Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

[Entre Parêntesis]

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

20
Jun18

Apaixonada pelos meus vestido de verão

Carolina

Há uns dias a minha mãe, ainda que sem maldade, disse que eu era insossa a vestir-me. A questão é que a insossisse é, para mim, das piores coisas que há. Pessoas insossas, desenxabidas, sensaboronas, amorfas ou qualquer sinónimo de tudo isto dão-me um bocadinho a volta ao estômago. Pessoas que nem sim nem sopas, onde está sempre tudo bem, que não têm uma opinião definida para nada e que têm medo de falar o que quer que seja, são difíceis de lidar. Para mim é mais fácil estar com alguém que tem personalidade, ainda que bata de frente comigo, do que alguém que se esconde por detrás do seu escudo imaginário e não diz nada.

Por isso, quando ela me disse que eu era insossa, eu não achei graça. Porque, de facto, eu sou uma pessoa simples a vestir-me - mas, caraças, insossa não! Acima de tudo, gosto de passar despercebida... e é difícil vestir um corpo onde queremos esconder mil e uma coisas e ainda assim ficarmos bem e, talvez por isso, ao longo do tempo, a minha tendência foi vestir básicos, cores sólidas e não arriscar demasiado. No inverno com malhas e calças de ganga ou pretas e no verão usando t-shirts ou camisas - sempre tudo adornado com algumas peças que, achava eu, sempre iam dando uma graça aos looks.  

A verdade é que eu vejo as coisas nas lojas e nas passarelas e até as acho engraçadas. Sou uma privilegiada porque tenho acesso a novas ideias, novos conceitos de como vestir ou, como se costuma dizer, "sei o que está na moda" (na realidade não sei, quando me perguntam isto fico toda encavacada, acho que é uma pergunta sem resposta certa - mas percebem o que quero dizer). Mas depois penso que não quero mostrar muita perna, ou a peça não tem costas e eu não gosto de dispensar o soutien, ou são calças muito curtas e eu não quero mostrar o meu tornozelo inchado, ou é cai-cai e eu sinto-me sempre sufocada com aqueles soutiens, ou as camisolas têm mangas de morcego e não dá para usar casacos, ou as calças têm cinta baixa e sinto-me com a carne toda de fora, ou as peças são muito apertadas e as minhas formas não são assim tão boas para estarem todas à vista. Enfim! Sim, sou difícil de vestir. Mas já há algum tempo que queria pôr os básicos de lado (ou pelo menos não abusar deles) e tentar coisas mais arrojadas - e a boca da minha mãe foi o rastilho para que isso acontecesse.

A primeira fase da minha investida - aquela que ainda estou neste momento - incidiu nos vestidos. A moda dos vestidos e das calças, neste momento, combina com os requisitos que tenho para o meu corpo: uns são cintados e mais compridos, outros têm a cinta alta, tal como gosto. Já aqui disse: a minha vontade é fazer uma espécie de Arca de Noé com roupas para os próximos cinco a sete anos, porque sei que um dia destes a moda muda e voltam as skinny jeans e os calções e vestidos que deixam ver a prega do rabo e eu vou ficar outra vez sem roupa para comprar. Mas bom, agora tenho é de aproveitar. E se o meu roupeiro já está recheado de calças, como não tinha desde a altura em que era miúda, o mesmo não se podia dizer dos vestidos. Acho que o ano passado vesti os que tinha meia-dúzia de vezes, já demasiado preocupada com a horribilidade das minhas pernas, e portanto é a grande mudança desta estação. Comprei uns quatro, todos abaixo do joelho mas apertados na cinta, e pode dizer-se que foi uma autêntica paixão de verão. Todos têm cores vivas, todos têm padrões e personalidade e, por isso, acho que combinam um bocadinho mais comigo. Eu, honestamente, sinto-me muito feliz com eles. Ando há dois anos a trabalhar diretamente com quem vê, faz e produz moda e a ver imagens de streetstyle e de gente gira, com um estilo que eu às vezes pensava que poderia facilmente ser o meu, só me faltava coragem e "um bocadinho assim". E é fixe conseguirmos estar mais próximos do ideal que desejamos para nós mesmos. 

 

IMG_2473.JPG

 

24
Mai18

Já não tenho unhas à Shrek (ou Fiona, neste caso)

Carolina

Desde que me lembro de existir que roo as unhas. Nunca fui daquelas pessoas que rói até fazer sangue (até porque não tenho dedos de quem rói, com aquela parte da frente super subida e as unhas meias raquíticas) mas sempre foi algo a que me socorri em momentos de stress.

