Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Entre Parêntesis

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

07
Fev21

Seis coisas que considero importantes num currículo ou numa candidatura

No último meio ano passaram-me centena de currículos pelos olhos. Infelizmente para mim a tarefa ainda não está concluída. Foram cinco anúncios espaçados ao longo do tempo, muitos currículos analisados criteriosamente e colocados depois numa short-list, culminando numa dezena de entrevistas presenciais e uma pré-contratação em que me deixaram ficar na mão passado quatro dias (quando, no terceiro, me tinham pedido um adiantamento). Ou seja: ainda não encontrei a pessoa certa para o cargo que preciso de preencher. 

É um trabalho dupla ou triplamente frustrante, porque o recrutamento é algo que não me traz qualquer tipo de prazer e porque se está a mostrar infrutífero apesar de eu tentar ao máximo fazer tudo direitinho e de, aparentemente (?), andarem milhares de pessoas atrás de emprego. 

Recrutar pessoas é injusto, é dar não's não fundamentados e sim's sem o devido mérito. Um currículo não mostra nada daquilo que uma pessoa é - e isto serve tanto para o bom como para o mau. Há pessoas que se sabem apresentar e a sua imagem é sobrevalorizada e há outras que, não sabendo, ficam a perder, podendo até ser profissionais de mão cheia. Recrutar é ter de tirar conclusões de forma preconceituosa, recheadas de estereótipos. Mas quem recruta tem de começar por algum lado e seria impossível estar com todos os candidatos presencialmente - sendo o currículo o pontapé de saída para depois se avançar para algo mais. 

Há muita coisa que podia escrever sobre este tema - a falta de pessoas que de facto quer trabalhar e a quantidade ainda menor que se quer sujeitar a trabalhar numa indústria, a lata de algumas ao dizerem que só mandaram o currículo porque o centro de emprego obriga, a dificuldade que é fazer entender o que de facto precisamos e em que consiste o trabalho que estamos a oferecer... Enfim, sinto que contratar alguém para um trabalho não standartizado (caixa de supermercado, repositor de loja, enfermeiro, professor e etc.) é uma autêntica odisseia. Uma que preferia não estar a viver mas que vou ter de voltar a enfrentar (estou a aguardar que a pandemia abrande para poder voltar às entrevistas), porque estou desesperada à procura de alguém que de facto queira aprender, trabalhar e crescer dentro de uma empresa. É uma jornada de desalento, mas sei que tenho de ser a pessoa que mais acredita que é possível - ou, por outro lado, a última a perder a esperança. Há-de existir alguém. Hei-de conseguir. 

Até lá, das poucas coisas boas que posso tirar desta experiência é ter ganho a noção do que é estar do lado do empregador - e assim consigo, eventualmente, ajudar quem está do outro lado, mostrando aquilo que os empregadores (ou, neste caso, eu em particular) queremos e que achamos bom ou mau num documento de apresentação.

Deixo aqui seis dicas que considero importantes para quando estamos a elaborar um currículo ou a candidatarmo-nos a um determinado emprego. (Deixei de fora coisas básicas como "não mentir", suponho que já se saiba que isso não é suposto.) Ora cá vai disto:

 

1 - Ler os anúncios com atenção (ou evitar perguntas parvas e desnecessárias)

Se há coisa em que eu tive cuidado aquando da redação dos vários anúncios que coloquei foi ser detalhada. Quando estive à procura de trabalho sempre me fez muita impressão aqueles anúncios - que infelizmente são a maioria - meio misteriosos, em que não se dizia qual era a empresa, onde se localizava ou qual era o trabalho em si. Eu escrevi tudo. E, por isso, a primeira triagem fazia-se logo pela forma como as pessoas me abordavam a propósito do anúncio - se havia algo que me fazia à partida desistir de alguém (ao ponto de nem sequer abrir o currículo) era fazerem-me perguntas cuja resposta estava espelhada no texto do anúncio. "Onde fica a empresa?", "para onde mando as minhas informações?", "qual é o salário base?", etc. Mais uma vez, somos também aqui obrigados a generalizar: mas a ideia que fica é que de alguém pouco atento, curioso e criterioso. E, logo aí, fica fora de contas. Por isso é essencial ler com muita atenção tudo o que é dito e pedido, para não ficar excluído à partida.

 

2 - Colocar uma foto a fazer bico de pato ou a mostrar o decote como se tivessem vestido um corpete dos anos XIX vestido não vos vai garantir trabalho - quer dizer... agora que penso, depende dos tipos de trabalho (cof cof)

As fotos sempre foram algo a que nunca dei grande atenção, nomeadamente quando estava a trabalhar no meu próprio currículo. Mas isto foi no passado, quando não via as fotos que as outras pessoas colocavam nos seus CV's. Eu juro que não me acreditei quando vi metade das imagens que as pessoas colocavam delas próprias! Fotos com a língua de fora, com o famoso biquinho de pato; fotos claramente com outras pessoas, que foram cortadas da imagem sem dó nem piedade; fotos tiradas de cima, dando destaque a decotes vertiginosos; fotos que metiam medo ao susto, ao ponto de nem sequer vermos o currículo até ao fim. 

