Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

[Entre Parêntesis]

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

10
Mar19

A história por detrás das fotografias

Carolina

Estou a cumprir com um dos meus objetivos de 2019 e já me lancei à empreitada que vai ser arrumar a minha gigante pasta de fotos digitais - aliás, pastas, no plural. Centenas delas. Se o quiser cumprir vai ter mesmo de ser assim: aos pouquinhos mas com muita frequência e desde do início do ano, que isto não vai ser uma coisa que vá conseguir resolver de um dia para o outro só para fazer "check" na resolução de ano novo.

A primeira fase já está completa: dividir todas as pastas pré-existentes por anos. Agora entrei na segunda, bem mais demorada: esmiuçar pastas macro (coisas como "fotos de iphone"), com milhares de fotos incategorizadas - e tantas outras incategorizáveis - que depositei no meu computador só com o objetivo de reaver espaço no meu telemóvel ou cartões de memória a abarrotar pelas costuras. Este tipo de pastas são o meu pior pesadelo e aquilo que aconselho sempre a que ninguém faça - mas é como diz no ditado, "faz o que eu digo, não faças o que eu faço".

No que aos telemóveis diz respeito esta é mesmo a saída mais comum; já há muitos anos que arquivo com data as fotos tiradas com a máquina, mas os telemóveis com câmara vieram acrescentar todo um nível de complexidade a este campo: porque inicialmente as partilhas das fotos para o computador não eram tão fáceis, porque tiramos fotografias a coisas absolutamente desnecessárias e desinteressantes (muita vezes só com o objetivo de registar algo, coisa que antes fazíamos utilizando o bloco de notas, por exemplo) e porque, por ser um telemóvel e não apenas um dispositivo que tira fotografias, vamos deixando acumular. Já deitei milhares de fotos fora - entre selfies, fotos de livros, de outras coisas que queria comprar, 45789 imagens manhosas dos meus cães e etc. - e já criei pastas para outras tantas que encontrei e que perderia caso não estivesse a fazer esta seleção. A fase seguinte, depois de me desfazer destas pastas monstruosas e de ter tudo dividido por anos, vai ser entrar em cada uma das subpastas e deitar todas as fotos más-repetidas-tremidas-desfocadas para a reciclagem. Mas até lá chegarmos, upa upa - temos muito caminho para percorrer!

A parte boa disto tudo é que tenho apanhado uns tesourinhos que me fazem quase ganhar o dia. Vídeos e fotos que nem sabia que existiam, ora dos meus sobrinhos a cantarem-me os parabéns, ora de colegas de turma a dançarem no balneário, entre outras pérolas. Mas é a mexer em fotos antigas que relembro que há duas fase de Carolina. Quase tipo A.C. e D.C., mas em que o "C.", em vez de Cristo, é o meu nome. Há uma fase clara em que sinto que renasci. Mais: há uma foto que marca esse momento.

Depois de um episódio triste que marcou a minha pré-adolescência, que já relatei há alguns anos aqui, sinto que congelei no tempo. Houve um período de mais de um ano em que passei um borrão e não era eu, era apenas uma fase de transição. Olho para as fotos dessa altura - fáceis de distinguir, porque foi a fase em que estive mais gordinha em de toda a minha vida - e não me reconheço. Honestamente, já quase nem me lembro. Percebo hoje o esforço que fiz para voltar a gostar de mim mesma, depois de me ter deixado engordar daquela forma e sou capaz de entender os sorrisos que fui reavendo com o passar do tempo. Assim se mede a intensidade de um acontecimento: não só pela forma como reagimos na altura em que ele aconteceu, mas também pela maneira (e dificuldade) com que nos reerguemos depois de ele passar. Sei que, para além de mim, mais ninguém consegue ver este tipo de coisas apenas a olhar para uma foto.

Durante as minhas limpezas dei de caras com a foto que durante mais tempo esteve no background do meu telemóvel. Ninguém diria que aquela simples fotografia, onde nem a cara aparece, foi um turning point. Lembro-me bem de a tirar, na casa de banho, com a minha camisola preferida do momento: da Zara, com muito elastano, com riscas transversais brancas e cinzentas. Bem justinha ao corpo. Foi ela que me fez aceitar que já não era a miúda gordinha que tinha sido. Fez também ela parte da minha transição para aquilo que sou hoje. 

É isto que adoro nas fotografias, a capacidade de me fazerem viajar no tempo, de conseguirem ajudar a (re)construir um bocadinho da história de alguém - e principalmente a minha. Relembrar o que fui, o que pensava, onde estava, o porquê de ter tirado aquela fotografia. Como era. Quem era.

Tenho pena que hoje em dia se use tanto a fotografia para manipular os outros: ora para se fingir que se tem a vida perfeita, o dinheiro para comprar uma mala Louis Vuitton, que se vai ao ginásio cinco vezes por semana ou para vender um produto qualquer de maquilhagem. Não quer dizer que essas fotos não tenham histórias por detrás; quer só dizer que não foram tiradas com o propósito certo - e o propósito certo, em muitas ocasiões, é mesmo não ter um propósito.

A fotografia vai muito além da cara cortada, do queixo marcado por algumas espinhas da adolescência e de uma camisola às riscas. É tudo aquilo que não se vê nos pixels, mas que eu sei que é tão ou mais importante do que tudo aquilo que lhes dá cor. É a capacidade de viajarmos no tempo. De voltarmos a calçar os nossos próprios sapatos e pensarmos "afinal é por isto que cheguei aqui". Cada foto é uma história, só que muitas vezes não nos lembramos dela.

 

Img071.jpg

05
Mar19

Os sete tipos de pessoas nos estádios de futebol

Carolina

No sábado voltei ao Dragão para fazer uma coisa que já queria há muito: ver um clássico. É claro que não me saiu como planeado porque queria ver o Porto ganhar, mas a vida é mesmo assim, nem tudo corre como gostaríamos. Neste aspeto evoluí para uma postura que faz de mim uma pessoa muito mais feliz: fico muito contente quando ganhamos, mas estou-me mais ao menos nas tintas se perdermos. Antigamente ficava irritada, frustrada e triste quando saímos derrotados, sentia alguma amargura em relação às pessoas dos outros clubes, irritava-me com posts no facebook a gozar com tudo e todos. Isto até há uns anos, em que passei uma fase em que me desliguei do futebol. Hoje em dia já voltei a vibrar mas numa onda muito mais razoável, saudável e cheia de fair-play. No fundo, cresci. O que não consigo perceber é como é que há pessoas maiores e vacinadas que só conseguem ver para um lado, que insultam e que apedrejam, tudo em nome de um clube. Não me revejo nesse tipo de comportamentos, atitudes e forma de estar perante o futebol.