Já há vários anos que ando num on/off em relação a este vício – ora paro, ora recomeço. Lembro-me da primeira vez que o fiz – estava na casa de banho, a olhar-me ao espelho, e ao reparar nas minhas mãos horríveis disse a mim mesma que ia parar. E parei. Mas depois voltei, principalmente porque não tenho paciência nem jeito para as arranjar – e depois aparecem as pelezinhas ou uma unha mais quadrada que está a pegar em tudo, e portanto vai-se lá dar um jeitinho com os dentes e pumba... caldo entornado.

Quando tinha tempo e paciência para limar, pintar e cuidar das unhas, estava tudo bem; ou então quando me convenci de que tinha de ir à manicura tratar disto pelo menos uma vez por mês. Mas com o trabalho crescente ia adiando e adiando, as unhas cresciam, eu tirava-lhes o verniz e pouco depois... já não haviam unhas.

E depois veio o piano. Para quem toca piano, roer as unhas nem é o pior dos hábitos, porque significa que elas não estão grandes e por isso não batem nas teclas. Mas, por outro lado, é horrível ver alguém tocar e depois reparar naquelas mãos maltratadas, qual Shrek. E por isso decidi tomar medidas.

Há muitos anos tinha posto gel, mas não adorei (até porque tinha as unhas tão curtas que tinha de pôr tips, e depois aquilo descolava e era horrível). Já tinha ouvido falar imenso do gelinho, mas implicava ir à lâmpada, o que também não me agrada por aí além. Sei que aquilo é fraco, sei que dizem que não faz mal, mas é um feeling: não me inspira confiança, não gosto daquela sensação tão quente perto da pele e das unhas. Pode ser uma teima, mas é a minha teima. Ainda experimentei um vez, gostei do resultado (durou praticamente três semanas, com um aspeto impecável), mas o método continuava a não me cair no goto.

Até que me falaram de uma espécie de gel que não implica ultra-violetas. Ahhhh! Música para os meus ouvidos! Chama-se pó de imersão e é o que eu tenho feito desde então. A única desvantagem que vejo, pelo menos no sítio onde faço, é ter menos cores que o gelinho – mas o método, para mim, é muito melhor. Acima de tudo, é fresco em vez de quente. Aplica-se um verniz, que funciona como cola, e depois põe-se o dedo num pó, que se fixa ao verniz. Primeiro a base e depois duas vezes a cor escolhida, tal como no gelinho. É um processo mais metódico, mas penso que o tempo de fazer é o mesmo que o do outro método.

Aquilo que noto é que as cores não ficam tão brilhantes como no gelinho, o que para mim não é um problema, porque até acho aquele brilho excessivo e muito pouco natural. Para além disso, em cores mais claras, podem notar-se os grãozinhos do pó – às vezes, devido ao pigmento, aparecem pequenos pontos de cores mais claras ou escuras mas nada que, a mim, me afete. A grossura e a duração é igual ao gelinho e a forma de remoção é só com acetona, saindo depois como uma espécie de pastilha elástica, não sendo necessário raspar como acontece com o outro método (e por isso é menos agressivo para a unha). O preço, no sítio onde faço, é igual ao do gelinho.

Se, como eu, procuram uma solução UV-free e que vos mantenha as unhas bonitas, aconselho que experimentem. Daquilo que me tenho apercebido, muitos dos sítios que fazem gelinho também já fazem pó imersão. Por isso é experimentar!

 

P.S. Nunca reparei se o Shrek tinha, ou não, unhas bonitas. Mas dado o contexto, acho que percebem a ideia ;)

21
Abr18

Um cabelo à Tokyo... ou quase

Carolina

DSC_0062.JPG

 

No fundo, foram os primeiros a saber. Eu avisei-vos. Deixei aqui um sinal da minha próxima maluqueira!

Não sei se se lembram de, no post sobre a "La Casa de Papel" (que, caso queiram ler algo que não diga só maravilhas da série, penso ser uma boa leitura), eu ter escrito "aquele corte de cabelo da Tokyo está a tentar-me seriamente...!". E, de facto, tentou-me de tal forma que, apesar de todas as reticências que tinha, acabei por passar da ideia à ação em pouquíssimos dias.

