Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Entre Parêntesis

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

10
Nov15

As necessidades que a sociedade cria em nós

Há quem diga que nunca se pode sentir falta daquilo que nunca se teve, mas eu não concordo. Isto porque basta conhecer quem tenha algo, que passamos a ter um conhecimento - ainda que não intrínseco - sobre os efeitos que esse "objeto" tem (ou poderia ter) em nós, ao refletirmos os efeitos que teve nos outros.

Eu acho que, por exemplo, quem perdeu os pais cedo e foi viver para uma instituição - nunca sabendo o que são "pais" na verdadeira acepção da palavra, embora possa ter tido a mesma quantidade de afeto ao longo da vida - vai sentir, em algum ponto, falta dos pais que não teve. O mesmo se aplica aos filhos únicos - acho muito difícil que, mesmo que seja num ou dois momentos da vida, não tenham sentido falta da companhia e apoio que um irmão lhes podia ter dado. Quem fala em irmãos e pais também pode falar em avós, uma situação até mais recorrente: há muita gente que nunca chegou a conhecer os avós mas, por saber - de palavra - como eles eram, as suas características, sente falta de os ter conhecido. E isto tudo porque toda a gente conhece alguém com uns pais fantásticos, uns irmãos do melhor que há e uns avós super queridos - e a necessidade de ter igual, de ter algo superior, algo melhor do que nós tivemos, cria-se. Mas este raciocínio não se aplica só a pessoas: também de objetos e coisas materiais podemos estar a falar aqui. Ninguém pode dizer que as pessoas pobres não sentem falta de dinheiro, porque a menos que vivam numa redoma e não conheçam a realidade envolvente, vão querer ter mais, ter melhor - faz parte da condição humana, em todas as suas facetas, querer ter aquilo que não tem, alcançar aquilo que está mais além, ir até ao topo da pirâmide.

O que eu quero dizer com este parágrafo enorme é que as nossas necessidades já não são só as básicas e não somos só nós que as criamos - elas são criadas pela sociedade. Estar-se de bem com a vida que se tem quase que já não é bem aceite: tem de se querer sempre mais, mesmo que não sintamos falta de ir mais além - pelo menos naquela altura da vida. E isso, confesso, causa-me estranheza. 

É sabido - não o escondo - que uma das coisas que mais me afunda para os meus habituais ciclos "meio-depressivos" é a solidão. Não importa quanta gente esteja à minha volta (ou se calhar importa, mas no sentido inversamente proporcional), que a probabilidade de eu me sentir sozinha é enorme. É algo com que eu acho que nasci e que, desconfio, não me vai passar nunca. Escrevi um dia que "nasci para estar sozinha" e muita gente não percebeu e tantas outras pessoas interpretaram-no erradamente: o que queria dizer é que está enraizado em mim. Mas, claro, como é algo negativo, eu própria estou sempre a tentar mudar isso, assim como quem me rodeia - e uma das soluções "mais à mão", arranjada por pessoas que normalmente mal me conhecem (e que não sabem o quanto isso me irrita) é arranjar um namorado.

E, para mim, "arranjar um namorado" é mais uma das necessidades criadas pela sociedade. É óbvio que é uma coisa natural da vida - o que estou a dizer é que, hoje em dia, há quase um regulamento invisível que dita que "pessoas normais até aos vinte anos devem conter no seu currículo x namorados; caso contrário, são autênticas aberrações e devem sentir-se mal consigo próprias, excluídas da sociedade, sentirem-se mergulhadas numa solidão profunda e devem ser aconselhadas a mudar de rumo de forma mais célere possível; caso a situação não se altere passado cinco anos, devem ser enviadas para o psiquiatra mais próximo". Porque eu, honestamente, não preciso de um namorado - não preciso porque nunca encontrei alguém de quem precise. Porque nunca encontrei alguém de quem gostasse o suficiente e que dissesse para mim mesma "esta pessoa vai acrescentar algo positivo à minha vida, vai-me fazer mais feliz do que estou agora" - ou seja, essa necessidade nunca foi genuinamente criada em mim. As razões acima são aquelas porque eu acho que se deve ter um namorado - e pela qual, um dia, vou ter um. Quando aparecer, quando for tempo, quando tiver sorte, quando o conhecer.

Mas a sociedade não concorda e eu chego a um ponto em que sinto falta de ter um namorado - mesmo nunca tendo tido um e, vejam lá, não querendo ter um! Isto porque há toda uma ideia pré-feita, passada de boca em boca, de que ter alguém ao nosso lado nos faz mais feliz. E, claro, que é a receita perfeita para alguém como eu, que se sente cronicamente sozinha. É uma ideia com mais falhas do que argumentos e raciocínio lógico mas que, por cansaço, acabo por ceder. Há dias - os mais frágeis - em que penso, em bom português "Foda-se, se a solução para este nó na garganta é um namorado, mais vale avançar com isto rápido e de uma vez por todas", mesmo sabendo que é tudo, TUDO, mentira. Porque, lá está, são as necessidades que a sociedade nos cria, mesmo nós não precisando delas. E que prova de que podemos sentir falta de coisas que nunca tivemos (às vezes nem que seja para dizer "já tive e não deu resultado!!!") e - o mais engraçado disto tudo - que nem sequer queremos ter. 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Pesquisar

Mais sobre mim

foto do autor

Redes Sociais

Deixem like no facebook:


E sigam o instagram em @carolinagongui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2019 Reading Challenge

2019 Reading Challenge
Carolina has read 1 book toward her goal of 12 books.
hide

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Ranking