Por isto tudo é-me completamente indiferente todos os comentários que me deixaram naquele dia, depois de ter partilhado uma foto no estádio nas minhas redes sociais - "foste no dia errado", "saíste foi de mãos a abanar" e outras coisas do género. Todos os dias são certos para fazermos algo que gostamos e para apoiar a nossa equipa do coração; e nunca se sai de mãos a abanar de uma experiência que envolve uma massa humana de 50 mil pessoas que se juntam em torno de um gosto comum. Se preferia que o Porto tivesse ganho? Óbvio. Se isso me tirou sono à noite? Oh, meus amigos!

Para provar que se retira sempre algo de bom das experiências, mesmo quando o nosso ego sai ferido do estádio, decidi fazer uma compilação dos tipos de pessoas que assistem a jogos no estádio. A verdade é que ver um jogo num estádio é muito mais do que ver um jogo - porque, aliás, se vê muito melhor em casa, com as repetições e os ângulos todos, para não deixar dúvidas. Mas estar ali é sentir a vibração das pessoas, é sentir que o nosso grito pode dar força aos jogadores para marcarem golo, é sentir que a nossa paixão é partilhada na mesma intensidade com outras tantas pessoas e que fazemos parte de algo. Mas a verdade é que cada um se expressa de diferentes formas. Ora vejamos alguns dos tipos de espetadores que se podem encontrar num estádio num estádio:

 

Os treinadores de bancada. todos conhecemos alguém assim. "Põe o Marega a jogar à direita!", "achas normal aquele manco estar no onze?", "substitui o Oliver!" e outras coisas que tais são algumas das deixas que saem da boca deste estilo de pessoas. É gente que está prontinha a substituir o Sérgio Conceição (ou qualquer outro treinador). Como aprenderam tudo isto? Na melhor universidade possível: a da vida. Não há como enganar.

 

Os insultadores. Por vezes os treinadores de bancada são também insultadores, mas nem todos os insultadores são treinadores de bancada. Este tipo de pessoas tem um vasto vocabulário ao nível do vernáculo e muitos conhecimentos sobre a classe animal. Consideram-se nesta categoria todos aqueles que passam o jogo a gesticular com os braços e a fazer ginástica com os dedos, principalmente o dedo médio. O arbitro é normalmente a maior vítima.

 

As chaminés. Todos os jogos de futebol são situações de stress. Mas um clássico é o stress completo. É difícil ir a um jogo de futebol e não sair de lá com a roupa empestada de fumo devido às pessoas que não largam o cigarro durante os 90 minutos. Mais do que os treinadores de bancada e os insultadores (que por vezes dão um espetáculo dentro do espetáculo), este é o tipo de pessoa que mais me incomoda.

 

Os bichos carpinteiros. Outra forma de aliviar o stress acumulado. Coçam a cabeça, as costas, os braços. Sentam-se de 1023 formas diferentes. Esperneiam, bracejam, levantam-se. Roem as unhas, mexem as pernas como quem tivesse bebido 30 cafés. Azar é das pessoas quem ficam atrás dos bichos carpinteiros, que têm de andar de um lado para o outro (o oposto do deles) para conseguir ver alguma coisa do jogo.

 

Os pensativos. O estilo mais calmo. Talvez calmo demais. Vêem o jogo como quem vê um filme do Manoel da Oliveira - sem stress, sem ânimo, sem vida. Só estão, impávidos e serenos, quase amorfos. E quando é golo só dão um sorrisinho matreiro, mantendo-se sentados enquanto toda a gente à volta salta de alegria, pensando em relação aos jogadores: "não fazem mais que a vossa obrigação, pá".

 

Os radiofónicos. De modo a contornar a grande dificuldade do futebol ao vivo (não saber quem chuta a bola, quem marca golo, quem fez a falta), os radiofónicos são aquela malta prevenida que ouve o relato enquanto assiste ao jogo. Normalmente são homens, espécie a quem o multitasking não assiste, por isso mantêm-se caladinhos e concentrados durante o decorrer do jogo, sem grandes conversas - porque ou se ouve o relato ou se está na treta com o vizinho do lado. As duas coisas é que não, que o tico e o teco não dão para tanto. 

 

Os distraídos. "O quê, foi golo?", é o expoente máximo que dirige a maioria destas pessoas. É compreensível: a envolvência do estádio é coisa para distrair qualquer alma e, por vezes, o olhar vai para o sítio errado na hora H. Ou, aliás, na hora G, de golo. Acontece ao melhores. Derivado disto há todo um outro rol de distrações estilo "mas quem fez falta?", "quem apanhou cartão amarelo?" ou "quem foi o banana que deixou a bola sair de campo?".

 

Por aí, com que estilo é que vocês se revêem?

 

image.jpg

27
Fev19

O maior mal das estradas portuguesas

Carolina

Gosto muito de conduzir. Não sei bem porquê, mas uma das melhores coisas que me podem dizer é que conduzo bem. Talvez por ser um elogio muitas vezes guardado para os homens.

Mas a verdade é que o estado caótico do trânsito nas cidades é capaz de tirar todo e qualquer prazer que exista na condução. Isso e o facto da maioria das pessoas ter claramente ganho a sua carta no bolo-rei. (Soei a velho de restelo, não foi?). Pronto, vou ser mais razoável: acho que o facto de se conduzir tão mal, com maus hábitos enraízadissimos, faz com que rapidamente as pessoas se esqueçam das normas da condução. Lembro-me bem de me dizerem que um mês depois de tirar a carta já não iria usar piscas nem fazia perpendiculares. E eu mantenho-me aqui firma e hirta, a mexer no manípulo dos piscas para cima e para baixo e a contornar ângulos de 90º tentando-que-perfeitos de cada vez que estou num cruzamento - porque acho que são normas que fazem sentido, que precavêm acidentes e problemas e que contribuem para uma maior fluidez do trânsito. Mas sei que deixar de fazer estas coisas - e tantas outras - é fácil, principalmente quando quase ninguém as pratica.