Não me perguntem porque é que eu falo tanto do cabelo aqui no meu blog. Acho que desde 2011, ano em que passei a te-lo curto, comecei a vê-lo como uma forma de expressar a minha personalidade, muito para além de uma simples questão estética. Ao longo destes sete anos cortei-o muitas vezes, de diferentes formas, penteando-o de maneiras diferentes; o ano passado fiz uma pausa e deixei-o crescer, porque sentia que estava a acabar por cair sempre no mesmo e porque não estava a ficar tão contente com os resultados finais. Mas, apesar disso, continuei sempre a achar que um cabelo com um bom corte é um cabelo com caráter e personalidade forte. E eu, podendo ter muitos defeitos, tenho algo que ninguém me pode tirar: um caráter vincadíssimo e - penso - algo diferente do normal. Mas, exteriormente, sou super corriqueira e simples, tendo encontrado no cabelo um meio de transparecer aquilo que sou por dentro. Há cabelos compridos que são lindos mas, para mim, não deixam de ser mais só mais uns. Adoro cortes "a sério".

Já há muitos anos que me passava pela cabeça fazer repas (também conhecidas por franjas), mas sempre tive medo. Que me ficassem mal, que fossem um drama para depois deixar crescer, que tivessem necessidade de muita manutenção, que ficassem todas engorduradas por ter muito mais contacto com a pele... uma infinidade de coisas! Mas, apesar de ter cortado o cabelo há relativamente pouco tempo, eu estava louca por mudar. Adoro a sensação de ver uma versão nova de mim mesma ao espelho.

E por isso fui. Recolhi uma série de fotos (como faço sempre), mostrei à cabeleireira, contei-lhe os meu requisitos e receios e depois disse-lhe: "corte por onde quiser, faça o que quiser, deixe isto equilibrado". E assim foi. Quando vi a tesoura a esbarrar-me nas pestanas o coração deu um saltinho, mas passou rápido. Acho que nunca adorei tanto um corte logo à primeira vista. Normalmente detesto ver-me enquanto estou a cortar o cabelo, porque aquelas luzes todas me deixam branca que nem cal e com as olheiras dignas de um panda, mas naquele momento nem quis saber. O meu primeiro pensamento foi que estava igual a quando era miúda, na altura em que a minha mãe ainda tinha rédeas sobre mim e me fazia usar o cabelo curto. O segundo foi "Tokyo". Não é que estava mesmo parecida?!

Admito: estes dois dias com um novo visual foram um boost para o ego. O choque das pessoas é semelhante àquele de há sete anos atrás - o que é curioso, tendo em conta que praticamente só muda a franja em relação a outros cortes anteriores. Mas acho que nunca na minha vida recebi tanto elogio (e, como boa anti-social que sou, não sei lidar com isso). Mas o melhor disto tudo é que, talvez pela primeira vez, eu acredito naquilo que me dizem. O corte está incrível. E, caraças, não é que eu tenho mesmo cara para usar repas?

Durante muitos ano fui lendo, em blogs, facebooks e tumblrs alheios uma frase atribuída a Coco Chanel que diz: "a woman who cuts her hair is about to change her life". Sempre a adorei. Em 2011, quando passei de uma crina até meio das costas para ter o cabelo o nível do queixo, foi isso que aconteceu - dei uma volta a tudo. Se quisermos fazer uma leitura mais aprofundada da coisa, acho que o ano passado, em que o cabelo cresceu como queria, foi o ano em que deixei que a vida levasse o seu rumo natural, sem rédeas. E nestes últimos meses sinto que, apesar das muitas dores de crescimento que tenho tido, voltei a pegar nelas. A minha vida vai, efetivamente, mudar. E um novo corte de cabelo é sempre uma boa forma de o assinalar. Que o positivismo, a boa energia e a confiança desta mudança de visual se transfira para os desafios que estão para vir.

 

IMG_1150.JPG

IMG_1151.JPG

 

26
Set17

Dizendo adeus ao melhor verniz do século

Carolina

Sabes que estás a fazer um post demasiado tarde quando o produto que ias elogiar já foi retirado do mercado. Eu sei que não tenho desculpa e quase devia ser açoitada por isto - fiz-vos perder, provavelmente, o melhor verniz da história dos vernizes. Mas isto levanta uma questão muito pertinente: porquê que no mundo dos cosméticos e de materiais de beleza, os melhores produtos e muitas vezes os mais vendidos são descontinuados? Não faz sentido! Não é que eu perceba do assunto - pouco utilizo produtos de maquilhagem e derivados - mas estou a começar a perceber que é uma prática comum.

