Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Entre Parêntesis

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

06
Out19

Não se esqueçam de ir às urnas - até porque há alternativas

Não sou ninguém para pedir aos outros para ir votar. Não que tenha telhados de vidro - se a memória não me falha, não faltei a nenhumas eleições desde que sou maior de idade. Mas percebo o porquê dos outros não votarem. Percebo a descredibilização dos políticos e da política. Percebo a indignação. Percebo o descontentamento e a necessidade de o demonstrar de alguma forma. Percebo a sensação de não nos sentirmos representados. Até percebo a falta de credibilidade da própria democracia! Sinto tudo isso. E também sinto que está tudo tão mau que nem vale a pena tentar, que o meu tempo "perdido" entre filas de voto e trânsito nem sequer é bem empregue. Mas tenho ido - por teimosia e por saber que não encontro nada melhor do que uma democracia no cardápio dos sistemas políticos.

Uma das coisas que se ouve muito é o argumento de que "são sempre os mesmos que vão para lá". Também concordo. Mas hoje decido fazer de advogada do diabo e contra-argumentar. Muito embora não possamos escolher quem encabeça os partidos (a menos que sejamos filiados), quem os forma, quem lhes dá a cara ou as ideias que transmitem, a culpa de serem sempre os mesmos a encabeçar as sondagens é nossa. Da sociedade em geral. Porque cada vez mais me apercebo que há pequenos movimentos que apresentam alternativas - nós é que não as ouvimos ou procuramos. Porque desistimos da política e não tomamos a iniciativa de ir procurar, de desbravar para além do que está na superfície. Porque não vemos mais do que os primeiros minutos dos telejornais, em que são sempre os mesmos que falam. Porque, como tudo na vida, os mais pequenos são os oprimidos e não têm voz.

Eu, penso que como a maioria do país, estou farta de muita coisa. Acima de tudo, estou cansada da corrupção e dos abusos de poder. E decidi ser ativa e procurar alternativas. Perdi tempo a ler as ideias, os ideias e as propostas dos partidos mais pequenos; entraram na minha lista mental nomes de novos políticos que não fazia ideia existirem, muito para além de Costa, Rio, Cristas, Martins ou Sousa. E a verdade é que são vários, para todos os gostos e pessoas; da direita à esquerda, dos radicais aos centralistas. Podemos não nos sentir 100% representados (alguma vez isso acontece?) mas, ao menos, tentamos uma alternativa àquilo de que dizemos mal diariamente. Acredito mesmo que é esse o caminho. 

São dez da manhã e eu já fui votar. Votei num partido pequeno, na esperança de fazer a máquina mudar - e, de todas as eleições de que fiz parte, este é sem dúvida o voto que faço de consciência mais tranquila. E por aí, vão votar nos mesmos e ter o gosto de resmungar nos próximos quatro anos ou vão tentar mudar qualquer coisinha? Independentemente da vossa escolha, nos grandes ou pequenos, votem. Não se esqueçam.

 

P.S. Para quem ainda não decidiu, partilho dois links que podem ajudar - e que me ajudaram a consolidar a minha decisão. O primeiro é uma bússola política, que através de um pequeno quizz sobre vários tópicos um tanto ao quanto fraturantes da sociedade, acaba por nos ajudar a posicionar relativamente ao quadrante político em que melhor nos inserimos. 

O segundo é um artigo do Público que, consoante as nossas características pessoais e os temas que mais nos importam, nos mostra as medidas que cada partido propõe nos segmentos que provavelmente mais nos importarão (justiça, ambiente, saúde, por exemplo).

 

votar.jpg

05
Set19

Chávena de Letras - "Janela Indiscreta - O que dizem as Estrelas"

por Mário Augusto

janelaindiscreta.jpg

Sou há muito tempo uma fã confessa de Mário Augusto. Foi ele que, indiretamente, me indicou o caminho para o jornalismo numa altura da minha vida em que eu estava particularmente perdida - e em que no encontramos num programa de televisão, ele enquanto entrevistador e eu como entrevistada (em 2010). Vi aí uma forma de aliar várias das minhas paixões e o meu objetivo passou a ser uma espécie de sua sucessora: "a" jornalista de cinema no país.

Esse sonho já lá vai - não quero nada com jornalismo. E mesmo do cinema tenho-me distanciado bastante. Mas o bichinho daquela ambição continua lá, assim como a admiração que tenho por este senhor. Acho-o extremamente humilde; daquelas personalidades que não conhecemos mas que pensamos "este homem deve ser mesmo boa pessoa".