Ainda assim, e apesar da baixa qualidade dos portugueses ao nível da condução, o principal problema das estradas não se prende com questões de jeito ou gosto pela condução. É tão somente uma questão de civismo e respeito pelo próximo. Chama-se estacionamento em segunda mão.

Tenho este post entalado há três dias, altura em que fui buzinada e insultada na estrada (entretanto, aconteceu de novo). Se há coisa coisa que eu não gosto é de ser criticada; mas se há coisa que eu detesto é ser criticada injustamente. O que aconteceu em ambas situações foi o seguinte: num troço com pouca visibilidade fui obrigada a mudar de faixa - dedicada aos veículos que vinham no sentido oposto - por culpa de uma carrinha e um carro (respetivamente) estacionados em segunda-mão. Eu não sou nenhuma santa ao volante - meto-me e tento encontrar o meu espaço, mas não sou aselha (disso, tenho noção) - por isso achei que tinha tempo e espaço, dentro da curta visibilidade que tinha, para poder ultrapassar os obstáculos. Na verdade, continuo a pensar que tinha: mas muitas das pessoas que vêm no sentido contrário fazem questão de apertar o acelerador para poder ter com quem embirrar e despejar as suas frustrações depois de um dia de trabalho.

Mesmo que os meus cálculos fossem errados, mesmo que eu não tivesse tempo, mesmo que eu não tivesse visto bem, mesmo que eu tivesse arriscado (o que é obrigatório em horas de ponta, em que estão constantemente a passar carros no sentido contrário) eu não estou a fazer aquilo por livre vontade. Eu não estou a sair da minha via porque me apeteceu. Estou a faze-lo porque há um terceiro envolvido que, por achar que as suas prioridades são mais importantes do que a dos restantes humanos, decidiu deixar a sua viatura no meio da estrada - e está a prejudicar-me tanto a mim como a todos os outros, incluindo os da outra faixa de rodagem. E eu só gostava que toda a raiva que me foi a mim dirigida fosse, em metade, em direção a quem deixa o carro à vontadinha no meio da estrada.

E sim, todos temos telhados de vidro. Eu também tenho - mas com a consciência muito, muito tranquila, por o ter feito meia dúzia de vezes ao longo dos meus anos de carta, em situações muitíssimo esporádicas. Isto porque acho inaceitável. Acho de um egoísmo, de uma falta de civismo e de respeito para com o próximo brutal. E o pior é que é um comportamento massivo, que está a ficar cada vez mais enraizado na nossa sociedade e, desta forma, a ser aceite (faz lembrar o consumo de marijuana - é ilegal, mas já tanta gente o faz que se tornou moralmente aceite e quase já deixou de assumir o estatuto de droga). 

Não tenho problemas em admitir que sou radicalista e que acho que um sistema altamente punitivo resolveria o assunto - viu-se bem a diferença do estacionamento com parquímetros no Porto a partir do momento em que uma empresa começou a deixar bilhetinhos laranjas com multas de cada vez que alguém não punha moedinha. Antes não se arranjava um lugar - hoje, há-os às dezenas. Aliás, o caricato no meio disto tudo é que as pessoas preferem deixar os carros em segunda-mão, onde sabem não ser multadas, do que em lugares legais, mas pagos. É indecente.

Desafio-vos a sair de casa e, no percurso até ao vosso trabalho, contarem o número de carros que têm de contornar, qual corrida de obstáculos. Acho que muito dificilmente farão o caminho sem impedimentos. Porque o estacionamento em segunda mão é, para mim, o maior problema das estradas portuguesas - muito mais do que os aselhas e os pouco dotados para a arte da condução.

Não, ir buscar os filhos "ali num instantinho" ao infantário não é desculpa.

Não, ir só ali comprar pão não é desculpa.

Não, deixar o carro em segunda mão enquanto se almoça ou janta não é aceitável. É i-naceitável.

Não, parar os camiões para descarregar bebidas, para poupar o lombo do trabalhador, não é desculpa. 

Não há desculpas. 

Estamos a falar do benefício de uma ou duas pessoas contra o malefício de centenas (sim, porque não são só as pessoas que têm de ultrapassar ou deixar que os outros ultrapassem, mas também todos aqueles que têm de esperar atrás desses) que, por aquele "instantinho", vêem as suas vidas atrasadas. Que, por aquela coisa "que toda a gente faz e que não tem mal nenhum", até são insultadas e buzinadas de forma gratuita. Que, porque "tem mesmo de ser", sofrem acidentes.

Porque o vosso tempo não vale mais que o meu. Porque as vossas prioridades não são maiores que as minhas.  Porque se têm direitos, também têm deveres. Porque a estrada não é vossa, nem minha, mas sim de todos.

25
Fev19

Não sei o que sou nem o que fui

Carolina

Há três anos que não sei o que sou. De cada vez que tenho de preencher um formulário ou apresentar-me formalmente fico bloqueada, tentando prender-me a uma classificação que claramente ainda não existe no dicionário. Há uns dias, na pós-graduação, falava-se em "tudologos" - aquelas pessoas que fazem tudo nos sítios onde trabalham - e eu achei que era a única descrição justa para muito do que fui fazendo nos últimos tempos.

Quando trabalhava no jornal apresentava-me como gestora de conteúdos, designação de que me lembrei depois de alguns meses de luta interior para descobrir o que realmente era. De qualquer das formas, para evitar perguntas, os meus cartões não tinham função. Esclareci, desde o início, que não era jornalista (por opção e por não possuir carteira); mas ia dizer o quê? Paginadora, designer, gestora de redes sociais, publicista?

Hoje em dia, se quiser ir pela via mais fácil, digo que sou estudante – escondendo apenas que aquilo que estou a tirar é um curso pós-laboral, que ocupa duas noites por semana. Ninguém precisa de saber esse tipo de detalhes insignificantes, não é verdade?

Entretanto também dou aulas de piano – aqui a coisa começa a complicar-se. Faço-o assim num part-time muito, muito part-time, só um par de horitas por semana. Isto para além de cobrir as faltas e férias dos outros. Sou uma professora de piano de substituição? Sou meia professora? Professora nas horas vagas?

E resta-nos o caso mais sério, aquele que – espero – vai evoluir nos próximos tempos. Agora trabalho com o meu pai nas fábricas da família. Sou o quê, aprendiz de CEO? Mera observadora? Assistente? A que faz perguntas chatas? Deverei arranjar um nome catita em inglês, para parecer mais requintado? Tipo CEO to be? Chief to-become? Manager Aprentice, estilo o reality show americano? Ou, simplesmente, a filha do patrão – o nome que provavelmente mais passa na cabeça de todos de cada vez que me apresento? 