Nos dias que correm não acho nada importante ter no currículo uma foto tipo-passe, tirada nu fotografo. A fotografia que escolhi para o meu, por exemplo, foi tirada por mim própria num dos muitos auto-retratos que fiz que e acho que me representa bem - descontraída, arranjada e a sorrir.

Eu vejo (e analiso) o currículo como um todo, que convém ser coerente: temos de ter a consciência de que vamos ser escolhidos (ou não) com base naquilo que lá colocamos (que não é só informação escrita!). Se dizemos que gostamos e temos um curso de fotografia, não vamos ter lá uma imagem cheia de grão, desfocada e em que apareçamos desfavorecidos. Se dizemos que a simpatia é o nosso forte, também não convém colocar uma foto com cara de mau. Percebem? É claro que há limites para esta coerência: se forem pessoas muito divertidas e com uma vida social mega animada não convém pôr fotos na discoteca ou com amigos. Mas há que tentar mostrar quem somos através de todas as vertentes que nos é possível - e isso vai muito além da nossa formação e histórico profissional. 

 

3 - Sim, a idade conta e é importante incluí-la

Quando um recrutador analisa um currículo tem de saber ao certo o que quer - e, inevitavelmente, vai ter fazer julgamentos e tirar ilações de tudo aquilo que vê e lê. Mais uma vez, repito, as conclusões que se tiram podem estar erradas. Pode querer-se alguém mais novo porque à partida tem mais energia, mas nada nos diz que um individuo de 25 anos não é mais preguiçoso e inativo que outro de 50; podemos querer alguém mais responsável e achar que uma pessoa com família formada e uma idade mais avançada é o ideal, mas pode existir um "miúdo" nos seus 20's com uma experiência de vida e responsabilidades muito maiores que alguém com 50 anos. A margem de erro é sempre grande, mas não temos outra alternativa senão tirar conclusões precipitadas e esperar que a lógica esteja a nosso favor - sendo que a triagem final é feita presencialmente, onde se tentar ter um "cheirinho" daquilo que é mesmo real.

Isto tudo para dizer que, de facto, é injusto avaliar alguém pela idade - mas ela define-nos, ainda que não sempre de forma correta. Colocar a nossa idade/data de nascimento no CV ajuda o empregador a fazer uma triagem, pois normalmente tem-se uma ideia do público-alvo ideal para o cargo que se quer ocupar. E se de facto for algo importante, o dado já esta lá; se não for, é só mais um detalhe que se passa a frente. A diferença é mesmo se esse elemento não estiver presente e for importante; a probabilidade de guardarem o currículo para perguntarem é pouca - normalmente esse vai para a pilha dos eliminados e passa-se ao próximo, na esperança que tenha toda a informação que lá esperamos encontrar.

 

4 - E sim, o local onde moram também pode pesar

Este ponto é mais importante para quem vive em grandes cidades - penso que é um problema que se dilui quando se trata de locais mais pequenos ou no interior. Morar perto do trabalho é uma vantagem enorme pois pode evitar constrangimentos no trânsito e no estacionamento ou, para outras pessoas, evitar grandes viagens de transportes públicos (com os quais uma pessoa nunca sabe muito bem com que contar, em termos de horários). Para além disso, há que fazer uma avaliação honesta: tendo em conta o salário que se vai pagar, vale a pena chamar alguém que vive a 30kms e tem de fazer esse percurso diariamente, pagando portagens e gastando gasolina? Mais uma vez, o empregador está a assumir algo sem fazer perguntas ao verdadeiro interessado - e eu digo, mais uma vez, que na realidade não há outra hipótese... De qualquer das formas, diria que este é dos pontos que menos pesa caso encontremos a pessoa certa e soubermos que é aquela que queremos.

 

5 - Os currículos Europass são overrated

Se há uns anos os Europass eram o que se queria (para todos os efeitos são mais fáceis de analisar, pois têm todos a mesma estrutura, embora possam ser densos e pesados), acho que hoje não é bem assim. Sendo totalmente honesta, a mim, dão um bocadinho a ideia de desleixo. Aliás, depende da idade: percebo que pessoas mais velhas, com mais dificuldade em mexer em softwares ou fazer pesquisas mais elaboradas, não passem de um editor de texto; já gente mais nova, que durante toda a sua vida teve em contacto direto com novas tecnologias, já não me parece tão bem. Não é preciso uma coisa XPTO - só algo bonito, minimamente trabalhado, para demonstrar que de facto houve empenho na elaboração daquele documento (o que, por acréscimo, dá a ideia de que de facto se trata de alguém que quer mesmo arranjar um trabalho).  

 

6 - Os currículos podem ser iguais - as cartas de apresentação não

A verdade é que para cada candidatura devia haver um currículo; consoante aquilo que é pedido devemos destacar certas coisas, diminuir outras, tirar coisas que potencialmente nada acrescentam (e com isto não estou a dizer para esconderem nada!). No fundo, potenciar a nossa apresentação. Mas eu sei que para quem precisa e manda uma dezena de currículos por dia isso é impraticável. E, como tal, a solução está nas cartas de apresentação (que pode ser mesmo isso ou, simplesmente, a descrição de um email).

