Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

[Entre Parêntesis]

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

30
Mai18

Desculpem, mas preciso de falar sobre a eutanásia

Carolina

tumblr_p4tysetEIk1qzr04eo1_500.jpg

 

Nunca fui muito de pensar na morte. Desde muito pequena que é um assunto que me perturba muito, pela perda e pela incerteza do que vem a seguir, pelo que é algo que eu conscientemente evito pensar. Mas, curiosamente, a eutanásia e a morte assistida sempre foram dois temas que me interessaram e, depois do chumbo de ontem no parlamento a propósito deste tópico, senti urgência em escrever. Já há muito que evito temas polémicos, mas dei por mim a não adormecer à noite por estar perturbada com o assunto.

Isto porque não consigo conceber o porquê de tanto drama à volta disto. À parte de questões de regulamentação, legislação e afins, este devia ser um problema “simples”. Mais simples que o do aborto, por exemplo! Não se trata de uma sentença de morte, de uma decisão dos outros: é uma decisão nossa, sobre a nossa própria vida, quando ela muitas vezes já nos tirou os meios de fazermos o que quer que seja com ela. É um direito, devia ser uma liberdade - tal como é liberdade eu decidir ir jantar fora e comer quatro hambúrgueres, tal como sou livre de fazer um piercing ou laquear as minhas trompas (puristas dirão que estou a mutilar o meu corpo - e no entanto eu posso faze-lo). É o meu corpo, a minha vida. E, em situações normais, eu sou também livre de acabar com ela. Sou livre de me atirar da ponte, de tomar 40 comprimidos de uma vez, de cortar os pulsos. Quem não é livre são aqueles que, por doença, já há muito estão presos no seu próprio corpo e não podem tomar nenhuma destas decisões. Por estes dias, só estamos a confirmar o quão enjaulados eles estão nos próprios corpos, que já não estão em condições de carregar almas.

Todo o ruído que se ouve em volta deste assunto agonia-me. Em alguns casos enoja-me. Dizerem que o Serviço Nacional de Saúde serve para curar e não para matar é simplesmente ídilico - morrem todos os dias centenas de pessoas nos hospitais, muitas vezes em condições degradantes, e ninguém se preocupa com isso. Pergunto-me quantos médicos já terão praticado "a eutanásia", por mera misericórdia (e a pedido desesperado dos doentes, claro), mesmo sabendo que não podiam; por terem percebido que aquele voto que fizeram sobre salvar a vida de alguém já estava totalmente inválido naquele caso; por respeito pela dignidade humana, por pena de um ser em sofrimento, por verem que não há mais vida ali para ser vivida. Eu desconfio sinceramente que muitos já o terão feito.

A argumentação dos cuidados paliativos passa-me ao lado - estes devem ser melhorados, trabalhados e fomentados (força nisso!), mas não deviam ser a única alternativa quando estamos em fase terminal. É um caminho diferente, paralelo. Há dores que a morfina não tira - em particular a dos outros, que sofrem com o doente - e há pessoas que não querem chegar àquele estado de degradação. Porque é que temos simplesmente de aceitar o nosso destino, se sabemos que ele vai ser miserável e vai causar sofrimento não só a nós, mas também aos nossos? Temos de esperar pela decisão de Deus - esse, que eu e tantos outros não acreditamos que existe? 

O que aconteceu ontem entristeceu-me profundamente. Porque conheço casos, porque acho que nesta situação me consigo pôr no lugar do outro, porque já desejei que um ente querido morresse para não o ver sofrer mais e porque sei que não estou livre de um dia uma destas situações me bater à porta. Nem eu, nem ninguém. E eu acho que todos aqueles deputados que ontem votaram não, se um dia se virem em situações onde eles próprios ou os seus passam o dia com dores crónicas, diarreias constantes, bacias constantemente atestadas com vomitado, algálias enfiadas em sítios que não queriam e toda a sua qualidade de vida anulada e confinada a uma cama, vão pensar no momento em que tomaram essa decisão. E no egoísmo que foi e no sofrimento que se podia poupar a tantos, que vão ter de continuar a esperar. A esperar pela sua morte ou esperar que a sociedade mude de ideias em relação ao que fazer sobre a vida de cada um de nós. Que hipocrisia, acharmos que podemos mandar assim na vida dos outros.

(A sorte deles - e a nossa sorte - é que agora é uma questão de tempo até isto mudar. Tal como mudou com o aborto. Tal como mudou com o casamento gay. Porque, cada vez mais, cada um sabe de si. Graças a Deus! - irónico, não é?)

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2017 Reading Challenge

Carolina has read 0 books toward her goal of 15 books.
hide

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Ranking