O produto sobre o qual eu há meses vos queria falar era a dupla de vernizes "Shine&Color" da Flormar - que, segundo eles, dava um toque de gel às unhas sem precisarem de ir à luz ultra-violeta. Experimentei-o por acaso numa ida à manicura e aquilo durou-me tanto tempo, de forma tão espetacular e heroica, que voltei lá de propósito comprar o verniz. E há cerca de duas semanas, quando lá fui, pedi para levar outra cor... quando me disseram que praticamente já não tinham, porque a linha tinha sido descontinuada. Como assim?! Como é que se acaba com o melhor verniz do mercado? Disseram-me que era por ser realmente tão bom: os outros produtos deixavam de se escoar e por isso acabava-se com estes, que eram quase "canibais" de toda a marca. Não sei se a explicação é verdade, mas faz de facto algum sentido... mas não deixa de ser uma pena.

O último caso que me lembro assim do género, ainda mais berrante - e soube isto através das notícias - foi a da paleta da Urban Decay, a Naked Smoky, que era das mais vendidas da marca. No artigo que li, a explicação era semelhante à que me foi dada no cabeleireiro: diz um representante da Urban Decay que "Estamos sempre à procura de maneiras para que os nossos produtos fiquem melhores. Cada vez que criamos um novo produto, partimos de um ponto de vista novo e procuramos ser tecnologicamente inovadores. Lamentavelmente, por vezes, isto significa que temos de deixar de fabricar produtos que todos gostam, para lançar produtos que gostem ainda mais". Ou seja: tretas. Ninguém deixa de vender um dos seus best-sellers a menos que tenha uma boa razão para o fazer. 

Por isso, minhas boas amigas, serve este post para pedir desculpas e para, se quiserem, ainda tentarem encontrar estes produtos numa loja perto de vós. Para vos dar o exemplo, posso dizer-vos que pintei as unhas numa terça-feira e que só no domingo da semana seguinte (doze dias depois) é que ele escamou um pouquinho - e eu não sou minimamente cuidadosa com as mãos, passo a vida a lavar coisas e a roer as peles e etc. Não diria que tinha um toque tipo gel, mas era magífico - mantinha o brilho e, quando se tira, não mancha minimamente as unhas como os de outras marcas mais baratas. Era de facto um achado... Se virem uma destas preciosidades à venda ou souberem de notícias, gritem: eu estou disponível para fazer um stock que dure, pelo menos, para o próximo par de anos!

 

24
Abr17

Depilação a laser 5#

Carolina

O verão aproxima-se perigosamente e eu estava a deixar arrastar a situação da depilação a laser há demasiado tempo. Não sabia o que havia de fazer nem para onde havia de ir. Um dia destes fartei-me de tanta procrastinação e marquei para a Clínica do Pêlo, que tem um centro perto de minha casa, e no próprio dia fui lá fazer a consulta gratuita.

E, apesar de ter esperado um bocadinho, gostei muito. Da simpatia, da explicação toda que fizeram sobre o sistema que utilizam (mesmo sabendo que eu já tinha feito) e, acima de tudo, da sinceridade - não há nada que eu valorize mais do que isto quanto me estão a prestar um serviço. A técnica, mesmo sabendo que podia perder ali uma potencial cliente, foi sincera e disse-me que o mais certo era que o pêlo que eu tinha, nas zonas em questão, era provável que nunca mais desaparecesse. E se por um lado é chato ouvirmos que um problema de que nos queremos ver livres não tem solução, por outro é óptimo sabermos ao que vamos e não estarmos a insistir sem resultados ou a criar expectativas infundadas.

O ponto da situação é o seguinte: eu queria fazer perna inteira, virilhas e abdómen - tudo isto é para manutenção, já tinha feito laser em todas as zonas (menos as virilhas, onde sempre fiz luz pulsada, mas que resultou muito bem e só faço manutenção uma a duas vezes por ano e preferi agora fazer a laser, para ser tudo no mesmo sítio). Como disse no último post, os resultados na meia-perna foram muito bons; na parte de cima já não se pode dizer a mesma coisa, assim como na barriga. O problema é que, como também já me tinham dito, ambas estas zonas são "hormonais", pelo é muito mais difícil erradicar o pêlo nestas zonas. O meu pêlo já é muito fino, mas como é escuro e em quantidade, ainda se nota bastante (ou, pelo menos para mim, mais do que eu queria).

No momento da consulta tive que decidir o que ia fazer. Já tinha a informação de que isto pode nunca desaparecer, mas custava-me muito estar a retroceder anos de trabalho (e muito dinheiro e dor) e voltar à gilete e à cera - e a ter de me preocupar constantemente com depilações, de fazer as contas para quando ia de férias e todos esses dramas que a grande maioria das mulheres conhecem. Tinha medo de voltar à estaca zero e, sinceramente, já nem me lembro de viver nesses termos. Por isso decidi fazer na mesma o laser - os efeitos, mesmo que não sejam para sempre, são muito mais duradouros do que qualquer outro método e eu prefiro passar três ou quatro meses sem pensar no assunto e pagar mais do que ter de ir de quinze em quinze dias à depilação, conforme tinha de ir há uns anos atrás.

