Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

[Entre Parêntesis]

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

15
Set18

Dois dias em Praga, a cidade harmoniosa

Carolina

Praga (3).jpg

 À entrada do Castelo de Praga, com a bandeira nacional

 

Praga foi a primeira cidade que visitei neste meu percurso. Devo confessar que era aquela da qual guardava maiores expectativas, muito por culpa da (pouca) preparação que fiz antes da viagem, das imagens que fui vendo e do muito que me foram falando dela ao longo dos últimos anos.

A minha primeira perceção da cidade foi um tanto ao quanto vazia; fui dar um passeio de noite, no dia da minha chegada, e não se via praticamente ninguém na rua. Pensei, mais uma vez, na situação não-tão-hipotética de estar lá sozinha e a verdade é que não me sentiria muito segura. Não por me sentir ameaçada, mas pela sensação de que se gritasse ninguém me ouviria - não obstante, toda a gente diz que a cidade é muito segura e que não costumam haver problemas para além dos típicos carteiristas. Nessa mesma noite também comecei a definir a minha opinião sobre o checos, quando os vi no único bar movimentado da zona a pôr as beatas dos cigarros nos cinzeiros que carregaram consigo até ao exterior (pousando-os nos beirais das janelas e noutros sítios práticos, de forma a não as atirar para o chão). Mais uns pontinhos na minha consideração! Ao fim dos dois dias acabei também por os achar acessíveis, numa clara tentativa de abertura ao mundo (depois das consequências de trinta anos de comunismo no país) - começando pela língua. O checo é absolutamente incompreensível e apesar de a maioria deles ainda não ser perito no inglês - mesmo as camadas mais jovens - nota-se um esforço grande para comunicar com os turistas.

Já de dia, percebi que o adjetivo que melhor descreve a capital da República Checa é “harmoniosa”. Isto porque Praga é uma cidade linda como um todo, é coerente - não só por fora, mas também por dentro, com bares, hotéis e espaços públicos muito bem decorados, com um ar "cozy" e confortável. Mas se olharmos ao detalhe não vemos nada que nos faça cair o queixo de espanto, como acontece por exemplo em Itália. Tudo ali é bonito, limpo e bem tratado (os edifícios são todos reconstruídos - e o que não está, está a sofrer obras de requalificação), ornamentado com as imensas igrejas que por lá há, que pintalgam a paisagem com uns elementos mais ricos e as suas imensas estátuas. Todos os edifícios do centro da cidade (não só o centro histórico, mas também os bairros centrais – na periferia já não é tanto assim) têm um estilo imperial: todos da mesma altura, com majestosas janelas e tons pastel, que fizeram as minhas delícias em cada rua que passei. 

Se tivesse de fazer uma comparação - e já desvendando um bocadinho do post sobre Budapeste -  diria que Praga é comparável ao Porto e a capital da Hungria seria, nesta minha analogia, Lisboa. Isto porque Praga é ligeiramente mais escura, as ruas são mais estreitas, a luz não se reflete em tudo o que se vê. Vi partes que me lembraram Tallin (a saída do Castelo em direção à Cidade Velha), com o seu ar medieval, e outras São Petersburgo, em algumas das avenidas mais amplas. A verdade é que o tempo que apanhei não abonou à boa luz da cidade, mas foi óptimo para passear: estava muito nublado, quase sempre a ameaçar chover, mas tal acabou por nunca acontecer. Isto fez com que o passeio fosse fresco e que não tivéssemos de estar constantemente a parar em sombras e a beber litros de água para conseguirmos continuar a caminhada.

 

Praga (47).jpg

Praga (51).jpg

Praga (53).jpg

Praga (54).jpg

 

Se por um lado o tempo ajudou ao passeio, houve um "pormaior" que dificultou a nossa vida em Praga: a mala da minha mãe não chegou connosco, por isso passamos parte do tempo que estaríamos a conhecer a cidade atrás de algumas roupas que ela pusesse usar caso a mala não chegasse durante mais um dia - felizmente chegou (seria muito mau se não chegasse, porque dali a dois dias já seguiríamos caminho para outra cidade) e o resto da viagem decorreu de forma normal.

