Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Entre Parêntesis

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

17
Dez19

Os dias depois de uma operação

Acho que todos, pelo menos uma vez na vida (nem que seja quando éramos miúdos!), num dia de preguiça extrema, desejamos estar doentes para ter uma desculpa para ficar em casa. Nada de grave, claro - uma gripezita ou uma constipação, ou simplesmente uns espirros aqui e ali, a par de um nariz entupido, só para dar autenticidade à coisa. Mas a verdade é que nesses momentos esquecemo-nos do quão chato é estar doente; que aquela visão idílica de tempo livre para fazermos o que nos apetece é uma mera utopia, estragada pelo facto do corpo não cooperar connosco. Deixamos de ter vontade de tudo, forças para o que quer que seja. 

Acho que a culpa é do nosso cérebro, que nos faz esquecer certas coisas - nomeadamente estados de espírito -, até como forma de proteção. Eu própria, acho que para me reconfortar e me preparar mentalmente antes de fazer esta mais recente cirurgia, achei que ia conseguir aproveitar imenso o tempo que ia estar sem trabalhar e pôr imensas coisas em dia. E a verdade é que tentei - talvez até em demasia, por estar óptima depois da operação - o que culminou com um retrocesso na minha recuperação. Fui relembrada pela vida que as dores não nos dão vontade de fazer coisas. Que o cocktail de medicamentos que temos de tomar faz bem a umas coisas mas ataca tantas outras. Que a anestesia deixa rasto durante os dias. Que a sensibilidade e o humor ficam alterados perante o estado em que nos encontramos. Que o cansaço vem mais rápido do que antes quando estamos nestas situações. Que estar sentado é praticamente a nossa posição default e que não poder estar dessa forma significa passar o dia inteiro no sofá, praticamente inerte, enquanto vemos as horas do dia a ir passando lentamente.

Faz amanhã duas semanas que fui operada. E o que fiz? Praticamente nada. Devido a uma infecção à posteriori dei por mim até incapacitada de estar no computador. Vi televisão. Vi séries. Dormi e não dormi (principalmente à noite). E limitei-me a manter-me à tona da água, só com o único foco de não me deixar ir abaixo.

Se o processo do antes, durante e depois de uma cirurgia é difícil para todos, imagine-se para alguém que durante toda a vida teve fobia de médicos. Para alguém que recorda o pior dia da sua vida como aquele em que foi operada pela primeira vez este foi, simplesmente, o realizar de um pesadelo. Era, desde há quatro anos, um dos meus maiores medos: uma recidiva. E aconteceu. Mas não deixa de ser curioso como esse acontecimento mau foi quase uma cura de choque para o trauma que sempre tive e da marca que me ficou após a primeira cirurgia. Todo o processo foi um reviver daqueles momentos que o meu cérebro, mais uma vez, apagou. Tenho hoje plena perceção de que apesar de recordar os tempos da minha operação com tremenda dor, restam apenas alguns flashes daquilo por que passei. O vestir das roupas do hospital, a horrível espera, o caminho para o bloco, o inserir do catéter, a visita da anestesista, o colocar da máscara, o acordar no recobro. Muito disto tinha sido apagado. E à medida que  o tempo ali ia passando, que eu me ia movimentando no espaço, tudo ia reaparecendo e as peças do puzzle recomeçaram a ser montadas. E isso foi tão doloroso como reconciliador.

Ter sido eu a marcar esta cirurgia foi um grande passo. Ter ido para o hospital sem tomar qualquer tipo de ansiolítico foi um enorme passo. E ter-me conseguido levantar e caminhar para o bloco, deitando-me no sítio onde me iriam abrir, com toda aquela panóplia de instrumentos assustadores e dos médicos que os rodeavam, foi um passo gigantesco. Nesse momento, em que senti que tinha chegado ao meu limite - da coragem, da força, da sanidade mental - só pedi que me pusessem a dormir.

Hoje, só peço para acordar. Para que isto acabe e para que possa ter a minha vida de volta. Já está, já superei, já demonstrei que sou capaz. Acho que, por agora, já chega. Quero viver um bocadinho.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Pesquisar

Mais sobre mim

foto do autor

Redes Sociais

Deixem like no facebook:


E sigam o instagram em @carolinagongui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Ranking