Não podia, portanto, deixar passar este seu último livro. Queria muito saber as suas opiniões pessoais sobre as estrelas - esperando o seu polimento clássico e o seu típico cuidado com as palavras - e aprender algumas das peripécias por que passou, para poder absorver aquilo que é um bocadinho da sua vida, aquela que eu um dia também quis ter.

Nesse sentido, o livro não me encheu as medidas. Queria mais! Mas não deixa de ser uma obra de aprendizagem sobre o cinema, a sua história e evolução - e a perspectiva dos seus protagonistas (e do Mário Augusto) sobre isso mesmo. Há um grande enfoque sobre as diferenças sentidas pelos atores entre o cinema, a televisão e o teatro, assim como a forma como lidam com a fama e a gestão das suas carreiras. No fim, aprendemos que uma estrela de Hollywood se faz de um mix de trabalho, empenho, talento... e sempre uma pitada de sorte.

Não é um livro que vá recordar daqui a muito tempo, mas estou certa de que me vai servir para me ajudar a lembrar de pequenas histórias e dicas que Mário Augusto foi deixando ao longo da obra. Destaque para as sugestões de filmes que dá no fim de cada capítulo sobre os atores/realizadores... aguçou-me a vontade de passar umas belas horas em frente ao ecrã.

02
Set19

Em busca da francesinha perfeita #10

no Bufete Fase

Se no último par de anos comi mesmo muito poucas francesinhas - muito por culpa de me sentir eternamente insatisfeita com aquilo que ingiro sempre que faço uma nova tentativa - nos últimos meses tenho-me vingado e experimentado vários restaurantes que têm como especialidade esta iguaria portuense.

A última foi naquele que é, provavelmente, o local mais famoso de todos: o Bufete Fase, na rua de Santa Catarina.

Sejamos claros à partida: é um tasco. Se procuram um sítio bonito e glamouroso para comer e estar confortáveis, este não é certamente o lugar ideal. Aliás, ali não se cultiva a arte de estar à mesa: é chegar, comer e sair (prova disso é termos jantado em 40 minutos). No fundo, é uma coisa à antiga: o objetivo é sair satisfeito, não é postar uma foto bonita no Instagram.

E isto vê-se logo no atendimento. A senhora foi direta: "são então duas francesinhas? E para beber, o que vai ser?". Ou seja: não há muito mais escolha para além do prato típico - se não é francesinha, é bife (daquele que vem dentro da francesinha...). E vamos diretos ao assunto: a dita é boa. E lembrou-me a do Gambamar, o que é um óptimo elogio.

O pão é bem tostado e o conteúdo recheado; o bife é fino mas tenro e não há salsicha fresca (yey!). E há aqui um twist: não só há bife como também carne assada, que dá um travo final que não é do gosto de todos, mas que eu não achei mau. No meio das carnes nenhuma me pareceu ter daquelas pepitas malvadas de pimenta, que normalmente me infernizam as refeições. E isto leva-me ao molho. Apontem bem isto: NÃO. É. PICANTE. Aleluia, irmãos! É uma autêntica lufada de ar fresco. Os molhos de francesinha foram progressivamente ficando mais pungentes neste sentido, algo que nem o meu palato nem o meu estômago aprovam; mas o molho do Bufete Fase, por default, não é picante. Mas descansem os fãs da língua em formigueiro, porque também há uma versão picante ;)

Penso que a questão do molho foi crucial para não me sentir pesada quando saí de lá. Normalmente, sempre que como francesinha, sinto-me enfartada, como se tivesse comido um boi (o que depois me faz sentir arrependida de a ter comido - porque ninguém quer sentir que comeu um boi, não é verdade?). E ali, pelo contrário, senti-me leve e bem disposta depois de sair do restaurante - o que, só por si, já é uma sensação a registar.

A nota final vai para a dificuldade em arranjar mesa. Nós chegamos ao restaurante pelas 19:40h e estreamos o jantar dessa noite; quando saímos (pelas 20:20h) o corredor apertado que liga a porta às salas de jantar já tinha pelo menos uma dúzia de pessoas à espera. Encheu num fósforo. E, pelo que me pareceu, ia continuar a encher nas horas seguintes.

O maior elogio que posso fazer ao Bufete Fase é que acho que há uma razão válida para isso acontecer. Eles têm a fama, tiram claramente o proveito - mas é bom finalmente ver uma base nisso.

Fiquei fã (desde que se vá cedinho).