O circuito que compramos previa dois dias na República Checa, mas só um dia em Praga - o segundo seria passado em Karlovy Vary, a cidade balnear mais famosa do país, que fica a cerca de duas horas e meia de autocarro. Ainda antes de partimos, eu e os meus pais tínhamos decidido não ir com o grupo a este sítio: se dois dias em Praga já é pouco, um dia muito menos. Pesquisei, vi fotos e de facto a cidade balnear é muito gira - mas, para nós, não compensava passar cinco horas dentro do autocarro quando estava numa outra cidade linda que ainda me faltava conhecer. Assim, fizemos uma tour conjunta na manhã do primeiro dia e tivemos essa tarde livre, assim como todo o segundo dia. 

A visita começou no Castelo de Praga, a morada do presidente checo. Devo já adiantar que esta foi provavelmente a tour que, para mim, foi pior gerida: passamos muito tempo em sítios que não mereciam tanto destaque e não fomos a outros locais que devíamos ter ido. A Catedral de São Vito é um exemplo: apesar de ser o símbolo maior do Castelo acabamos por não visitar, por supostamente estar uma missa a decorrer (embora eu tenha visto um grupo a entrar na igreja). Por fora é bonita, mas tenho a certeza que valia a pena a ida ao seu interior - para além das suas inúmeras capelas, túmulos e vitrais amplamente conhecidos, é lá que estão as jóias da Coroa, dentro da Capela de São Venceslau - algo que está literalmente fechado a sete chaves, cada uma delas distribuída por várias pessoas importantes para a cidade ou para o país (como o Presidente da Republica, o Primeiro-Ministro, o Arcebispo e etc.). Se quiserem saber mais sobre esta catedral, este site tem imensas informações sobre todos os seus recantos.

 

Praga (6).jpg

Um dos pátios do Castelo

Praga (12).jpg

Catedral de São Vito

 

Praga (19).jpg

Uma das entradas da Catedral

 

A Rua do Ouro é outra falha grave: não passamos por lá - se não me engano, é uma das partes pagas da visita ao Castelo - mas é geral a opinião de que este é um dos sítios a visitar: inicialmente era a rua onde viviam os guardiões do Castelo, mais tarde ourives (daí o seu nome) e depois passou a ser povoada por mendigos e delinquentes. Coincidência ou não, foi lá - no número 22 - que viveu Frankz Kafka durante parte da sua vida.

 

Praga (21).jpg

 Basílica e Convento de São Jorge - atualmente alberga a coleção de arte boémia do século XIX da Galeria Nacional de Praga

 

Praga (35).jpg

Numa das entradas do Castelo 

 

Praga (41).jpg

No miradouro junto à entrada do Castelo 

 

Praga (48).jpg

 

Já ia preparada para apanhar avalanches de gente em tudo o que era ruas da cidade, apesar daquele primeiro impacto inicial depois do passeio noturno. No entanto, acho que me mentalizei de tal forma para isto que, quando lá cheguei, não foi assim tão mau; talvez o tempo mais escuro tenha afugentado algumas pessoas das ruas, mas a verdade é que já testemunhei muito pior (neste momento lembro-me de Dubrovnik, que por vezes se tornava intransitável). Frisar, no entanto, as paletes de turistas asiáticos que se veem em todas as cidades por onde passei. É i-na-cre-di-tá-vel. É um bocadinho chato dizer isto, mas estamos a ser invadidos. E a presença deles faz-se sentir em grande parte porque andam sempre todos juntinhos - desconfio que andam religiosamente atrás dos guias, até porque não sabem falar outra língua para além da deles - e torna-se difícil ultrapassa-los quando os encontramos em ruas mais apertadas ou espaços já por si caóticos.

A encabeçar o Top 3 dos sítios mais movimentados de Praga está, sem dúvida alguma, a Ponte Carlos - uma das várias que faz a travessia do rio Vltava (ou, em português, Moldava) . É a mais bonita da cidade e a "residência" de muitos artistas de rua - desde músicos até pintores - o que atrai muitos, muitos turistas. É a ponte que liga a área do Castelo até à cidade velha, por isso é usada de facto para fazer uma rota muito comum, o que ainda piora as coisas no que à afluência de pessoas diz respeito.

 

Praga (75).jpg

Na Ponte Carlos

 

Praga (79).jpg

Um retratista na Ponte Carlos

 

Praga (145).jpg

A Ponte Carlos lá atrás

Praga (155).jpg

O movimento na ponte Carlos

 

Outro dos ex-libris da cidade é o Relógio Astronómico, situado na Praça Velha. Infelizmente, quando lá fui, o relógio (e o edifício?) estava fechado para obras; segundo apurei é suposto tudo estar pronto em Outubro, mês em que se vai festejar o centenário da fundação da Checoslováquia, mas até àquele momento pouco se deslindava por detrás dos panos que o protegiam.

