou com o porquinho: há anos que adoro aqueles porquinhos-anões, que dormem em casa e que agem quase como cães domésticos (lembram-se deste instagram que um dia mostrei aqui?). Depois foi o burrinho – adoro burros, são dos meus animais preferidos e sinto-me sempre mal por se chamarem “burros” quando, na verdade, disso têm pouco. Sempre adorei cabras e o facto de serem todas espevitadas e irreverentes; já a alpaca… nem me lembro bem como surgiu, mas foi uma paixão à primeira vista.

Os meus pais passam a vida a revirar os olhos, dizendo que vou tornar esta casa num jardim zoológico. Eu rio-me com a perspectiva, embora saiba que não se vai tornar realidade (ok, talvez o burro...) – tenho pouco tempo para cuidar dos animais e conviver com eles, eles dão trabalho e encargos e eu sei que se um dia tivesse uma cabra ou um porco, nunca mais comeria este tipo de carnes, o que não é algo que (para já) esteja nos meus planos.

Mas, apesar de tudo, esta é uma conversa recorrente aqui em casa. Basta ver um burro na televisão para ficar toda derretida, quase que a pedir um burrinho como prenda de Natal, e isto tem originado uma série de prendas curiosas por parte da minha família. A primeira foi um “porco”, precisamente na quadra natalícia. “É uma coisa que queres muito!”, diziam-me. Abro, curiosa, o presente disforme e sai-me de lá um porco de peluche. “Não passas a vida a dizer que queres um porco como prenda?!”, responderam perante o meu olhar confuso.

Depois, como se um porco não fosse suficiente, ainda me deram outro. E, por fim, como não podia deixar de ser… um burro. Ou seja: o meu zoológico está quase a tornar-se realidade, mas em versão peluche. Por isso, se um dia virem algures no meu quarto animais fofos e peludos, não se assustem: primeiro porque não são reais, segundo porque eu sei que já não tenho idade para brincar com estas coisas. Percebam que é só o começo da minha quintinha, patrocinado pela minha família, sempre atenta aos meus pedidos-animais.

09
Jul17

Precisamos de falar sobre as novas bóias que invadiram o país

Carolina

Quero aproveitar este dia em que o verão está meio descaracterizado, o sol escondido e uma humidade de pôr, literalmente, os cabelos em pé (as raparigas sabem do que eu estou a falar) para falar de um assunto que me tem deixado apoquentada durante os últimos meses.

Não sei se se lembram de eu ter feito, há um ano atrás, um post em que falava da falta de diversidade das bóias neste país. Na altura até deixei algumas sugestões de possíveis novos designs que pudessem aumentar a “fauna boial” do mar português, tais como “um polvo, um robalo, uma sardinha tão tipicamente portuguesa? Ou uma gaivota, um linguado ou uma amêijoa, se queremos pensar fora da caixa.”

Passou-se um ano e puff, do nada apareceram bóias de tudo e mais alguma coisa. Eles são ananases, melâncias, flamingos, unicórnios, dónuts meios trincados, cisnes brancos, cisnes negros… toda uma panóplia de novos insufláveis, que custam os olhos da cara mas que, ainda assim, invadiram os instastories de todo o verdadeiro português.

A minha questão é: e eu? Eu, que alertei para este problema gravíssimo que estava a deflagrar na nossa costa. Eu, que dei sugestões para mais e melhores bóias, inclusivamente com símbolos tipicamente portugueses. Eu, que divulguei a causa, cheia de compaixão por esses mares sem diversificação. Nem um royalty, nem um obrigado, nem um raio de uma bóia de graça. É triste esta vida, não é?

Embora na altura em que escrevi o post – e que causei todo este movimento “pró-bóia” – estivesse na praia, de papo para o ar, sem fazer nenhum e a ter ideias graças ao demasiado tempo livre que tinha, por estes dias, ainda que muito atarefados, tenho tido tantas outras ideias passíveis de serem usurpadas por marcas sem coração, que nem uma agradecimento fazem a esta pobre alma. Posto isto, vou só ali ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial registar as minhas ideias – claramente valiosas - e depois falamos, ok? (É que nem uma bóia!)

 

Flamingo-Brinquedo-Piscina-Piscina-Flutuante-Infl-

10
Mai17

Review da semana #20

Carolina

O partidor de ovos ou CoisasSupostamenteInúteisQueComproNoEbay, parte 2#

 

Há uns meses tive uma insónia e, já em desespero de causa, liguei a televisão em busca de algum consolo e companhia, uma vez que o sono não estava para chegar. Calhou nas televendas. Entre fazer zapping e não fazer, vi um anúncio de uma ferramenta “partidora de ovos” e delirei com aquilo. Custava uma pequena fortuna para aquilo que fazia (podemos partir os ovos à mão e sem custos, não é verdade?) mas eu achei a ideia hilariante.