Mas atenção: até aí é preciso saber o que se está a fazer. Dizer que se é "assíduo e pontual' faz-me lembrar os tempos de escola, em que no final de cada período éramos obrigados a fazer a nossa auto-avaliação e a justificar a nota que almejávamos. Mas a escola já lá vai - e ser assíduo e pontual não é uma qualidade que devamos assinar, pois à partida devia ser uma obrigação. Devemos chamar à atenção de especificações sobre nós mesmos que, para o posto de trabalho em questão, sejam pertinentes. Que somos engenhocas e que nos tempos livres gostamos de nos dedicar à bricolage; que em pequenos tínhamos o sonho de ser veterinários e por isso fazemos voluntariado numa associação que alberga animais; que temos uma escrita muito fluida porque desde criança que escrevemos diariamente. Tudo, desde que seja contextualizado. Ninguém quer saber se um trolha escreve desde os três anos; mas se gostar de bricolage e tiver jeito para tudo um pouco, pode ser um belo investimento e adição a uma empresa.

 

Como disse acima, há muito mais coisas que poderia aprofundar sobre este assunto. Será que vale a pena?

12
Fev19

Antes um calendário da Pirelli que do Benfica

Estou agora a imiscuir-me no meio industrial. Nasci no seio dele, mas há coisas que há quinze anos atrás me passavam ao lado - e ainda bem, porque não tinha sequer idade para as perceber. Coisas tão simples e tão complexas como a relação patrão-colaboradores ou a própria interação dos empregados entre si. Quando era criança achava mais graça aos processos e não estava tão preocupada com esta vertente, que agora me é essencial, tendo em conta que estou a tentar assumir o papel de liderança dentro de uma empresa. 

Aprendi muito na minha passagem pelo jornal, quanto mais não fosse porque ouvi muitas opiniões (que eu às vezes concordava, outras não) e vi outras empresas, transpondo agora um bocadinho desses conhecimentos e daquilo que vi para a minha realidade atual e tentando tornar isto o melhor possível.

Há uns dias, enquanto tentava aprender um dos processos aqui da fábrica, deparei-me com uns cartazes e calendários do "Benfica Campeão" colados numa das paredes. Ora o tetra, ora a reconquista, ora o penta que aí vinha - não sei, nem olhei bem, vermelho e branco não é a minha praia. Mas fiquei a matutar naquilo e como não gostava da imagem que aquilo transmitia. E não, não é por ser do Benfica: podia ser do Porto, do Sporting ou do Leixões. É por ser de futebol. Veio-me à memória um escritório da fábrica onde cresci, quase pintado de azul e branco da cabeça aos pés, como quem grita "este escritório é de um portista doente". E isso não é bom, porque no futebol quase todas as reações, discussões e opiniões saem diretamente do coração. E, numa empresa, aquilo que queremos é cabeça.

Lembro-me perfeitamente de uma vez, no Leroy Merlin, ter mandado uma piada sobre o Benfica a um colaborador que estava a ajudar a carregar para o nosso carro umas placas pesadíssimas que viriam a forrar a piscina. Não sei o conteúdo da piada, da boca, da indireta ou da brincadeira, creio que até foi ele que começou e eu não me deixei ficar, mas lembro-me perfeitamente do desfecho: o senhor deixou o carrinho e foi-se embora, deixando-me a mim e à minha mãe a carregar aquele peso bruto. Tudo por causa do futebol. Escusado será dizer que, de cada vez que vou a uma destas lojas, me lembro da gentileza e racionalidade deste homem, que manchou a imagem do sítio onde trabalha por uma atitude parva e irrefletida.

Há quem critique as pessoas por adornarem as secretárias com as fotos dos filhos, quem deteste ir a oficinas automóveis porque se depara com calendários cheios de mulheres em poses indecentes. Pode ser piroso e revelar muito sobre quem os tem, mas não há muito a comentar sobre isso. Já coisas com teor futebolístico são, para mim, bem piores, pois criam cisões graves à partida entre as pessoas, sem estas sequer se conhecerem. Um cartaz de futebol é uma posição expressa de um gosto clubístico e pode criar pequenas guerras perfeitamente desnecessárias. Então e se as pessoas que partilham o mesmo espaço não forem todas do mesmo clube? E se alguém doente por um outro clube visitar o sítio em questão e se puser a mandar postas de pescada sobre o golo mal anulado do jogo de domingo? É irreal pensar que alguém que se dá ao trabalho de colar posters ou adornar o seu escritório com coisas do seu clube não vai ripostar a um desafio desse género. E muito dificilmente uma conversa destas vai ter a algum sítio bom ou culminar com elogios e uma ideia positiva de quem está do outro lado.

Não quer isto dizer que vá andar por aí a tirar posters alheios das paredes ou acabar com pregões clubísticos, qual extremista. Mas, a longo prazo, preferia que eles não existissem. Mal por mal, tragam os da Pirelli.

Pesquisar

Mais sobre mim

foto do autor

Redes Sociais

Deixem like no facebook:


E sigam o instagram em @carolinagongui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Ranking