Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

[Entre Parêntesis]

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

03
Nov18

"Então estás a gostar de voltar à faculdade?"

Carolina

Este ano voltei à faculdade. Toda esta reentré foi diferente do normal, por muitos motivos, mas em particular por estar a direcionar a minha vida para aquilo que, calculo, será o meu futuro profissional - trabalhar nos negócios de família. Achei que tirar algo relacionado com gestão - já que não o fiz na licenciatura, em que divergi completamente desta área - era essencial, pelo menos para ter uma ideia daquilo que precisarei de saber no futuro. 

Escolhi um curso executivo - não queria nada teórico, nem que me obrigasse a teses ou a encher mais chouriços do que já enchi na minha anterior vida académica. A ideia é ser prático, intensivo, incisivo; ir direto à questão, abordar os temas de caras e não andar às voltas.  

Isto seria o sonho de qualquer um que tem no seus tempos académicos recordações incríveis; mas não para mim. Custou-me dar este passo, porque tenho bem vivas as memórias dos meus tempos de faculdade. E embora não seja um bicho-papão de sete cabeças, não é algo que eu quisesse reviver. Fi-lo por necessidade, por saber que era algo que me podia fazer falta no futuro (todos sobrevivemos sem um curso, mas conseguimos viver melhor com as ferramentas que ele nos dá). E por isso inscrevi-me.

"E estás a gostar?", pergunta-me toda a gente. Sinto que todos me fazem esta pergunta e tiram logo as devidas conclusões quando olham para a minha cara, que não mente. Mas a verdade é que a minha cara de "quase não" não presta as devidas explicações que devem ser dadas neste caso. Eu estou a ser guiada por um objetivo futuro, a médio-longo prazo; e faz parte da existência humana querer a satisfação imediata das coisas, algo que me é impossível neste momento. Portanto é preciso decompor esta pergunta "simples" em várias partes para poder ter uma ideia real daquilo que eu sinto. "Está a dar-te gozo tirar este curso?" Não. "Estás a gostar de voltar aos estudos, de ter aulas, exames e trabalhos por fazer?" Nem pensar! Ao longo dos anos fui-me apercebendo de que apesar de adorar aprender, não tiro o menor prazer em ter aulas no seu formato clássico - e muito menos estudar para exames ou fazer trabalhos de grupo. Tenho sentido muitas dificuldades em ter força de vontade para organizar as aulas e estudar. "Mas achas que este curso terá utilidade futura e que te pode trazer algum tipo de vantagem?" Claro que sim. E é esse o meu foco.

Não tem sido fácil voltar a um sítio (ainda que figurativo) onde não fui feliz. Reencontrei-me com a frustração de não perceber as coisas, bati outra vez de cabeça com algumas matemáticas e com aquele sentimento que já me tinha esquecido de querer muito entender algo e não conseguir; voltar a ter o ritual de pegar nos livros, ter hábitos de estudo, está a ser duro (lembro-me que no meu último ano de faculdade já foi uma agonia fazer resumos e passar horas infinitas agarrada a um determinado tema); e, claro, há dias em que nem sempre é fácil estar atenta durante as três horas de uma aula. 

Mas a verdade é que, dentro do que já conhecia, houve muito de novo para mim: pessoas diferentes daquelas que conheci no passado (o grupo - com quem simpatizei à partida - é muito heterogéneo, quer em termos de formação, ramos de trabalho ou idades); umas instalações incríveis (passar de um polo que nem um café tinha para um local com salas de aula com fichas elétricas em cada lugar, dois projetores e cadeiras almofadadas e de rodinhas é quase um sonho); disciplinas que sempre me assustaram mas que não me fazem pensar "para que é que eu estou a gastar o meu tempo nisto?"; e num horário que não me é simpático (chego tarde a casa, privo-me de jantar com os meus pais e chego ao final da noite com demasiada energia). Mas aquilo que mudou, acima de tudo, fui eu: já não sou uma caloira assustada com o desconhecido. Não houve dramas com a praxe, não houve a necessidade imediata de me integrar; não há dúvidas, não me pergunto diariamente "porque é que estou aqui?" e não ponho em cima da mesa desistir a qualquer momento.

A modos que é isto. A minha nova passagem pela faculdade é como este texto: uma mixórdia complicada de sim's, não's, talvez, depende's. E esperança. Apesar de tudo, acho que esta nova aventura tem conseguido fazer com que eu limpe a má imagem que, ao longo dos anos, fui construindo sobre o mundo universitário - o que, só por si, já vale a pena.

 

(agora vou estudar - escrever este texto foi só uma desculpa para me escapar ao cálculo financeiro pela enésima vez. já vos disse que estudar tem sido muito difícil?!)

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Deixem like no facebook:


E sigam o instagram em @carolinagongui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2018 Reading Challenge

2018 Reading Challenge
Carolina has read 5 books toward her goal of 12 books.
hide

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Ranking