Toda a praça é animada, com estátuas vivas, música e lojinhas de souvenirs e de comida. O que mais se vê é o trdelnik, um doce tradicional um tanto ao quanto difícil de descrever: são uns rolinhos de massa "assados" em forma de cilindro, que se servem simples (com açúcar e canela) ou recheados com gelado. Era algo que, se fosse em Portugal, seria claramente frito: lá, assam-nos quase como nós assamos o porco no espeto, rodando a massa constantemente até ficar cozida e tostada por fora. O veredicto? É um doce engraçado, um bocadinho enjoativo e nada do outro mundo. Experimentem-no, mas guardem o resto das calorias para a verdadeira pastelaria: a portuguesa. Outra coisa que me ficou debaixo de olho foram as batatas fritas, com casca!, servidas num palito gigante. Tinham um ar delicioso, mas nunca chegou a altura certa para as comer.

 

Praga (99).jpg

Ao lado do relógio astronómico (à direita vêem-se os panos azuis que o cobrem devido às obras)

Praga (88).jpg

Uma das igrejas vista da Praça Velha 

 

Praga (108).jpg

Na Praça Velha

 

Se há coisa que eu gosto de fazer numa cidade estrangeira é "perder-me" no seu centro, conhecer as ruas afluentes dos sítios principais e andar um bocadinho sem destino. No fundo, tentar perceber como funciona a cidade fora dos seus locais mais consagrados, ver as pessoas que lá vivem e trabalham. Ao fazer isto, no dia que tivemos livre, apercebi-me que o centro de Praga é relativamente pequeno - embora no mapa as distâncias parecessem muito maiores. Andava por duas ou três ruas diferentes e ia dar a um sítio onde já tinha estado. E para fugir deste ciclo vicioso decidimos sair um bocadinho do centro da cidade e visitar um dos locais que dizem ter a melhor vista de Praga: o Monte Pétrin. Fomos a pé, num caminho feito em grande parte pelas margens do rio, e enquanto apreciávamos os patos bravos que lá nadavam o meu pai reparou num animal dissonante. Não tinha penas, não eram patos. Depois de vermos bem - e de nos perguntarmos inúmeras vezes "será que isto são ratos gigantes?" - percebemos que eram castores. Castores! Nunca na vida tinha visto uns, parecia uma criança no dia de Natal. (Mais tarde fui pesquisar porque estes castores não tinham uma "pala" no lugar da cauda, parecia simplesmente uma cauda nojenta de rato, mas pelos vistos há algumas espécies assim. Lá se foi a ideia "fofinha" que tinha dos castores...).

Não sei se foi uma coisa esporádica ou da época, mas - e já que estamos a falar de animais - nunca vi uma cidade com tantas abelhas. Como andei sempre de casaco amarelo, cor que elas parecem apreciar, fui várias vezes perseguida por estes insetos que estavam literalmente por todo o lado - e em particular nos caixotes do lixo, dos quais eu fugia a sete pés. Diria que foi um milagre ter saído de lá sem uma única picadela.

 

Praga (169).jpg

Segundo li, os castores estiveram "desaparecidos" do Rio Moldava durante mais de 150 anos. Parece que agora estão de volta!

 

A Torre Pétrin (uma "miniatura" da Torre Eiffel, com 51 metros de altura) é o monumento mais conhecido deste alto da cidade, que fica 138 metros acima do nível do rio. Para além disso é conhecido pelos seus enormes jardins, uma igreja (que não vi), um observatório espacial e um labirinto de espelhos. Fiquei um bocadinho chateada porque a vista sobre a qual tinha lido referia-se ao topo da Torre - o que implicava subir mais de 200 degraus, algo para o qual não estava preparada nem tinha particular vontade - e não propriamente ao local em si, cuja vista para a cidade está maioritariamente impedida por árvores e outros tipos de vegetação. Acabei por ir ao labirinto de espelhos, que é giro, mas que não é um labirinto - é apenas um caminho curto com espelhos, que dá para tirar algumas fotos giras, mas pouco mais para além disso. Para quem tiver tempo e coroas checas em excesso na carteira (a entrada custa 180), aconselho; caso contrário, munam-se de água, toalhitas para o suor e uma camisola de manga curta e subam até à Torre. 