Hei-de escrever sobre isto, sobre o peso que os filhos dos patrões carregam nos ombros, mas fica para outra altura. Até lá, tenho de arranjar uma função para pôr no LinkedIn, só para não pensarem que não ando a fazer nenhum quando na verdade ando a tentar encontrar uns minutinhos para respirar.

Tudologa é um bocadinho presunçoso, não é?

14
Fev19

Posso ser solteira? Por favor?

Carolina

Já há muito tempo que vivemos numa sociedade em que estar solteiro é visto como uma coisa má. Mas hoje, mais do que nunca, isso se evidencia - a começar pelos programas de televisão, altamente empenhados em arranjar "a alma gémea" de qualquer um, utilizando métodos altamente inovadores e de eficácia, digamos, duvidosa. Vejamos: casar pessoas sem elas nunca se terem conhecido (Casados à Primeira Vista), fazer dates em restaurantes (First Dates) e dentro de carros (O Carro do Amor) ou juntar uma dúzia de miúdos dentro da mesma casa para ver quem se engata primeiro (Love on Top). Para vir estão outras maravilhas como os serem os pais a eleger o novo namorado da filha, escolher (ou, neste caso, eliminar) potenciais parceiros tendo por base o aspeto das suas partes iíntimas (Naked Attraction) ou ainda ter conversas muito intensas e profundas com um "match" enquanto estão deitados numa cama... usando apenas lingerie. Tudo formas maravilhosas de se conhecer a fundo uma pessoa, não é? 

É engraçado como toda a gente parece estar ansiosa por arranjar alguém mas depois desencanta as formas mais escabrosas e descabidas para o fazer. Os programas são claramente a nova moda, mas também podíamos falar do Tinder, do facebook e afins. Acho que o problema principal é o objetivo ser, à partida, encontrar alguém com quem ter uma relação amorosa - passa-se logo à frente uma possível amizade, logo aniquilada por se dar um passo maior que a própria perna. Mas estas são, provavelmente, as mesmas pessoas que se queixam de já não haver relações a sério, com um bom fundo, que é tudo feito com base em questões superficiais. Querem o quê, se os escolhem os outros pelo tamanho das mamas ou se põem o futuro nas mãos de produções de programas que nunca vos viram à frente?

Neste momento a pressão da sociedade para se arranjar um/a companheiro/a é de tal forma que nós quase que nascemos com essa ambição máxima. Já não precisamos que nos digam que só se é feliz quando se partilha a cama e a vida, isso já nos está embutido. A pressão é nossa. Não vale a pena dizer "deixem os solteiros em paz" quando são a maioria das vezes eles próprios quem mais se impõe para mudar de estado civil - e, aparentemente, agora vale tudo. Já não sabemos estar sozinhos.

Eu sou solteira por defeito - defeito por ter nascido assim, solteira, sem amarras (no sentido de default) e por não ter paciência, tolerância e disponibilidade (mental) para dedicar tanto tempo a alguém (no sentido de falha de personalidade). Vejo todo este fenómeno com alguma estranheza e, confesso, alguma impaciência. Já não tenho pachorra para quem me pergunta se tenho namorado, se anda "mouro na costa" ou quando têm claramente mais vontade de me ver casada do que eu própria tenho. E este Dia dos Namorados lembra-me sempre isto, esta necessidade contemporânea de atualizar o estado de uma relação no facebook e de partilhar fotos mimosas de mãos dadas.

Acho graça como tanta gente critica ultimamente o Natal, por se ter tornado numa festividade comercial, mas mal pensa nisso relativamente ao São Valentim, que não é nada mais do que comercial. É curioso ver como este é um dia que já temos muito enraizado na nossa vida, até mais do que alguns feriados. Quando olhamos para os nossos calendários em Fevereiro já sabemos que ali para o meio está o dia mais piroso do ano. E é de tal forma que não deixamos de o celebrar (penso que em grande parte por termos medo que a "nossa metade" fique triste por deixarmos passar esta data em branco).

E isto é um cliché, mas é verdade: o dia dos namorados, do pai, da mãe, dos irmãos e dos avós devia ser todos os dias. Não devíamos precisar de reminders para isso. E gastar 50 euros por cabeça num jantar só para provar que é amor serve de muito pouco. O mesmo se pode dizer daqueles peluches enormes, pirosos, que eventualmente vão acabar no sótão porque não há sítio melhor para os pôr. Ah, e das rosas, que pagamos neste dia ao quíntuplo do preço daquilo que pagamos nos outros 360 dias do ano (há que contabilizar o dia anterior ao dos namorados, cujas vendas aumentam à custa dos mais precavidos, e o dia da mãe e respetivo dia anterior, que segue a mesma lógica comercial). 

Não quero ser aqui a velha do Restelo, mas gostava de relembrar nascemos sozinhos e morremos da mesma forma - com ou sem anel no dedo, papéis assinados, com ou sem averbamentos na nossa ficha do registo civil. Acho bem que nos divirtamos pelo caminho e, quem quiser e tiver disposição, que o partilhe com alguém de quem gosta - mas esta pressa, esta necessidade quase absurda de se ter alguém faz-me muita comichão. 

Posto isto, resta-me desejar-vos um bom dia dos namorados. Para os comprometidos, para os que "é difícil", para os que têm amigos coloridos ou room-mates. E, claro, para os solteiros. Lembrem-se que os 50 euros que gastariam entre flores, jantares e bonecada dá para uma mariscada das boas. Não é bem a mesma coisa, mas dá para um orgasmo gastronómico. Digam lá que é mau? 

 

980x.png

12
Fev19

Antes um calendário da Pirelli que do Benfica

Carolina

Estou agora a imiscuir-me no meio industrial. Nasci no seio dele, mas há coisas que há quinze anos atrás me passavam ao lado - e ainda bem, porque não tinha sequer idade para as perceber. Coisas tão simples e tão complexas como a relação patrão-colaboradores ou a própria interação dos empregados entre si. Quando era criança achava mais graça aos processos e não estava tão preocupada com esta vertente, que agora me é essencial, tendo em conta que estou a tentar assumir o papel de liderança dentro de uma empresa. 