Para minha surpresa fiz o tratamento logo a seguir à consulta, mal dei o meu OK, e foi super rápido. Não posso falar de resultados, porque foi há poucos dias, mas não é essa a questão central deste post: acho que a sinceridade, aqui, foi o suficiente para me conquistarem (a par dos preços que praticam que, ainda que mais caros que a depilação tradicional, são muito mais amigos da bolsa do que noutros locais). Fiquei fã da Clínica do Pêlo e não tenho dúvidas de que vou voltar (para o bem e para o mal...). 

Obrigada a todas que, nos últimos posts sobre o assunto e por email me deram sugestões e dicas sobre este assunto! Eu prometo continuar a partilhar a experiência.

23
Abr17

O problema de sempre

Carolina

Chateia-me escrever este post, porque sinto que me estou a repetir. Ainda que por outras palavras, já o escrevi: e de cada vez que o escrevo, é quase o admitir de mais uma derrota. Mas há coisas na vida que são tão constantes como a nossa sombra - nunca desaparecem e nunca saem da nossa beira e esta é uma delas: a péssima relação que tenho com o meu corpo.

No que a isto diz respeito, vivo constantemente numa relação precária e instável: e tem pouco que ver com os números da balança ou até daquilo que se reflete no espelho. O problema é mesmo aquilo que o meu cérebro processa quando vê a imagem do meu corpo refletida, que depende não do meu peso, mas do meu estado de humor, da quantidade de exercício que fiz nos últimos tempos e daquilo que eu comi. Consigo perceber, racionalmente, que não tenho o corpo que queria; mas também sei que há muitos momentos em que me acho gorda e sei que não o estou. Simplesmente não estou como quero ou como me desejo.

Outra coisa que aprendi nos últimos anos é que não vou chegar, nunca, a ter esse corpo: mesmo que me apaixonasse subitamente pelo exercício físico, por saladas, super alimentos e coisas que tais. Porque o corpo que desejamos nunca é o corpo que temos. De qualquer das formas, a questão nem se põem: eu não consigo gostar de ir ao ginásio, de fazer exercício. E eu juro que já tentei! Passei uma fase mais estável aqui há uns anos, mas desde que o meu ginásio fechou, nunca mais consegui estabilizar; o outro onde andei era longe de casa, em dias de trânsito demorava meia hora a lá chegar e a situação tornou-se incomportável. Com este, fiz uma escolha errada: preferi escolher um mais perto do trabalho, com um horário de aulas que inicialmente me parecia apetecível, mas que acaba por não funcionar com o tipo de trabalho que tenho e a pouca força de vontade que me move. Para além de que comecei com o pé esquerdo, com umas aulas de PT que continuo a preferir nem sequer me lembrar. Infelizmente trata-se de um ginásio com fidelização e o meu dinheiro continua a voar sem eu lá pôr os pés há meses e sem encontrar grande solução à vista ou vontade de voltar.

O que é estúpido, porque quando estamos descontentes com uma coisa o mais lógico é lutarmos para contornar essa situação. O problema - no meio de tantos outros - é eu detestar o ginásio quase tanto como detesto os defeitos do corpo que me carrega a alma. É eu ter vergonha de ser aquela que se atrapalha sempre a fazer tudo, é eu ter vergonha de não conseguir pegar num peso mais alto enquanto toda a turma pega naquilo com o mindinho, é eu ter medo de cair do step (como já caí), é eu não gostar que olhem para mim nem mesmo quando é para me corrigirem posições corporais, é eu ter vergonha de ser a primeira a desistir de um exercício porque já não aguento mais. O problema são muitos pequenos problemas, que são autênticas bolas de neve.

E não adianta dizerem que nos ginásios cada um olha por si, e que não faz mal em ser trapalhona e fraquinha e tudo mais: porque eu posso ser neurótica, mas sinto-me sempre observada. E, enquanto observada, mais fraca. Fragilizada. Sinto-me no meu pior, ali. Mas também não vale a pena afirmarem que eu estou óptima, porque eu sei que não estou - e, acima de tudo, sinto que não estou.

