Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Entre Parêntesis

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

03
Nov14

Uma breve história da minha manhã

Acordei desgrenheda, com o cabelo encaraculado como o costume. Tomei o pequeno-almoço, a planear como iria ser a minha manhã, pensando em tudo o que tinha de fazer ou podia deixar de fazer, desenhando um horário mental na minha cabeça. Fui ao quarto de banho, pus-me em frente ao espelho e levantei os colarinhos do meu casaco até ao pescoço, para me relembrar como eu era quando tinha o cabelo bem curto. Foi esclarecedor.

Voltei à cozinha, liguei para o cabeleireiro e disse que por dali a meia hora estaria lá. Sem ninguém - ninguém! - saber. E assim foi. Expliquei o que se passava, que já mal andava com o cabelo solto e que não me tinha adaptado bem àquele corte que potenciava os meus caracóis e disse-lhe por onde queria o cabelo. "Pelo queixo. A direito.".

Vendo sem olhar, este é capaz de ser o meu corte mais curto de sempre - de todas as outras vezes tinha-o muito curtinho atrás, mas bem mais comprido à frente. Hoje, no meu cabelo, há igualdade, estão todos os seus fios por igual. É. Às vezes dão-me maluqueiras destas. (Também tinha de ser maluca em alguma coisa, tendo em conta que sou uma chata em tudo o resto).

 

 

Ups! #thehairisevenshorter

Uma foto publicada por Carolina Guimarães (@carolinagongui) ligar

01
Nov14

Aí vai mais cabelo

Este último corte de cabelo deu para perceber (mais) uma coisa em relação a mim: já não consigo usar o meu cabelo ao natural. Depois de quase três anos a estica-lo - quando antes nem um pente lhe passava - percebi que os caracóis já não são para mim. Pelo menos nesta fase da minha vida.

A ideia do último corte era potenciar as formas naturais do meu cabelo, não tendo necessidade de o esticar ou secar de forma especial - porque, apesar de o esticar diariamente, ele continua a ser muito ondulado. E embora tenha gostado muito dele quando saí do cabeleireiro e de ter tentado várias formas de o pentear e com vários produtos, não consigo deixar de me sentir desgrenhada e despenteada quando saio com o cabelo por esticar; acho piada quando acabo de o secar, mas depois ele amassa e despenteia-se e eu sinto que acabei de me levantar da cama e nem um segundo lhe dediquei. É engraçado pensar como antes andava sempre com o cabelo natural e agora não o consigo usar dessa forma.

Por isso continuo a esticar o cabelo, embora o corte não esteja pensado para isso. Por estar escalado tenho mais dificuldade em fazer com que fique liso e, passado uns minutos, ele começa a ondular. Vale-me o facto de não mo terem cortado muito ao comprimento e, como tal, tenho margem de manobra... para um novo corte. Um "bob" avizinha-se... para muito em breve.

 

(e como sei que há muitos poucos registos do meu cabelo comprido neste blog... aqui vai disto, para termo de comparação)

DSC_0246.JPG

 

27
Set14

Já não habemus cabelos longos

Não tinha dado conta, mas a verdade é que acho que estava quase a fazer um ano desde a última vez que cortei o cabelo (não me lembro se o cortei na altura do Natal, mas a última vez que escrevi sobre o assunto foi precisamente no início de Outubro - ou seja, um ano). Já há muito, muito tempo que não o tinha tão grande; em Junho deu-me ganas de o cortar, mas deixei passar o Verão - essa altura péssima para os nossos cabelos, entre demasiado sol, cloro e água salgada do mar - para depois tomar essa decisão.

Deixei que matassem saudades do meu cabelo comprido. Ouvi muitos elogios, "ai que te fica tão bem", "ai que saudades que já tinha de te ver assim", "o cabelo comprido favorece-te", mas fui sempre dizendo que o havia de cortar um dia, para não fazerem já a festa. Na verdade, também eu matei saudades de ter o cabelo comprido, e de puder fazer rabos de cavalo jeitosos e uma trança de quando em vez, sentir o cabelo escorrer pelas costas quando saía da piscina. Foi uma espécie de amor de verão que, com o regresso à rotina, quis cortar pela raiz (não literalmente, como é óbvio).