 

IMG_20190830_195314.jpg

 

25
Ago19

Pensamentos de uma lista-holic

A linha que separa uma pessoa organizada de um comportamento obsessivo-compulsivo

Mais um ano, mais um campismo de família. Desta vez foi por um triz que se realizou – confesso que a vontade era pouca, muito provocada pela fraca adesão da família durante este ano. Mas cá estamos, desta vez em Vila Praia de Âncora.

O campismo é muito divertido mas implica uma logística um tanto ao quanto complicada. Há uma grande desvantagem neste tipo de férias: independentemente do número de pessoas que venham, a mala do carro vem sempre cheia. É tenda, mesa, cadeiras, colchões, sacos-cama, lancheira, camping-gas, coisas para lavar a loiça... tanta coisa que o risco de nos esquecermos de algo é muito elevado.

Cresci com um pai extremamente organizado, que antes de qualquer viagem me aparecia no quarto com uma lista, dentro de uma pequena mica, que passava a ditar em voz alta: “cuecas, meias, cartão de cidadão, dinheiro, máquina fotográfica, pasta dos dentes (...)”. Eu ia anuindo com a cabeça ou, pelo contrário, apontando o que faltava.

Passaram alguns anos e o bicho da organização passou a morar em mim. E, como diz o ditado, a necessidade aguça o engenho: a verdade é que a lista do meu pai, apesar de muito completa, é dirigida a homens (tinha falta de coisas tipicamente femininas, como artigos de higiene ou roupas que só mulheres usam) e só contemplava objetos para viagens normais. O campismo exige todo um outro nível de planeamento. Por isso fiz-me ao piso e desenvolvi a minha própria lista – uma folha A4, dividida por categorias (objetos de campismo, roupas, comidas, higiene, eletrónicos e outros), para que nada faltasse. Sinto-me, honestamente, muito orgulhosa do meu feito!

Por isso, por achar que as listas têm uma beleza própria e por achar piada ao meu próprio sentido de organização, partilhei há dias uma imagem da minha lista no instagram. Recebi várias mensagens com emojis a chorar a rir e outras tantas, mais direta ou indiretamente, a dizer que eu era maluca. E eu fiquei a pensar naquilo.

O que distingue uma pessoa organizada de outra com um transtorno obsessivo compulsivo? Sim, eu sou organizada; sim, dá-me prazer ver tudo organizado por categorias, enfiado em compartimentos próprios. Gosto que as coisas tenham sítios para estar, adoro saber onde posso encontrar tudo. Não gosto de caos. Não gosto que faltem coisas que sinto que vou precisar – daí a necessidade de uma lista vasta neste tipo de férias.

A questão é que não me dá um chilique ou calores quando as coisas estão fora do sítio. Não fico stressada se vir que me faltou alguma coisa. Sei lidar tranquilamente com isso. E penso que é essa a linha que separa uma coisa da outra: não só a forma como fazemos as coisas, mas acima de tudo como reagimos às contrariedades, ao oposto daquilo que gostamos e desejamos.

Sou uma orgulhosa lista-holic, gabo-me da minha organização. Para os que acham o contrário, também dou bem por maluca. Uma maluca organizada, se faz favor.

 

lista campismo.JPG

 

26
Jul19

Chávena de Letras - "Estar vivo aleija"

250x.jpg

Sou suspeita: gosto bastante do Ricardo Araújo Pereira. Talvez por isso tenha saído um bocadinho desapontada depois da leitura deste livro, pois senti que conhecia muito daquilo que li: a história das batatas da avó (uma das suas melhores crónicas, para mim), do pão parvamente cortado e outros "clássicos", já dados a conhecer na rádio e noutras entrevistas.

Ainda assim, todas elas são pautadas pela sua piada inteligente, tão característica, e por pitadas de sarcasmo e acidez que dão mais sabor à leitura.

As crónicas são curtas, de fácil leitura - mesmo que o tema não cative (como houve alguns, no meu caso, relacionados com política brasileira), não é um "sacrifício" que dure muito.

É um bom livro para se ir lendo, crónica a crónica, quando nos apetece; ou para ler de fio a pavio, numa boa tarde de verão, enquanto ouvimos interiormente a tão conhecida voz do Ricardo a ler as suas piadas exclusivamente para nós.

 

As minhas crónicas favoritas: "Aquele Momento", "Amor e Batatas", "Curriculum Vitae", "Maus-tratos a Livros", "Chamaram-me um Nome" e "Perigo: Importantes Lições de Vida".

