Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

[Entre Parêntesis]

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

27
Fev18

A culpa é da Netflix

Carolina

A Netflix é um buraco negro. Um poço sem fundo. Um horizonte sem fim à vista.

A Netflix é o antro de toda e qualquer procrastinação dos dias de hoje. Passou a ser a razão pela qual muita gente tosse ao telefone e diz ao chefe “estar doente” ou aos amigos, com quem tinha combinado uma saída, “que está a chocar uma gripe e é melhor ficar em casa”. É a SportTV dos dias de hoje, para quem gosta de outros campeonatos e maratonas, e para todos os “ernestos” que tentam roubar as palavras-passes dos honestos que pagam dez euros por mês para olharem para este infinito televisivo.

A Netflix não é a culpada por eu não escrever aqui, mas podia, porque seria demasiado humilde da minha parte assumir as responsabilidades perante algo que, na verdade, está somente a meu cargo (hoje em dia é assim que se faz, não é? Descartar tudo para cima dos outros, mesmo que esses “outros” sejam objetos inanimados que não têm como responder em sua defesa?). Deitemos as culpas sobre Narcos, então, já que o que não falta lá são tipos com as costas largas.

 

Mas agora a sério: a verdade é que, apesar de tudo isto, eu venho aqui anunciar-me como uma utilizadora muito controlada desta plataforma tão boa que é quase demoníaca. Eu acho que sou das poucas pessoas à face da terra capaz de consumir apenas um episódio de qualquer série, sem ter vontade de a devorar de uma só vez.

Confesso até que me faz confusão quem consegue estar uma tarde inteira a ver a mesma coisa. A mim, o sono prega-me uma rasteira e, a meio do segundo episódio, já estou encostada a um canto do sofá só a ouvir o ruído de fundo.

Eu gosto de prolongar o prazer, gosto de saber que amanhã tenho mais um bocadinho de série para ver. E se não for amanhã, vejo para a semana. Dou-me bem com as séries transmitidas na televisão, em que vejo só um episódio de sete em sete dias (com excepção das vezes em que, do nada, decidem não transmitir o dito sem aviso prévio, e aí apetece-me esganar alguém...). Assim consigo espalhar as séries pelos dias da semana, vejo uma num dia, um no outro e consigo encaixar tudo no meu horário.

O pior é que nem todos são utilizadores moderados como eu. Às vezes introduzo séries ao pessoal aqui de casa (só naquela de não estar sozinha no sofá e poder comentar estas coisas à hora das refeições) e, quando dou conta, já eles me passaram a perna e estão dois ou três episódios à minha frente. O quê que acontece depois? Para eu continuar a desfrutar da sua companhia, passo a vida a “comer” episódios, até eventualmente desistir da série por apanhar tudo aos bocados.

Aconteceu com a segunda temporada do The Crown, que eu ainda hei-de voltar a ver. Aconteceu com a série sobre o Einstein, que dava no National Geographic (e que, infelizmente, não sei se voltarei a pegar). E, neste preciso momento, acontece com o Narcos. Acreditem que eu vinha escrever, mas dizem-me “o que é que vais fazer? Eu vou ver mais um episódio” e eu, fraca, cedo à tentação. Pouco depois, e porque o sofá à noite não me dá tréguas, já estou a tirar uma sesta em vez de olhar para a televisão. Ou seja: nem série, nem escrita, nem piano, nem o raio que o parta.

Como se já não bastasse ter de apanhar o fio à meada das séries que vou deixando pelo caminho (ou que me roubam pelo caminho, talvez seja melhor dizer assim...), há tantas outras que me passam a vida a piscar o olho mal abro o raio do Netflix. La Casa de Papel, Stranger Things, Tempo entre Costuras, The End of the F**king World. O Outlander que também deixei pelo caminho, assim como Making a Murderer...

Caraças, quem criou a Netflix deve estar a rir-se na cara de quem precisa de trabalhar. (E eu aqui, a roubar horas do meu sono, com a consciência pesada de quem pecou – que é como quem diz, passou mais horas nesta aplicação do que devia e agora está a escrever a horas impróprias para consumo.)

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Deixem like no facebook:


E sigam o instagram em @carolinagongui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2018 Reading Challenge

2018 Reading Challenge
Carolina has read 5 books toward her goal of 12 books.
hide

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Ranking