Lancei aqui a pista mas não quis dizer nada a ninguém quando fui ao cabeleireiro - sabia que me iam pedinchar para não cortar, porque fico gira assim, e mais sexy, e mais feminina, e mais jovem e blábláblá (não que não aprecie elogios - que adoro -, mas quanto mais me contrariam pior é). Mais uma vez deixei-me nas maos da cabeleireira - mostrei-lhe o post que aqui fiz com as inspirações e deixei-a à vontade, sendo que ela já me conhece e sabe que não tenho grandes problemas em perder comprimento e coisas que tais. O resultado foi claramente inspirado no cabelo da Alexa Chung (o primeiro deste post) que aproveita as ondulações naturais do meu cabelo. Desta vez não fiz um corte rígido, que exige ser esticado todos os dias ou acertado de mês a mês; também não o cortei tanto como o costume, deixando mais cabelo principalmente atrás (o suficiente para o prender todo se for preciso). Agora ando a divertir-me, a tentar ver como secar, a experimentar várias formas e ver como gosto mais dele. Uma coisa é certa: está diferente, com mais movimento e volume. E era exactamente isso que eu queria: mudar.

 

24
Jun14

Ai que lá se vai o cabelo

Andava a passear pelo site da mango e, claro, fui parar aos macacões. Os meus olhinhos caíram logo em cima deste, às bolinhas e meio desportivo, pelo qual morri logo de amores. Há-de cá chegar nos próximos dias, até porque hoje há promoções de 40% (só para clientes "registados", se não estou em erro).

Adiante: não foi só pelo macacão que me apaixonei. Olhei para a modelo, achei-a gira (nas outras fotos está mais favorecida), mas mais giro ainda é o penteado. Leve, fluído, CURTO e meio despenteado. E deu-me uma vontade tão grande de ir cortar o meu, de levar esta foto e dizer "quero igual", embora saiba que nunca vai ficar tal e qual e que as modelos têm mil e um tratamentos especiais para ficarem assim.

De qualquer das formas, e contra a vontade de meio mundo, não sei se vou conseguir rersistir a esta gana que reside dentro de mim. Talvez o meu cabelo mais comprido tenha os dias contados.

 

17
Out13

Alisamento progressivo: sim ou não?

Da última vez que fui cortar o cabelo, a cabeleireira tentou vender-me um alisamento progressivo. Ouvi o que ela tinha a dizer mas não abri a boca, para não cair em desgraças. Normalmente não gosto que me tentem impingir coisas, fico até um pouco irritada, mas deixei-me estar, porque a ideia não era de todo despropositada.

Naquele dia disse logo que não, até porque não sabia para que valores uma brincadeira dessas iria. Agora já sei: 150 euros. É muito dinheirinho, nos dias de hoje... Mas a verdade é que estou a ponderar faze-lo. Não gosto de ver o meu cabelo ondulado quando estou com o cabelo assim curtinho, pelo que tenho de o esticar todos os dias: mas para além de ser difícil mantê-lo esticado com este tempo húmido (e ele fica ainda pior do que originalmente), atrás ele fica-me sempre ligeiramente "arrebitado", por estar extremamente curto (tenho aí uns 7 cms de cabelo, se tanto). 

Já falei com a minha esteticista - em quem confio - e ela diz que os resultados são mesmo bons, duradouros e que o cabelo fica com um aspeto super brilhante e saudável, sendo que tem a grande vantagem de ter de se dar só uma secadela e ele ficar direitinho.

A cabeleira, quando me falou disto, disse-me que ela própria já tinha feito que tinha ficado muito bem e que, passado uns cinco meses (se não me engano) ainda se notavam alguns efeitos, apesar de que o cabelo que vai crescendo vai ficando com "textura" natural. Daí se chamar "progressivo", porque ao longo do tempo ele vai voltando ao que era de uma forma natural.

Estou a ponderar largar o dinheiro que tinha guardado para mais umas botas e fazer este investimento. Já alguém daqui fez? Se sim, que me dizem?

01
Out13

Back to short

Quando cheguei a casa para almoçar me olhei ao espelho, vi logo que a situação não podia continuar. O meu cabelo - esticado horas antes - já estava meio encaracolado e feio, com aquela bagunça típica dos cabelos médio/longos que acontece quando está este tempo húmido e chuvoso. Estava a ornar-se em tudo o que critico nos cabelos longos. Tinha-vos dito que estava reticente em cortar a crina desta vez, porque, de facto, os cabelos longos mexem connosco (cientistas, ora aqui está algo bom para investigar: aposto que isto mete hormonas aqui no meio).