 

Praga (192).jpg

Torre Pétrin - a foto parece a preto e branco, mas não é: o dia estava mesmo assim

Praga (185).jpg

No labirinto dos espelhos, no Monte Pétrin

 

Como nesse dia estávamos sozinhos e sabendo que íamos andar de um lado para o outro - e tendo em conta que o nosso hotel era relativamente longe do centro (informações sobre o sítio onde fiquei no fundo do post) e tinha elétrico praticamente à porta - optamos por comprar o bilhete de 24 horas que é transversal para todos os transportes públicos (podem comprar nas estações de metro - muitas só aceitam moedas - e nas tabacarias), que nos custou 110 coroas checas (pouco mais de quatro euros). A frequência dos elétricos é bastante boa e o seu funcionamento é intuitivo, desde que tenham um mapa convosco e saibam os sítios para onde querem ir. Foi assim que subimos até ao Monte Pétrin (através do funicular) e que voltamos para o centro da cidade, de elétrico.

Por entre os passeios ainda houve tempo para ver umas montras giras e de passear no bairro judaico, onde há cinco sinagogas (onde é permitida a entrada). O sítio mais conhecido deste bairro é, no entanto, o cemitério, onde se estimam que estejam enterradas mais de 100 mil pessoas (e onde estão 12 mil lápides). O bilhete que dá acesso a todos estes locais custa 300 coroas checas (o equivalente a 12 euros), mas optamos por não visitar, em grande parte porque já se aproximava a hora do fecho e íamos ter de andar a correr de um lado para o outro.

 

Praga (121).jpg

Numa montra de brinquedos 

 

Praga (196).jpg

Numa "ilha" vertical no meio da cidade, com roupa a secar

 

Referir, por fim, que Praga transpira cultura: muito mais do que os artistas de rua, Praga tem imensos teatros, espalhados por tudo quanto é sítio. A nossa tour incluía uma peça de teatro negro (chamada WOW), que acabou por me surpreender muito pela positiva. Pelo sítio onde foi e pelo número de pessoas envolvidas no espetáculo, calculo que seja algo com um low-budget, mas os efeitos visuais eram muito giros e, diria até, surpreendentes. O pior da peça foi mesmo a história, praticamente impercetível: uma mistura entre sonhos, a natureza e os seus elementos... qualquer coisa estranha. Mas foi uma hora engraçada, que valeu algumas gargalhadas.

 

Praga (119).jpg

Um dos teatros no centro de Praga

 

Praga (94).jpg

A Torre da Pólvora, uma das mais conhecidas da cidade

 

Podendo, é sem dúvida uma cidade a visitar. Diria que três dias inteiros dão para muitos passeios calmos, muitas fotos e, claro, (para quem gosta) muitas paragens nos bares para beber a típica cerveja! 

 

Onde fiquei? Por ter feito uma excursão, os hotéis onde fiquei não foram escolhidos por mim. Mas em Praga tive sorte: fiquei no Penta Hotel, um hotel giríssimo, em que a receção era um bar e onde todo o espaço de lobby era recheado de mesas (tinha restaurante - bastante bom para o nível de um hotel), sofás, um bilhar, playstation e todas essas coisas giras. Era também lá que eram servidos os pequenos-almoços (bons e completos). O quarto era giríssimo, super bem decorado e confortável; as amenities eram super originais e cheirosas. Tinha wi-fi grátis (sinal fraquinho) e um Lidl a um minuto a pé, o que dá jeito para comprar frutas, bolachas e líquidos para andarmos abastecidos durante o dia inteiro. Lado menos positivo: ficava um bocadinho longe do centro.

Importa saber: Apesar de fazerem parte da União Europeia, não adotaram o Euro - o que para nós, gente já pouco habituada a ter de trocar moeda e fazer contas, é um bocadinho chato. Um euro representa cerca de 25 coroas checas. A língua checa é impossível de perceber, por isso ou se recorre ao inglês ou à linguagem gestual. Boa sorte em ambos os casos! ;)

O que faltou ver? A Rua do Ouro, a vista da Torre Petrín e do Parque Létna, a Lenon Wall, o cemitério judeu e o Relógio Astronómico a funcionar. Ah!, e fazer um retrato na Ponte Carlos.

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Deixem like no facebook:


E sigam o instagram em @carolinagongui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2018 Reading Challenge

2018 Reading Challenge
Carolina has read 5 books toward her goal of 12 books.
hide

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Ranking