Passado uns tempos, nas minhas pesquisas por gadgets-giros-e-potencialmente-não-funcionais no ebay, lembrei-me de pesquisar pelo partidor de ovos e, como é lógico, encontrei (há alguma coisa que não exista no ebay?). Estava a um preço muito mais simpático do que nas televendas e, numa de gozo, mandei vir.

Quando chegou já nem me lembrava do que aquilo era e fiquei um bocadinho a olhar para aquele objeto estranho como um boi olha para um palácio. Quando percebi, fui a correr ter com a minha mãe – outra experiente em gadgets-de-cozinha-giros-que-servem-para-pouco – para lhe perguntar se adivinhava o que era aquilo. Não chegou lá. Ri-me que nem bandeiras despregadas enquanto lhe explicava e ela resmungava que a dita ferramenta não servia para nada.

Mas bom, eu estava era em pulgas para a pôr em prática. Ansiava pela minha próxima tarte ou bolo para levar a uma festa de família só para ter de partir ovos. Estava híper curiosa para saber se aquilo ia funcionar – e, pelo aspeto, achei mesmo que ia ser um flop. Por isso filmei a minha primeira reacção, quando estreei o partidor de ovos.

 

 

Funcionou! E funcionou tão bem que não consegui não rir – muito! – com o sucedido. No vídeo não se vê porque a peça não estava encaixada, mas pode acrescentar-se uma pecinha por debaixo do sítio onde o ovo é aberto de forma a separar a gema da clara – o que torna isto ainda mais completo e “sério” (se é que isso é sequer possível).

Já testei mais vezes e foi muito raro o ovo em que isto correu mal. É óbvio que não é uma ferramenta essencial em todas as cozinhas, as nossas mãos fazem perfeitamente este trabalho… mas tem piada. E as gargalhadas que dei enquanto abri estes ovos, já valeu os três euros que dei por isto.

Podem comprar aqui.

17
Mar17

Eu, ignorante de leguminosas, me confesso

Carolina

Gosto de todas as semanas ir à feira - já o tinha dito aqui que, para além de ser velhinha de alma por todas as outras razões, até nisto pareço ter 80 anos. Vou à feira, levo carrinho de mão para não transportar os quilos de fruta nos braços e, se tal não bastasse, ainda lá vou ao início da manhã, antes de ir para o trabalho.

A verdade é que no verão não é estritamente necessário ir com as galinhas, porque só costumo ir à fruta e essa há sempre para dar e vender, mas nesta altura do ano gosto sempre de comprar agriões - que não tenho aqui na horta e são os meus legumes favoritos para pôr na sopa - o que só se arranja de manhã (pelo menos vivos e com bom aspeto, porque depois do meio dia, os que sobraram, já estão todos com um ar morto e enterrado). O problema é que eu sou uma ignorante no que a leguminosas diz respeito. 

Normalmente faço-me de hiper distraída, olho para a banca cheia de tralhas com um ar meio esgazeado, como se não encontrasse nada, e pergunto à senhora a quem compro sempre os legumes: "Bom dia! Então e agriões, não tem?". E ela lá me diz, com um sotaque carregado, que "estão aí em baixo, do seu lado esquerdo" ou "estão mesmo à sua frente, freguesa!". Mas hoje era ela que estava (verdadeiramente) esgazeada, com clientes para trás e para a frente e sem tempo para olhar para o lado, e eu senti que tinha de arriscar se não queria ficar ali a manhã inteira. Já me tinha acontecido e quando cheguei a casa levei um sermão porque em vez de agriões... trouxe espinafres.

E hoje, enquanto me baixava para apanhar os meus espero-que-sejam-agriões, rezava para não me enganar. Pus um molho numa saca, outro noutra. Nisto, uma senhora pergunta "menina, não tem espinafres???". "Tenho querida, estão ali". O "ali" era ao meu lado. Sim, no sítio onde tinha ido os buscar os meus espero-que-sejam-agriões. Mas a verdade é que as coisas estavam todas empilhadas, coladinhas umas às outras, um manto de verde sem fim. Olhei para aquilo em que a senhora tinha pegado e que tinha a certeza serem espinafres e olhei para o que tinha no meu saco. Olhei de novo. E de novo. E depois de nem sequer conseguir ver muitas diferenças, aceitei o facto de que mesmo que fossem espinafres aquilo que eu tinha ensacado, já não ia ter lata para os pôr de novo no sítio e pegar nos agriões-verdadeiros. Pedi para pagar e o meu coração relaxou um bocadinho quando ela me pediu 70 cêntimos por molho - é aquilo que pago sempre, mas uma pessoa nunca sabe se os espinafres valem o mesmo. Por isso fiz a prova de fogo: vim para casa.

Mal cheguei, avisei logo: "acho que trouxe espinafres". Mas não! Afinal eram mesmo agriões. Acho que tenho uma inaptidão natural para comprar legumes. Ou então sou mesmo cegueta.

 

(E olá! Estou de volta!)

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Deixem like no facebook:


E sigam o instagram em @carolinagongui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2018 Reading Challenge

2018 Reading Challenge
Carolina has read 5 books toward her goal of 12 books.
hide

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Ranking