Posto isto, tive de agir rápido, antes que mudasse de ideias. Enquanto caminhava para a faculdade, liguei para o cabeleireiro e tentei marcar para amanhã: não dava. Então e hoje? "Ah, dá perfeitamente". "Óptimo!" E lá fui, saidínha da faculdade, para me sentar no cabeleireiro. Expliquei o que queria a uma cabeleireira que nunca me tinha arranjado o cabelo (sim, eu sou assim, meto-me nas mãos de desconhecidas - a parte boa é que pode sair muito bem, a parte má é que pode sair muito mal: só temos é de experimentar) e, depois de nos entendermos e de eu de lhe dar luz verde em tudo ("sim, pode cortar o que quiser", "sim, o comprimento não é um problema", "sim, pode cortar ainda mais"), o resultado final - para já, sem ter lavado - foi muito bom.

É nestes dias em que fico orgulhosa por ter lutado comigo própria - porque hoje custou-me um bocadinho mais do que antes a sentir o cabelo cair (e ainda caiu muito), mas levei a minha avante na mesma -, tendo em conta no fim me senti maravilhosamente bem. A nossa memória passa a vida a pregar-nos partidas e eu já não me lembrava do quanto gostava do meu lindo cabelo curto. É tão bom.

 

17
Set13

A síndrome do cabelo comprido

O cabelo comprido exerce em nós uma pressão enorme. É como se, ao ir crescendo, desenvolvesse uma síndrome e um medo constante de o cortarmos.

Já não tinha o cabelo tão comprido há uns dois anos e já não me lembrava da sensação. E, apesar de adorar ver-me com o cabelo curto e de ter planeado há uns meses que o cortaria em breve, começo a ficar relutante em relação ao corte. Não que tenha medo de ficar mal - que não tenho, já sei como me fica -, mas suponho que por força do hábito: agora já posso apanhar o cabelo, já quase consigo fazer umas tranças de jeito, já o estico e sinto nas costas. É como se sentir tudo isto fizesse com que um sentimento de proteção crescesse e me dissesse "não cortes o cabelo outra vez".

Mas não estou a pensar ceder. Vou disfrutar do meu cabelo mais longo durante uns tempos e, um dia, assim na loucura, zás! Um dia vai ser o dia. Quando, não sei, mas sei que ele chegará.

31
Jul13

Demasiado longo

Embora a maioria das mulheres ainda se sinta "reduzida" quando tem cabelo curto (ainda há dias falei com uma amiga que teve mesmo de cortar o cabelo acima dos ombros e que está traumatizada para a vida, não gosta nada daquilo, não se sente nada feminina e está mortinha para que os fios de cabelo cresçam), eu sou o oposto.

Acho que há uns dois anos que não tinha o cabelo assim tão grande e... estou ansiosa por o cortar! Depois do último corte fiquei suficientemente traumatizada para ter vontade de o deixar crescer - escaleio-o, mas como estava curto e não tinha peso suficiente, acabava por levantar e ficar horrível. Já se passaram sete meses, o cabelo já está abaixo do ombro, as pontas espigadas e a cabeleireira, de certeza, com saudades minhas. Tenho andado a aproveitar o comprimento do meu cabelo para fazer inúmeros penteados e aprender a fazer tranças (embora o dito ainda não seja suficientemente grande, já dá para experimentar) e puxos via youtube, tendo em conta que esse é o grande ponto fraco dos cabelos curtos: nar dar grande margem de manobra para grandes penteados. Têm sido uns belos dias, mas acho que estão prestes a acabar.

Já tenho saudades de um corte definido, de não ter de andar a esticar o cabelo que já começa a encaracolar, de não ter as pontas espigadas porque vou quase de mês a mês acertar o penteado. Não nego que o cabelo grande me faz sentir mais senhora, mais parecida com a figura que idealizamos de mulher sexy e ideal - mas não sou eu. Desde o dia em que cortei o cabelo que deixei de sonhar com essa imagem ídilíca de mulher e formei a minha. E o cabelo curto, na minha cabeça, tem tudo a ver comigo, toda uma personalidade aliada que espelha aquilo que eu sou ou quero ser.

Pesquisar

Mais sobre mim

foto do autor

Redes Sociais

Deixem like no facebook:


E sigam o instagram em @carolinagongui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2019 Reading Challenge

2019 Reading Challenge
Carolina has read 1 book toward her goal of 12 books.
hide

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Ranking