20
Jul19

Chávena de letras - "O Lar da Senhora Peregrine para Crianças Peculiares"

lar-senhora-peregrine-revista-estante-fnac.jpg

Já há muito tempo que me tinham aconselhado a leitura d'"O Lar da Senhora Peregrine para Crianças Peculiares", nomeadamente aqui no blog, em alturas em que desesperei por algo que me voltasse a querer reaver os meus bons hábitos de leitura. Fui adiando até um dia comprar o livro... E adiando ainda mais até o começar a ler.

Não sou pessoa de gostar de temas fantasmagóricos e de coisas assustadoras; ninguém me apanha a ver um filme de terror ou a ler sobre espíritos. Não é para mim. E quando li a sinopse deste livro achei podia resvalar para alguma destas temáticas.

Agora percebo que não. Há muito pouco de assustador aqui - pelo menos não mais que nos restantes livros de fantasia - e, pelo contrário, não há falta de coisas ternurentas a que nós agarrarmos. Vejo o porquê de mo terem aconselhado em tempos onde a leitura não esteja a fluir: este é um livro que se lê de rajada, em que a narrativa empolgante é ajudada pelo correr fácil das páginas, a escrita simples e as imagens que fazem acompanhar todas as descrições de criaturas peculiares, remetendo-nos para os tempos de criança, em que a nossa imaginação era auxiliada pelas ilustrações e outros desenhos.

É uma obra boa para ler no verão, que não nos faz querer parar de ler até sabermos o seu desfecho  A história está nitidamente desenhada para ter uma continuação - que, se não me engano, já existe - visto que há, claramente, muitos mundos para explorar neste universo criado por Riggs.

Gostei.

17
Jul19

Chávena de letras - "Se esta rua falasse"

IMG_20190717_124949.jpg

Os livros da Alfaguara têm o dom de me conquistar pela capa. Este "Se esta rua falasse" não foi excepção. O título também ajudou.

Mas a verdade é que tudo o resto me desiludiu. Não gostos de livros abertos, sem fins claros. Esta é uma obra pura, até dolorosamente pura, que retrata a vida dos pretos na América até há umas décadas atrás; as injustiças, as desigualdades, a diferença de tratamento em relação aos brancos. Algo que, se calhar, dura até hoje - ainda que mais disfarçado. Os paradoxos daquilo que se sente, do que se quer fazer... É tudo tão real quanto confuso.

Em termos da narrativa, foi como se não saísse do sítio. Passaram-se nove meses, entre o início e o fim do livro, excluindo os flashbacks - e tudo parece ter ficado igual. É um tanto ao quanto desmotivante - embora espelhe exatamente aquilo que o livro quer transmitir. A inércia. A tristeza. A incapacidade de fazermos algo.

Não digo que não seja um bom livro. Só não é o meu tipo de livro, algo cuja leitura me dê prazer.

08
Mai19

Review da semana 27#

Charcoil Nose Strip

 

Eu sabia que algures há uns tempos tinha escrito sobre os (pouquíssimos) produtos que uso para manter a pele minimamente decente, já que fui bafejada pela sorte no que diz respeito a espinhas e coisas que tais. Fiquei um bocadinho deprimida ao perceber que esse post a que me referia, escrito "há uns tempos", conforme eu dizia, data de 2014. Medo! No entanto, e apesar de isto me fazer sentir um bocadinho velha, é com algum espanto que constato que ainda uso vários produtos que ali listei.

E hoje venho falar-vos de um upgrade que fiz. Na altura utilizava as clear-up strips da Nivea, para tirar os pontos negros, mas entretanto descobri outro produto que, com o mesmo príncipio, faz melhor. Pus os olhos nele enquanto fazia tempo para arranjar as minhas sobrancelhas no Brow Bar da Benefit, numa loja Sephora, e decidi trazer para casa para experimentar.

Chamam-lhe Charcoil Nose Strip e é muito parecido com os da Nívea: uma banda o para nariz (que também pode ser colocada noutros locais) para "arrancar" os pontos negros; a diferença para o da outra marca é que este é enriquecido com extrato de carvão absorvente e desincrustante (portanto é preto) e vende-se individualmente, e não em packs. 

Não sei se é por ter cor preta e fazer mais contraste com as impurezas da pele, mas a verdade é que eu noto que a pele fica muito mais limpa (e a banda mais suja) com estas clear-strips da Sephora do que com as da concorrência. 