Aprendi muito na minha passagem pelo jornal, quanto mais não fosse porque ouvi muitas opiniões (que eu às vezes concordava, outras não) e vi outras empresas, transpondo agora um bocadinho desses conhecimentos e daquilo que vi para a minha realidade atual e tentando tornar isto o melhor possível.

Há uns dias, enquanto tentava aprender um dos processos aqui da fábrica, deparei-me com uns cartazes e calendários do "Benfica Campeão" colados numa das paredes. Ora o tetra, ora a reconquista, ora o penta que aí vinha - não sei, nem olhei bem, vermelho e branco não é a minha praia. Mas fiquei a matutar naquilo e como não gostava da imagem que aquilo transmitia. E não, não é por ser do Benfica: podia ser do Porto, do Sporting ou do Leixões. É por ser de futebol. Veio-me à memória um escritório da fábrica onde cresci, quase pintado de azul e branco da cabeça aos pés, como quem grita "este escritório é de um portista doente". E isso não é bom, porque no futebol quase todas as reações, discussões e opiniões saem diretamente do coração. E, numa empresa, aquilo que queremos é cabeça.

Lembro-me perfeitamente de uma vez, no Leroy Merlin, ter mandado uma piada sobre o Benfica a um colaborador que estava a ajudar a carregar para o nosso carro umas placas pesadíssimas que viriam a forrar a piscina. Não sei o conteúdo da piada, da boca, da indireta ou da brincadeira, creio que até foi ele que começou e eu não me deixei ficar, mas lembro-me perfeitamente do desfecho: o senhor deixou o carrinho e foi-se embora, deixando-me a mim e à minha mãe a carregar aquele peso bruto. Tudo por causa do futebol. Escusado será dizer que, de cada vez que vou a uma destas lojas, me lembro da gentileza e racionalidade deste homem, que manchou a imagem do sítio onde trabalha por uma atitude parva e irrefletida.

Há quem critique as pessoas por adornarem as secretárias com as fotos dos filhos, quem deteste ir a oficinas automóveis porque se depara com calendários cheios de mulheres em poses indecentes. Pode ser piroso e revelar muito sobre quem os tem, mas não há muito a comentar sobre isso. Já coisas com teor futebolístico são, para mim, bem piores, pois criam cisões graves à partida entre as pessoas, sem estas sequer se conhecerem. Um cartaz de futebol é uma posição expressa de um gosto clubístico e pode criar pequenas guerras perfeitamente desnecessárias. Então e se as pessoas que partilham o mesmo espaço não forem todas do mesmo clube? E se alguém doente por um outro clube visitar o sítio em questão e se puser a mandar postas de pescada sobre o golo mal anulado do jogo de domingo? É irreal pensar que alguém que se dá ao trabalho de colar posters ou adornar o seu escritório com coisas do seu clube não vai ripostar a um desafio desse género. E muito dificilmente uma conversa destas vai ter a algum sítio bom ou culminar com elogios e uma ideia positiva de quem está do outro lado.

Não quer isto dizer que vá andar por aí a tirar posters alheios das paredes ou acabar com pregões clubísticos, qual extremista. Mas, a longo prazo, preferia que eles não existissem. Mal por mal, tragam os da Pirelli.

07
Fev19

Deus escreve direito por linhas tortas

Carolina

Não me lembro de, em miúda, querer ser muita coisa "quando fosse grande".  Recordo-me, sim, das duas principais profissões que sempre disse querer ter: primeiro, ser engenheira informática, como o meu irmão; depois, trabalhar na têxtil, tal e qual como o meu pai. Pelo meio tive algumas epifanias: professora de música, veterinária (esqueci a ideia quando uma prima mais velha me disse que tínhamos de pôr o braço in-tei-ro dentro do rabo de uma vaca), decoradora (só porque  achava que fazia um trabalho formidável no Sims) e acho que me passou pela ideia ser cabeleireira, um pensamento breve mas claramente egocêntrico, uma vez que tinha como objetivo não ter de passar pelas mãos de profissionais alheias que me cortavam mais do que os 7 milímetros de cabelo que eu achava serem adequados e que eu impunha como máximo de corte. Já não se pode dizer que fosse muito miúda quando a escrita e o jornalismo apareceram no horizonte.

Há uns meses, numa limpeza geral que fizemos nos arrumos, em que deitei centenas de quilos de papel fora (sem exagero), apanhei o primeiro jornal que alguma vez fiz, ainda no primeiro ciclo. Chamava-se "Notícias da Cidade", era um jornal de parede e tinha artigos sobre o que ia acontecendo na escola, que não passava muito da cena de pancada que tinha havido entre o António e Luís, com direito a relatos das auxiliares que separaram os dois meninos - eu sei, muito informativo... Lá pelo meio encontrei ainda o segundo jornal que desenvolvi, que teve mais de uma dezena de edições, chamado "Simple" - lembro-me bem de ir à reprografia e de fazer tabelas de custos, para pelo menos não ter prejuízo com a impressão. E enquanto folheava estes tesourinhos apercebi-me que a vida é um ciclo. É engraçado ver que nessa altura  estava a léguas de pensar em jornalismo - aliás, sempre fora uma aluna mediana a Português, não gostava nada de ler e os erros ortográficos eram uma constante - mas a verdade é que dois dos meus primeiros projetos "a sério" foram nessa área; mal eu sabia que uma década depois ia mesmo tirar esse curso e fazer parte de um jornal a sério!

Depois olhei para o presente e caí na real: então não é que hoje dou aulas de piano com regularidade? Que me chamam "professora" quando precisam de ajuda entre partituras e teclados? Que sou "a escritora da família"? E que estou, tal como o meu pai, no ramo têxtil? É verdade que não dei em decoradora nem em veterinária (embora, com seis cães , faça de veterinária quase todos os dias), mas a informática continua a ter um peso considerável na minha vida. Ah, já para não esquecer que corto a minha própria franja em casa, o que deve contar um bocadinho para a parte do "cabeleireira".

Agora fora de brincadeiras: a maioria dos emails que recebo na caixa do correio do blog prende-se muito com indecisões no campo profissional, ou ainda mesmo na fase dos estudos. Como tive um percurso um bocadinho atribulado penso que há muita gente que vê em mim alguém com alguma experiência para ajudar nestes campos. E se é verdade que ninguém deve ser infeliz a fazer um curso ou a trabalhar num determinado sítio, também o é que devemos ser resilientes e ter em mente o nosso objetivo final. É preciso pesar bem as coisas e tentar ter uma visão imparcial da nossa própria vida e situação emocional o que, obviamente, é tudo menos fácil. Aquilo que digo sempre é que os caminhos que percorremos não têm necessariamente de traçar o nosso futuro. Deviam ajudar, mas se não o fizerem, ninguém morre. A escola e a faculdade são um meio para atingir um fim. E o trabalho é algo que podemos mudar, desde que não nos falte a coragem e um meio de apoio qie nos ajude a sustentar essa decisão.