Aos meses que ando nisto, a tentar desfazer os nós deste novelo que me consome a alma e que anda com a minha auto-estima de arrasto pelo chão: ao ponto de querer que chegue o bom tempo, mas não ter a mínima vontade de pôr dentro de um vestido ou de um fato de banho. Sinto que já disse demasiadas vezes "é agora", sem nunca conseguir avançar significativamente: e por isso é que este post é o admitir de mais um falhanço. Tenho vergonha. Mas pior do que ter vergonha, é olhar para o baralho de cartas que disponho à minha frente e não ver grandes jogadas para onde me mover e ganhar o jogo. É pensar: "ou tens uma injeção de força de vontade para saíres daqui ou deixas-te ficar" - e não quereres nem uma, nem outra. É a escolha entre o conforto do comodismo e da infelicidade ou da motivação, das dores, dos possíveis dias maus, dos metros longe da zona de conforto e dos potenciais resultados. É escolher sempre por um caminho que nunca vai saber bem: ou pelo fim ou pelo meio para atingir o fim. 

22
Mar17

Review da semana #18

Carolina

Produtos de beleza da Body Shop

 

Andava em pulgas para contar esta história, porque é raro ficar tão encantada com alguma coisa como fiquei com estes produtos.

Aqui há dias saí do trabalho tardíssimo e tinha um jantar de aniversário ainda mais tarde - e faltava-me comprar a prenda! Já contava sair tarde por isso levei uma camisola para trocar e, já que o trânsito estava caótico, aproveitei para ir comprar o presente a um shopping que tenho perto do escritório. Andei para trás e para a frente, não sabia o que comprar, e acabei por entrar na Body Shop, já em desespero de causa - a minha máxima é "se não sabes o que oferecer a uma mulher, compra produtos de cosmética - usam-se sempre!". É só essa a razão que, até aqui, me levou a entrar nesta loja - tem uns pacotinhos muitos giros e em conta para esta espécie de presentes relâmpago e a qualidade sempre me pareceu boa.

Lá entrei, escolhi o que queria e ainda aproveitei para comprar umas coisas para mim. Mas, na verdade, tinha outro plano paralelo em mente: depois de um dia inteiro concentrada a olhar para o computador, eu parecia um morcego, de tão horrível e cansada. E, apesar de ter pensado em trazer uma muda de roupa, nunca me passou pela cabeça trazer maquilhagem atrás - até porque nunca a uso! Mas, apesar de tudo, ia para um jantar e não queria ir estilo morta-viva, pelo que pensei "vou-me pôr aqui a experimentar estes produtos, fingir-me muito interessada, e nos entretantos já tenho alguma base na cara para disfarçar o meu estado de zombie".

Pois que esta história me saiu melhor que a encomenda. A loja - tal como o shopping, diga-se de passagem - estava vazia e eu, que tinha tempo para queimar até ao jantar, acabei por me deixar levar pela funcionária que lá estava. Já aqui tinha dito que, apesar de não usar muita maquilhagem, gostava de não ser tão ignorante como sou neste âmbito - mas a verdade é que quando entro, por exemplo, numa Sephora, fico ofuscada com os milhares de produtos expostos e com aquelas empregadas que parecem estar sempre demasiado ocupadas a cochichar. Para além disso, as coisas são todas demasiado caras para se arriscar e todas dizem fazer milagres - e se todas dizem, é porque quase todas mentem, porque já se sabe que milagres há poucos neste mundo.

Mas voltando à Body Shop: eu nem sequer sabia que eles tinham uma linha de maquilhagem. A senhora perguntou-me se eu conhecia, eu respondi a verdade e ainda acrescentei que era uma leiga naquele tópico. Havia uma promoção de 40% no segundo produto de maquilhagem, eu tinha tempo e queria mesmo muito tapar as minhas olheiras e fiquei lá uma hora, com a senhora a fazer-me testes na cara e a experimentar este e outro produto. Na verdade, foi uma hora bem passada, relaxada e esclarecedora: fiquei a saber que a minha pele, afinal, não é oleosa - até é muito normal, mesmo na zona pior - e fiquei a conhecer uma gama de produtos que me rendeu totalmente. Saí de lá com uma saca cheia. E, o melhor, é que os produtos - em comparação com os que vejo nas outras lojas de cosméticos - não são nada caros, e pelo que me apercebi muitos deles são vegan e amigos do ambiente.