Está longe de ser uma coisa baratucha (custam cerca de dois euros cada, sendo que há muitas vezes promoções e campanhas relacionados com os produtos de marca própria da Sephora), mas a sensação de limpeza imediata que proporciona vale cada cêntimo. Gosto muito e recomendo.

 

343835_swatch_large.jpg

17
Mar19

Quanto mais viajo mais gosto do meu país

Voltei há dias de Munique, numa pequena viagem de duas noites para visitar uma feira. Foi um dejá vù: já cá tinha estado há dois anos, também em trabalho mas noutro papel, e acabei por ficar exatamente no mesmo hotel e percorrer os mesmos caminhos, já bem conhecidos pelas botas que trazia calçadas. Se daquela vez tinha sido um desafio - a minha primeira viagem de trabalho, sozinha, num país que não conhecia e não percebia nada da língua, com o stress de ter de fazer um trabalho que não me era natural e para o qual tinha de me esgotar emocionalmente para fazer bem - desta vez já fui bem mais confortável. Primeiro porque os meus pais vieram comigo (invertemos a situação mais comum e fui eu que lhes apresentei a cidade), segundo porque já sabia ao que ia e terceiro porque, entre estas duas ocasiões já tenho umas quantas viagens e outras experiências no lombo para me dar mais traquejo e sentir mais confortável.

No entanto, acho que quando cá vim pela primeira vez estava tão absorvida pela novidade, pelo stress e pelo cansaço que nem consegui reparar numa série de coisas que numa viagem comum me saltariam à vista. E desta vez, embora só tenha passado pouco mais de um dia na cidade, deu para registar uma série de factos e opiniões sobre Munique... E perceber o quão bom é viver em Portugal.

 

A primeira coisa é, claramente, a meteorologia. Enquanto em Portugal já andamos a sacar os vestidinhos e as camisolas mais finas do roupeiro, lá continua um frio de bater o dente. Penso que a temperatura mínima que apanhamos foi de 3º C., mas a sensação térmica era um par de graus abaixo – tudo devido ao vento gélido que se fazia sentir e que nos rasgava por dentro, independentemente do número de camadas que tínhamos vestidas por cima do corpo. Eu, que sou assumidamente um bambi no que ao frio diz respeito, andava embrulhada até ao nariz, mas nem isso impediu que ficasse gelada até aos ossos. E pensar que já andei de vestido e sem casaco no nosso querido Portugal!

A sensação de segurança é outra das coisas que, ainda hoje, é uma das grandes vantagens do nosso país – mesmo estando cada vez mais na moda e tendo as cidades inundadas de turistas. O nosso hotel era muito perto da Hauptbahnhof (a estação central) – ou seja, um sítio extremamente concorrido, onde se espera encontrar muitas pessoas – mas à noite as redondezas eram um tanto ao quanto assustadoras. Não sei onde é que as mulheres se metem à noite nesta cidade alemã, mas ali não era de certeza – até porque 95% das pessoas que passavam por nós eram homens, e não particularmente com bom aspeto. Sei que, se estivesse sozinha, não me sentiria segura – tanto nas ruas como, por exemplo, nas estações de metro, que se tornam autênticos subterrâneos fantasma depois das 22h.

A pobreza e a prostituição são outra das coisas que, à partida, não associamos à Alemanha, mas que há de sobra. A zona onde fiquei tinha muitos night clubs com meninas pouco vestidas à porta, pedintes por todo o lado, bêbados caídos em cada recanto e homens a aliviarem a bexiga em sítios demasiado visíveis para o meu gosto. Eu, pelo menos, cresci com uma noção de uma Alemanha muito rígida, em que tudo era feito de forma rigorosa; onde se cumpriam as regras, os limites; onde havia um civismo implícito. Não sei se isso nunca existiu ou se é um paradigma que está a mudar, mas senti a diferença desde há dois anos para cá...

Por fim, falar de um detalhe que me impressiona, tendo em conta que aqui em Portugal somos precisamente o oposto: faz-me aflição que muitos deles, mesmo quando se apercebem que não falamos alemão, continuem a dizer as coisas como se nada fosse. Aliás, a feira onde fui tinha muitos stands alemães apenas com descrições na sua própria língua... o que dá uma ideia de nacionalismo e de uma enorme falta de vontade e disponibilidade de interagir com os outros, mesmo podendo tratar-se de potenciais clientes. Posso estar mal habituada, por nós aqui tentarmos sempre falar línguas alheias, ainda que metamos a línguagem gestual, o portunhol ou o portuinglês pelo meio... mas não me parece que este seja um bom prenúncio. Passamos a vida a apregoar que a União Europeia devia funcionar como um só, mas as cisões entre países são cada vez mais evidentes.