Lembro-me bem que, quando me perguntavam o que queria ser quando fosse grande, me diziam aquilo que os adultos dizem a todos: "mas não podes ser tudo! Tens de escolher! Umas coisas nem sequer têm que ver com as outras... É como dizeres que queres ser astronauta e florista, não funciona". E eu hoje venho dizer o contrário, que não é bem assim, e que a vida não tem de ser resumida a uma só coisa - até porque é um caminho, e todos nós sabemos que há muitas estradas diferentes que vão dar ao mesmo sítio.

Sim, é verdade: eu não vou viver a vida toda neste vai-não-vai. Eventualmente vou ter de fazer escolhas, deixar de me partir em muitas e de andar de um lado para o outro estilo barata-tonta. A gestão da minha agenda, entre dar e receber aulas de piano, as fábricas, o blog e a pós-graduação é coisa para, de vez em quando, me dar calores e muitas dores de cabeça. Mas ao menos posso dizer que fiz. Um dia quis ser jornalista? Já fui. Um dia quis ser professora de música? Já sou. Um dia quero ser como o meu pai e trabalhar na têxtil? Já trabalho. E cabeleireira? Não sou porque não quero, porque na verdade acho que nunca quis, e estou bem com isso. 

Sinto que a vida passou um lápis por cima de muitas das coisas que eu antes, em miúda, delineei a tracejado - quase como se faz naqueles livrinhos de crianças. Penso que tudo isto aconteceu por uma mistura de sorte, de disponibilidade e abertura da minha parte e por, de alguma forma, querer e fazer por isto. Ou então é mesmo o destino, sei lá. A verdade é que se calhar era tudo mais fácil se fôssemos seres coerentes, que tudo batesse certo e que fizesse tudo muito sentido na nossa vida, nos nossos gostos e nas nossas ambições. Mas as coisas não funcionam assim. E ainda bem, porque acaba por ser muito mais divertido desta forma ;)

09
Nov18

Um mundo com demasiada informação (da rubrica #Viver sem telemóvel mas a trabalhar para ter um)

Carolina

Depois de ter visto o meu telemóvel ir por água abaixo - literalmente -, e sabendo que nessa situação são normalmente poucos os sobreviventes, comecei logo a pensar que outro telefone poderia comprar. Uma coisa era certa: eu estava aberta a novas experiências, e comprar um iPhone não ia voltar a acontecer. Muito para além de gostar ou não do telemóvel ou do interface, o iPhone tem o problema dos serviços adjacentes (iCloud e iTunes) que são capazes de levar até um santo à loucura - principalmente se esse mesmo santo tiver um computador que não seja Apple.

Lancei-me por isso ao mercado dos telemóveis de braços abertos, pronta para experimentar as maravilhas da Huawei, passando pela competição renhida da Xiaomi, dos rejuvenescidos Nokia e até pela Samsung, da qual nunca fui fã. E aqui começa o problema: num universo de centenas de telemóveis - mesmo que consigamos reduzir a gama devido ao fator preço - qual escolher?

Comecei por fazer o típico: ligar ao meu irmão, a pessoa em quem mais confio nestes tópicos, a pedir a sua opinião. Foi ele que me apresentou ao GSM Arena, cujas opiniões acabaram por pesar bastante na minha decisão final. O drama é que todos estes sites que avaliam telemóveis são eternamente insatisfeitos: há sempre alguma coisa que está mal, há sempre detalhes que faltam, há sempre uma lista demasiado grande de desvantagens - e pior, há sempre uma comparação com outros modelos, dentro da mesma linha e preço, que eventualmente também nos podem satisfazer (mas que também têm uma lista recheada de prós e contras). 

Chegamos a este ponto e, para além do problema inicial de escolher um telemóvel, ainda temos outro: lidar com a quantidade soberba de informações que temos nas mãos mas que, em vez de nos esclarecerem como era suposto, só nos confundem mais. Do nada, caímos num silo que em vez de ter cereais tem nomes de processadores, tipos de entrada USB, tamanhos de RAM, polegadas e diagonais de ecrã, chipsets XPTO, câmaras que vêm aos pares, não sei quantos miliamperes de bateria, cartões SD para se enfiar em vários sítios diferentes... a par dos testes à luz solar, dos altifalantes, da rapidez, da qualidade do som, da duração da bateria, da câmara fotográfica de dia e de noite, do modo de desfoque, de retrato, de paisagem, de panorama, da utilização do HDR, da qualidade do vídeo com 1080p a 30 fps ou 60 fps, com ou sem estabilizador... E, wow!, não conseguimos respirar! E se depois chegamos a alguma conclusão - algo altamente improvável, dado que o nosso cérebro está feito em papa depois de processar tamanha quantidade de informação -, ainda vemos todas as promoções em vigor, todos os sites meios rafados que têm preços altamente competitivos mas cuja confiança é duvidosa ou cujo local de envio fica do outro lado do mundo, o que é um bocado chato tendo em conta que precisamos do telemóvel para ontem. Cansativo, hun?

A verdade é que neste momento vivemos num mundo com demasiada informação sobre tudo. Há dez anos, quando se queria adquirir um telemóvel ou um carro, compravam-se revistas, analisavam-se as características e liam-se as críticas - limitadas a um espaço relativamente curto, dentro de uma ou duas páginas; tudo o resto eram opiniões com base em experiências pessoais, do indíviduo X que tinha tido imensos problemas com determinada marca ou de outro que adorava o carro Y. Mas hoje o espaço é ilimitado e não há só duas ou três revistas sobre o tópico - há milhares de fontes para escolher. Qual é que a mais fiável? Qual é aquela que procura um telemóvel com características semelhantes àquelas que nós próprios queremos?