Apesar de ter trazido várias coisas e de ter aproveitado a promoção em todo o seu esplendor, destaco três dos produtos que trouxe para casa e com os quais estou absolutamente rendida. A minha mãe, tias, irmã, cunhada e primas são testemunhas em como ando a vender isto a toda a gente. Ora vamos lá:

 

DSC_0227.JPG

Este é o creme de dia, que dá para todos os tipos de pele. Eu só punha creme à noite e nunca de manhã e a senhora aconselhou-me vivamente a que mudasse este hábito. Para mim, é essencial que os cremes sequem rápido: não aguento coisas gordurosas na pele. Este creme é super fresco, dá uma sensação de revitalização imediata e tem uma textura espetacular, estilo gel. E seca num ápice! Adoro. Fujo de cremes como o diabo foge da cruz e agora não saio de casa sem pôr isto na cara. E como ele deixa a pele macia?

 

DSC_0231.JPG

Este é um creme tipo esfoliante. Nos últimos tempos, graças a uma desregulação hormonal, apareceram-me imensas borbulhinhas pequeninas - e se há coisa que prezo é uma pele minimamente limpa. Este esfoliante não tem grãos, como é costume, mas parece magia: mal o colocam na pele e o esfregam, em movimentos circulares, começa logo a sair a pele morta. No fim já só sobram bolinhas de pele que só estava cá a perturbar. É espetacular, porque notam resultados imediatos e eu fiquei logo rendida.

 

DSC_0235.JPG

E, last but not the least, esta base. Experimentei um BBCream e esta base, e esta ganhou de longe: não é gordurosa, seca relativamente rápido, tem uma óptima cobertura e, mais uma vez, é super fresca e deixa a pele hiper macia. Lá está: não sou nenhuma especialista, não tenho grandes referências, mas gostei mesmo muito. Detesto peles onde se notam os quilos de base e coisas pouco naturais; esta deixa a pele uniforme e, quando bem espalhada (comprei um pincel também), mal se nota. Era tudo o que queria.

 

No meio dos outros produtos que trouxe, talvez alguns também merecessem destaque: mas fica para outro post, para não vos maçar mais.

 

Nota: não tenho qualquer relação com a Body Shop e fiquei sinceramente surpreendida com a qualidade dos seus produtos, e ainda para mais com a relação qualidade/preço. Foi tudo aconselhado pela funcionária da loja e pago esta que vos escreve. 

01
Fev17

Review da semana 16#

Carolina

Champô seco da Klorane

 

Já tinha visto num vídeos da Maria Vaidosa o châmpo seco da Klorane. Já foi há muito tempo - não sei precisar quando nem em que vídeo - mas confesso que fiquei com aquilo na cabeça mas nunca calhou de comprar. Na verdade, na altura em que soube disto, também não precisava.

O meu cabelo já teve várias fases - há uns anos tinha uma zona mais gordurosa, que me obrigava a usar um champô específico e a lavar o cabelo todos os dias. Simplesmente não conseguia não o lavar, sentia-o sempre sujo - mesmo que não estivesse - e durante anos a fio lavava sempre o cabelo de cada vez que tomava banho. Durante todo esse tempo tive pessoas a chatearem-me o juízo porque lavar o cabelo diariamente fazia mal, independentemente de todas as razões que eu alegava (e que faziam sentido).

Entretanto, há um par de anos, notei que mesmo sem o tal champô o meu cabelo estava normal e decidi tentar não o lavar diariamente, apenas dia-sim, dia-não. Custou-me imenso, passava muito tempo com o cabelo preso porque achava sempre que ele estava todo colado, feio ou gorduroso (enfim, cenas de mulheres), mas acabei por me habituar e conseguir impor uma nova rotina. 

Até que há uns meses o meu sistema hormonal desregulou todo e o cabelo voltou a ficar um desastre - não com a "mancha" que tinha há uns anos, mas mal de uma forma geral. Passado um dia sentia que tinha de o lavar - e ainda o faço muitas vezes, porque não me sinto confortável em sair de casa assim. Mas quando me dá a preguiça ou não me sinto assim tão mal, ponho este champô seco. Lembrei-me dele numa ida à farmácia, em que ele estava num expositor - e com uma promoção no compra da segunda unidade - e decidi experimentar.

Posso estar a dizer uma grande asneirada, mas a sensação que tenho é que isto é uma espécie de pó-de-talco para o cabelo, que absorve a gordura e dá ao cabelo um melhor aspeto e volume. Apercebi-me disso na primeira vez que o coloquei: como não tenho jeito nenhum para estas coisas, aproximei o spray demasiado à raiz e apercebi-me de como vou ficar daqui a uns anos, com o couro-cabeludo todo branco. Até teve graça, parecia uma velhinha (depois, quando escovei, desapareceu). 