 

Fiz pouco turismo, daí que este não seja um dos meus típicos posts de viagem. Mas, feliz ou infelizmente, este parece-me um texto igualmente importante. Viajar é bom... mas voltar a casa é óptimo. E é bom sabermos apreciar aquilo que temos e este cantinho à beira-mar plantado 

 

IMG_20190313_180239.jpg

12
Fev19

Antes um calendário da Pirelli que do Benfica

Estou agora a imiscuir-me no meio industrial. Nasci no seio dele, mas há coisas que há quinze anos atrás me passavam ao lado - e ainda bem, porque não tinha sequer idade para as perceber. Coisas tão simples e tão complexas como a relação patrão-colaboradores ou a própria interação dos empregados entre si. Quando era criança achava mais graça aos processos e não estava tão preocupada com esta vertente, que agora me é essencial, tendo em conta que estou a tentar assumir o papel de liderança dentro de uma empresa. 

Aprendi muito na minha passagem pelo jornal, quanto mais não fosse porque ouvi muitas opiniões (que eu às vezes concordava, outras não) e vi outras empresas, transpondo agora um bocadinho desses conhecimentos e daquilo que vi para a minha realidade atual e tentando tornar isto o melhor possível.

Há uns dias, enquanto tentava aprender um dos processos aqui da fábrica, deparei-me com uns cartazes e calendários do "Benfica Campeão" colados numa das paredes. Ora o tetra, ora a reconquista, ora o penta que aí vinha - não sei, nem olhei bem, vermelho e branco não é a minha praia. Mas fiquei a matutar naquilo e como não gostava da imagem que aquilo transmitia. E não, não é por ser do Benfica: podia ser do Porto, do Sporting ou do Leixões. É por ser de futebol. Veio-me à memória um escritório da fábrica onde cresci, quase pintado de azul e branco da cabeça aos pés, como quem grita "este escritório é de um portista doente". E isso não é bom, porque no futebol quase todas as reações, discussões e opiniões saem diretamente do coração. E, numa empresa, aquilo que queremos é cabeça.

Lembro-me perfeitamente de uma vez, no Leroy Merlin, ter mandado uma piada sobre o Benfica a um colaborador que estava a ajudar a carregar para o nosso carro umas placas pesadíssimas que viriam a forrar a piscina. Não sei o conteúdo da piada, da boca, da indireta ou da brincadeira, creio que até foi ele que começou e eu não me deixei ficar, mas lembro-me perfeitamente do desfecho: o senhor deixou o carrinho e foi-se embora, deixando-me a mim e à minha mãe a carregar aquele peso bruto. Tudo por causa do futebol. Escusado será dizer que, de cada vez que vou a uma destas lojas, me lembro da gentileza e racionalidade deste homem, que manchou a imagem do sítio onde trabalha por uma atitude parva e irrefletida.

Há quem critique as pessoas por adornarem as secretárias com as fotos dos filhos, quem deteste ir a oficinas automóveis porque se depara com calendários cheios de mulheres em poses indecentes. Pode ser piroso e revelar muito sobre quem os tem, mas não há muito a comentar sobre isso. Já coisas com teor futebolístico são, para mim, bem piores, pois criam cisões graves à partida entre as pessoas, sem estas sequer se conhecerem. Um cartaz de futebol é uma posição expressa de um gosto clubístico e pode criar pequenas guerras perfeitamente desnecessárias. Então e se as pessoas que partilham o mesmo espaço não forem todas do mesmo clube? E se alguém doente por um outro clube visitar o sítio em questão e se puser a mandar postas de pescada sobre o golo mal anulado do jogo de domingo? É irreal pensar que alguém que se dá ao trabalho de colar posters ou adornar o seu escritório com coisas do seu clube não vai ripostar a um desafio desse género. E muito dificilmente uma conversa destas vai ter a algum sítio bom ou culminar com elogios e uma ideia positiva de quem está do outro lado.

Não quer isto dizer que vá andar por aí a tirar posters alheios das paredes ou acabar com pregões clubísticos, qual extremista. Mas, a longo prazo, preferia que eles não existissem. Mal por mal, tragam os da Pirelli.

Pesquisar

Mais sobre mim

foto do autor

Redes Sociais

Deixem like no facebook:


E sigam o instagram em @carolinagongui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2019 Reading Challenge

2019 Reading Challenge
Carolina has read 1 book toward her goal of 12 books.
hide

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Ranking