Cheguei à conclusão de que este processo é um ciclo vicioso. Li várias críticas (em sites estrangeiros e portugueses) a uma seleção de meia-dúzia de smartphones, vi vários vídeos do youtube ("Porque é que NÃO deve comprar este telemóvel", "Porque é que este smartphone é o melhor do ano", "Comparação entre o Huawei X e Z") - e tudo isto nos leva a ainda mais conteúdos, ora porque não percebemos uma coisa, ora porque diferentes artigos se contradizem em determinado detalhe ou simplesmente porque nos são sugeridos e "mais um também não faz mal a ninguém". Até que parei. Percebi que já tinha tirado tudo o que podia dali: já tinha feito uma shortlist, já tinha feito os prós e os contras mais importantes de cada uma das minhas escolhas, já tinha todas as pré-informações possíveis e imaginárias e já tinha aprendido uma série de coisas novas ("nodge" e "chipset" passaram a fazer parte do meu vocabulário, por exemplo). 

E daí segui o derradeiro conselho do meu irmão: "vai a uma loja, experimenta o telemóvel, vê se gostas do interface, da maneira como fica na mão... e depois decides". E foi assim. Não é curioso como, no fim de tudo isto, depois de todas as horas de pesquisa, e de comparações... tudo se volta a resumir à vida real? Ao "feel" da coisa, para lá de todos os gigas, processadores e cenas geek-racionais? Somos criaturas complexas, não é verdade?

04
Nov18

Viver sem telemóvel

Carolina

Ontem de manhã o meu telemóvel caiu na sanita.

 

Pronto, um parágrafo foi bastante para se rirem? Já contraíram o abdominal o suficiente à minha custa? Olhem que essas gargalhadas de gozo que estão a soltar neste preciso momento podem voltar-se contra vós - o karma é lixado, e eu estou em crer que muito telemóveis no mundo visitam diariamente sanitas alheias, por isso é melhor terem cuidado. 

Fiz tudo aquilo que dizem que se deve fazer nestas situações - tirei-o logo da água, sequei-o, tirei-lhe todas as capas e partes que podia retirar, aspirei-lhe todos os orifícios, coloquei-o no meio de sílica gel para absorver a humidade e no meio do arroz. Neste post não me quero concentrar nas hipóteses de sobrevivência do meu telemóvel (que, a meu ver, serão poucas) mas sim em como vivi estes dois dias sem telemóvel - um estudo interessante nos dias de hoje, que praticamente só é possível em alturas como estas, por obrigatoriedade.

Admito que é com surpresa que digo que me senti muito bem. Não houve cá suores frios pela síndrome de abstinência nem senti falta de, ao longo do dia, estar sempre a carrega-lo comigo. Na verdade, senti-me até algo aliviada: não me era possível ser contactada e isso não era culpa minha - e por isso tinha carta branca para não ver o que me diziam, não me sentir culpada por não responder, não ver, não atender. Porque a verdade é essa: os telemóveis fizeram com que estejamos contactáveis a 100%, a toda a hora, de todas as formas, em praticamente qualquer lugar do mundo - e, se não respondemos a esse chamamento, ou somos mal-educados por não dar resposta, ou uns totós afastados das tecnologias. 

O Miguel Araújo escreveu há uns tempos uma crónica na Visão a propósito disso e sobre o facto de não atender o telemóvel de forma deliberada, que convido a que leiam aqui (mas só depois de acabarem o meu post, está bem?). Escreveu: "Eu quase não atendo o telefone. Aquela solicitude de falar imediatamente, de estar disponível para uma conversa não solicitada é algo que eu reservo para as pouquíssimas (4 ou 5) pessoas da minha mais exclusiva intimidade. Tudo o resto (tudo!) fica resolvido com mais delicadeza, eficácia, celeridade e concludência através das outras mil maneiras que o mesmo dispositivo permite", que enumera posteriormente. Depois acrescenta: "Mas telefonar, convenhamos, soar um alarme que pede resposta imediata por parte do nosso semelhante, é quase sempre inconveniente, nos dias atarefados que correm. (...) Entendo que um telefonema convenha a quem liga. Mas dificilmente convém a quem se destina. E isso, na sua essência, é indelicado."

Na verdade, eu estendo as palavras dos Miguel dizendo que é indelicado, como um todo, esperar uma resposta imediata de alguém, qualquer que seja o meio de comunicação. E, para mim, há regras "invisíveis" que atenuam este novo paradigma, mas que aparentemente são ignoradas por quase toda a gente (um exemplo é contactar alguém depois das 18h acerca de coisas de trabalho, sabendo à partida que a pessoa em questão já não está a trabalhar - escrevi sobre isso neste post). Nesse sentido, aproveitei este momento para ter paz e não ser consumida com notificações. O meu pai emprestou-me um telemóvel antigo, em que nem sequer coloquei o meu cartão ou instalei qualquer tipo de aplicações - só os meus pais e os meus irmãos têm o número, em caso de haver alguma emergência. Não anunciei no facebook que não tinha telemóvel, não dei alternativas de contacto, não providenciei outro número; para o mundo, hibernei. Dei-me a esse luxo.

E é engraçado ver como a função primária do telemóvel - contactar e ser contactado pelos outros - não é de todo aquilo que sinto mais falta. Ontem dei por mim em três momentos a sentir a falta do smartphone: o primeiro foi ter sentido necessidade de uma sessão de meditação promovida por uma aplicação que tinha instalado (não perguntem - um dia hei-de escrever sobre isto, mas ainda estou muito no início); o segundo foi quando me deitei, altura em que queria escrever um texto que estava a começar a surgir na minha cabeça; e o terceiro foi quando acordei a meio da noite e precisei de ver as horas, momento em que tive de ligar o candeeiro para conseguir ver os ponteiros no meu relógio de pulso que já tinha deixado estrategicamente na mesinha de cabeceira. As coisas mais óbvias e que supostamente me fariam mais falta - para além das comunicações -, aquelas que me gastam mais tempo no dia-a-dia, foram aquelas de que mal me lembrei: nem facebook, nem instagram, nem whatsapp e as suas cansativas conversas de grupo. Foram coisas corriqueiras, de utilidade pessoal e não de procrastinação.

É lógico que isto não vai durar para sempre - e é óbvio que a minha despreocupação com o telemóvel não é assim tão grande. Chateia-me tê-lo deixado cair, aborrece-me e entristece-me plenamente a possibilidade de perder algumas coisas de que não tinha feito backup e irrita-me ter de gastar dinheiro noutro telemóvel quando ainda queria que este durasse dois anos para o conseguir "amortizar" por inteiro. Mas às vezes não temos escolha. E é bom ver que, afinal, até vivo muito bem sem uma coisa que já parecia uma extensão de mim. Melhor que isso: perceber que até gosto de viver sem ela.