Mas bom, de uma forma geral até gostei muito do resultado. A verdade é que muita desta sensação de ter o cabelo sujo é psicológica: eu sei que não se nota nada, mas é uma sensação esquisita que tenho e que, para todos os efeitos, é aliviada quando ponho o spray. Para além disso é um produto de colocação fácil e rápida, espetacular nos bad-hair-days de uma forma geral, por isso acho que a compra já valeu a pena.

 

shamposeco.jpg

23
Nov16

Review da semana 12#

Carolina

Nail Corrector Pen

 

Eu sou tão boa a pintar as unhas como a programar em javascript. Eu sei que nunca que viram a programar em javascript (agradeçam aos deuses!), mas eu dou-vos uma ideia: sou péssima. Por isso já estão a perceber o meu nível de perícia no que diz respeito à manicura.

Embora tente ir arranjar as mãos uma vez a cada dois meses (ou coisa assim parecida) para tirar peles e essas coisas todas, todas as outras vezes sou eu que pinto as unhas em casa. Podia não pintar, é um facto, mas a probabilidade de roer as ditas quando estão "limpas" é muito maior e este é um hábito que eu tenho feito um esforço enorme para deixar. Posto isto, e embora o meu jeito seja quase nulo, ponho em prática todos os meus dotes artísticos e muito amor de cada vez que saco dos vernizes.

É claro que, apesar dos meus esforços heroicos, fico sempre com cerca de meio centímetro pintado à volta de cada unha. No fundo, pinto quase tanto da unha como do dedo, mas vamos fingir que é tudo uma ilusão de óptica. Por isso, para dar os retoques "finais", encontrei a ferramenta ideal. No início molho um cotonete na acetona para tirar o excesso (pouquito, como imaginam) mas depois, nas zonas mais próximas da unha, utilizo o Nail Corrector Pen da Kiko. No fundo, tal como o nome diz, não passa de uma "caneta" de filtro, que lá dentro tem um removedor de verniz. Para além da ponta que já vem enfiada, a caneta tem mais três de substituição - é claro que, nas minhas mãos, para isto durar devia trazer pelo menos meia dúzia, mas tenho de me ajeitar com as quatro. Eu pinto tão mal as unhas que, logo na primeira utilização, sujo aquilo tudo e a ponta já fica quase imprópria para consumo, mas deixando secar, ainda dá para umas utilizações valentes. Acho que, para pessoas "normais", uma só caneta já deve dar para uns bons tempos.

E pronto, é este o meu "segredo" para unhas minimamente arranjadas e apresentáveis. É claro que não há milagres, nunca ficam perfeitas, mas pelo menos dá-se o jeitinho. A caneta custa 5,90 euros e está à venda nas lojas Kiko.

 

corretorunhas.jpg

08
Nov16

E quatro meses depois volto a comprar shampôs

Carolina

Calma, meus amigos, nada temam: isto não quer dizer que tenha andado a tomar banho "à gato" nos últimos quatro meses da minha vida ou tão pouco que não me tenha metido debaixo do chuveiro durante tanto tempo. Simplesmente cumpri a minha promessa de usar, até à última gota, todas as amostras de hotéis/ofertas que aqui tinha guardadas há demasiados anos.

Foram quatro meses em que o meu cabelo ou corpo não tiveram qualquer possibilidade de se habituarem aos produtos usados e dos quais retiro as seguintes conclusões: a) os condicionadores são, de longe, o pior produto oferecido pelos hotéis, b) algumas das pessoas responsáveis pelas fragrâncias escolhidas têm olfatos altamente duvidosos, c) deviam inventar um mecanismo para se conseguir retirar todo o produto do frasco, uma vez que no fim fica lá sempre 1/10 do mesmo colado ao fundo da pequena garrafa, d) os produtos 2 em 1 (tanto dá para shampô como para corpo) não são boa ideia. No fundo, depois desta experiência intensiva em relação às amenities, acho que já podia ser consultora dos hotéis neste campo - just say'in!

Uma das coisas que mais gostei nesta experiência - para além de não ter de comprar produtos de higiene, por sinal bastante caros, durante vários meses - foi de "viajar" de cada vez que utilizava um frasco novo. Via o nome do hotel de onde trouxe o shampô e, em vez de cantar no duche, punha-me a pensar de que viagem é que esse shampô tinha vindo. "Fui" até Londres, Bruxelas, Istambul, Paris, Algarve, Estocolmo. E, só por isso, já foi bom. Agora voltei ao meu Garnier verdinho e à vida de uma pessoa normal. Só com a diferença de ter a prateleira do armário da casa de banho bem mais vazia do que estava antes.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2017 Reading Challenge

Carolina has read 0 books toward her goal of 15 books.
hide

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Ranking