Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Entre Parêntesis

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

11
Mai18

Desabafos do outro lado do Atlântico

Estou no Brasil. Porquê? Porque disse que sim. Aceitei vir cá cobrir um evento, a menos de uma semana do mesmo, que nem sequer sabia do que se tratava. E porquê que vim? Porque senti que precisava de sair de casa. Estou a passar uma fase instável, em que não sei o que vai ser de mim no futuro, e estou a sofrer por antecipação por tudo o que está para vir. Estou com uma necessidade pouco usual de sair, de apanhar puro, de falar com alguém - e estou constantemente a ser assolada por um sentimento brutal de solidão que já não sentia há anos.

Por isso vim. Já cá tinha estado uma vez, quando tinha 11 anos, e não tinha ficado com a melhor impressão: lembro-me de que a minha primeira sensação, mal saí do avião, foi de um abafo e de uma humidade terrível, como se tivesse sido lambida por três vacas só naqueles vinte segundos. Isso mantém-se. Também tinha ficado com a ideia de um trânsito caótico e arbitrário e, embora a comparação possa não ser justa por estar em sítios diferentes, sinto que se calhar não é assim tão mau. Recordo-me também de ter muito medo, muito por culpa das notícias que via na televisão, e agora estou mais relaxada, uma vez que ando sempre acompanhada. É uma boa oportunidade, porque achei sinceramente que não voltaria ao Brasil.

Até agora não está a correr às mil maravilhas. Para além da viagem de avião, que não é meiga para ninguém, comecei com o maior escaldão da minha vida. A primeira manhã foi livre, fui à praia, mas não estava sol; ainda assim pus creme nas costas, a zona que sei ser mais sensível para mim, mas nunca esperei que as minhas pernas fossem fazer inveja a uma boa lagosta. Para além de estar com dores em todo o lado, de me custar andar e ter de passar a vida a pôr hidratante, estou possessa comigo mesma por não ter espalhado o protetor pelo corpo todo. A parte boa é que acho que me vai servir de emenda.

Depois vem o cansaço. O jet lag é péssimo, mas as horas do evento não ajudam - só chego ao hotel pelas 24h, o equivalente às quatro da manhã em Portugal. E se eu fosse um party animal, habituado a noitadas, talvez as coisas não fossem tão difíceis. Mas eu sou aquela pessoa que precisa de dormir sete a oito horas por dia para estar decente e por isso não estou na minha melhor forma. Estou exausta, com fome de comida boa, a fazer uma retenção de líquidos que faz lembrar um elefante e, neste momento, só quero voltar.

Sim, as havaianas são baratas; sim, o mar é quente; sim, a praia está por minha conta. E sim, vai ser um longo voo de volta a casa. Mas tudo isto e o facto de me sentir totalmente desintegrada num evento em que toda a gente é fashion (enquanto eu trouxe uns macacões confortáveis para vestir) e mais velha (devo ser a bebé daquela sala de imprensa) só me faz querer voltar para o meu habitat natural.

A verdade é que não adianta fugirmos de casa ou da nossa cidade quando o problema está em nós. A minha ansiedade e a minha solidão crônica continuam cá, mesmo com um oceano de distância. E o facto de estar a relembrar toda esta sensação de desintegração é ainda pior. É como voltar aos tempos do ensino básico, mas sem a sensação de que as coisas ainda vão melhorar.

Posto isto, resta-me contar os dias.

 

4 comentários

Comentar post

Pesquisar

Mais sobre mim

foto do autor

Redes Sociais

Deixem like no facebook:


E sigam o instagram em @carolinagongui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2019 Reading Challenge

2019 Reading Challenge
Carolina has read 1 book toward her goal of 12 books.
hide

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Ranking