 

Digital-detox-smartphone-addiction-web-824x549.jpg

24
Out18

Sobre a moda e o lixo noticioso que ela produz (ou a síndrome do colega engraçadinho)

Carolina

Sinto que hoje em dia as novas abordagens ao mundo da moda se fazem ao estilo do colega engraçadinho que todos tínhamos na turma. Aquele que nos dizia que tínhamos ido para a escola de pijama, que a nossa mãe se tinha esquecido de nos pentear o cabelo, que o buraco entre os nossos dentes era uma auto-estrada digna de um camião ou que a nossa roupa parecia vir da feira. É uma característica comum em muitos engraçadinhos: não têm graça. Pegam nos pontos fracos de alguém e jogam-nos contra a pessoa, a ver se resulta. E os outros riem-se, não por o engraçadinho ter graça, mas esperando que o alvo da graça nunca sejam eles próprios.

Devido à crise (em todos os campos) que o jornalismo está a passar, o humor - em conjunto com o clickbait (a "arte" de atrair as pessoas através de títulos polémicos, que chamam à atenção e nem sempre são verdadeiros) - é uma arma forte para nos convencer a clicar numa notícia. E por isso acha-se que todos podem fazer os outros rir ou que têm jeito para isso; acha-se que tudo é um bom tema para fazer piada ("ah e tal, o humor não tem limites!"... mas quando gozavam convosco na escola não tinha graça, pois não?); acha-se que não há uma linha que separa a piada da maldade.

É no seguimento deste novo paradigma que surge a nova vaga de notícias de moda (já muito à frente das Vogue's ou Elle's), produzidas em revistas "inovadoras" que, dizem, querem dar uma nova visão da indústria. Já há um ou dois anos que as duas semanas de moda em Portugal são desculpa para fazer de tudo: já vi vox pop's em que se questionam as pessoas sobre os criadores que vão desfilar (ou outros que foram inventados no momento) e se espera uma resposta completamente descabida por parte de quem está outro lado do microfone; já vi imensas peças que nomeiam a pessoa com mais pinta no dia "X" e d«a pessoa mais mal vestida no dia "Y" de um dos eventos; já li textos de opinião escritos por "humoristas" não identificados, onde se admite que o autor não percebe nada de moda mas que está ali para ter um olhar diferente perante o desfile. Tudo isto com um único objetivo: tentar ter graça, fazer diferente. Como? Gozando com as pessoas, tal e qual como o coleguinha engraçado do 5º ano.

Façamos uma reflexão: como se sentirão os indivíduos escolhidos como os mais mal vestidos da Moda Lisboa - que se deixaram fotografar, mas nunca sabendo em que âmbito iriam ser publicadas as suas fotos - quando vêem as suas caras escarrapachadas num artigo que se está a espalhar pelo facebook? Como é que se sentirão as manequins e as modelos quando se vêem referidas num artigo por as suas nádegas estarem cheias de celulite e a fazer, passo a expressão, "boing, boing, boing" enquanto desfilam pela passarela? Como se sentirá a Cristina Ferreira - e todas as Cristina's do país - quando se lê no título de uma notícia que a apresentadora já não tem idade para esta coisa dos desfiles e que aqueles "tronquinhos" já não são para aquelas botas? Como se sentiu Sílvia Alberto quando foi comparada com o "emplastro"do FCPorto por ter um sinal na cara, mais ao menos no mesmo lugar? (Eu esta sei a resposta: mal, de tal forma que exigiu o direito de resposta pela forma como foi tratada por esse meio de comunicação). 

Isto não são notícias, não é jornalismo. É lixo. Talvez mesmo abaixo de lixo - o esgoto. Lixo é aquilo que agora se vê em todo o lado, uma forma de encher chouriços quando nada mais há para dizer: coisas como "os cinco casacos da Mango que tem de comprar esta estação", "as coisas mais horripilantes que encontramos nos saldos da Bershka", "porque é que nunca deve misturar ganga escura e ganga clara" ou "afinal de que cor é este vestido?".

E eu, que apesar de nunca ter gostado daquela visão cinzenta e demasiado séria do jornalismo (foi isso, em grande parte, que me fez distanciar desta vertente, na faculdade), vejo-me obrigada a insurgir-me quando vejo tudo isto. Mete-me nojo, principalmente quando assisto a uma espécie de ciber-bullying no lugar de notícias - que, para além da maldade, se juntam aqui à hipocrisia, numa altura em que se fala tanto da liberdade de expressão, na normalização dos corpos e no fim da magreza excessiva das modelos (coisas que os mesmos meios de comunicação aplaudem e divulgam, mas rapidamente se esquecem).

Talvez o facto de ter trabalhado dois anos neste ramo me tenha deixado mais sensível e alerta para estas questões, até porque nunca imaginei chatear-me em prol do bom jornalismo - mas a verdade é que acho que nem é isso que me move, mas sim o ridículo que é gozar com as pessoas de forma gratuita em praça pública, muitas delas que estão só e apenas a fazer o seu trabalho. E é por isso que desde há dois anos para cá que, de vez em quando, lá estou eu a mandar "postas de pescada" nas caixas de comentários no facebook, para ver se alguém acorda para a vida. Há sempre quem ache graça ao "engraçadinho" mas tenho visto cada vez mais gente como eu, que reclama de forma civilizada e que tenta pôr fim a esta nova moda no mundo da moda. Todos os exemplos que dei nos parágrafos acima são reais: alguns mais antigos, que já poucos se lembrarão, e outros que ainda estão neste momento a correr tinta (nomeadamente com um pedido de desculpas de um meio de comunicação a propósito de notícias deste género publicadas no âmbito do último Portugal Fashion). 

Hoje saltei das caixas de comentários para aqui, algo que já estava para fazer há muito. Porque há que falar e mudar o que está mal. Porque sempre me ensinaram que as desculpas não se pedem, evitam-se. E porque ainda está bem fresca a minha memória em relação aos "engraçadinhos"; não me deixei enganar pelo tempo, não romanceei as saudades que tenho desses anos. Continuo a saber que não tinham piada nenhuma. Nem nunca irão ter.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Deixem like no facebook:


E sigam o instagram em @carolinagongui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2018 Reading Challenge

2018 Reading Challenge
Carolina has read 5 books toward her goal of 12 books.
hide

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Ranking