Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Entre Parêntesis

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

08
Fev22

Uma arca congeladora, o luxo de uma dona de casa prevenida

Cresci numa casa enorme, com quintal e animais, e nunca pensei que de lá ia sair. O que veio a seguir toda a gente sabe, é a lenga-lenga mais falada neste blog: a vida trocou-me as voltas e o avesso da vida acabou por se revelar o certo, mas a verdade é que a adaptação nem sempre foi fácil. Mas uma coisa correu muito melhor do que eu esperava: a mudança de uma moradia para um apartamento. Achei que me ia sentir claustrofóbica num espaço tão pequeno comparado ao meu habitual, mas a verdade é que a minha casa, mesmo antes de ser minha, revelou-se sempre um lugar de enorme conforto. 

A arrumação e organização foi o meu maior desafio - mas a otimização de espaços é algo que até me dá algum gozo (tanto que já estive várias vezes tentada a escrever sobre isso aqui, partilhando alguns hacks e tralhas que compro e que vão ajudando no processo), pelo que sempre consegui agilizar as coisas de alguma forma. No limite, ponho numa caixa e levo para casa dos meus pais, onde o que não falta é espaço.

Mas a verdade é que por muito que agilizemos, por muito que queiramos, por muito que sejamos a Marie Kondo portuguesa... não há como alargar espaços pequenos. Há limites para o que cabe dentro das coisas. E sabem o que é seriamente pequeno em minha casa? A arca congeladora. 

Vinda de uma casa como a dos meus pais, quase uma pequena quinta que "produz" muita da comida que consome, nunca antes isto havia sido um problema. Com umas cinco arcas congeladoras, há espaço suficiente para os coelhos e para os frangos, para os tomates e as courgetes, para as ervilhas e para os pimentos. Nada comparado com as minhas duas singelas gavetas, que dão para pouco mais de meia dúzia de refeições.

Ora, eu sou toda virada para a otimização, não só de espaço mas também de viagens, idas ao supermercados e mercearias. Sei que, na verdade, não sou assim tão bem sucedida, porque passo a vida a saltar de supermercado em supermercado em busca dos meus produtos favoritos; ainda assim, tento ao máximo ampliar o espaçamento das minhas visitas à mesma loja. E, para isso, é essencial planear e armazenar. Sempre gostei de planear as refeições semanalmente e de ter tudo pensado com antecedência, mas a pandemia veio agravar este meu traço, tendo em conta que hoje em dia todos estamos em risco eminente de um isolamento (o que, até agora, ainda não aconteceu connosco, whowoooo!). A questão é: onde armazenar? 

A minha luta com a arca durante estes dois anos foi estoica e dura. Gosto sempre de ter de tudo um pouco em casa - desde carne a vegetais (corto tudo depois de vir da feira e congelo, para ser mais rápido fazer sopa durante os dias da semana), passando por algum peixe, pão e uns gelados - mas às vezes o tetris era demasiado exigente e alguma coisa acabava mesmo por ficar de fora, ao ponto de ter de levar alguma comida para casa da minha mãe. 

Mas esses tempos acabaram. Finnito!!! Cedemos à pressão da falta de espaço e ao tetris constante e compramos uma pequena arca para pôr na cozinha; são mais três gavetas vindas diretamente do paraíso dos congelados para minha casa, que agora me permitem ceder a pequenos luxos (uns crepezitos, talvez?) e a não ter de proceder a quinze minutos de encaixa-aqui, desencaixa-ali para conseguir chegar a algum tipo de alimento.

Ah... a liberdade! O luxo! O espaço! A capacidade de planeamento durante uma semana, sem precisar de ir ao supermercado pelo meio! Que pequena maravilha. Ser adulta tem destas coisas, não é? Quem diria que um dia havia de ficar tão feliz com uma arca congeladora. 

 

IMG_20220208_210922.jpg

02
Fev22

Uma carta ao.... #6 Mercadona

Querido Mercadona,

Sou assumidamente tua fã. (Será que já inventaram alguma alcunha para os vossos fãs? Mercadonnas, para agarrar a clientela italiana? Merca-ladies, a piscar o olho aos anglo-saxónicos? Merca-dónas, para atrair as donas de casa portuguesas? Tudo um bocado preconceituoso, mas serviria o propósito. Se calhar vou pesquisar naquele grupo do "Feedback Sincero - Produtos Mercadona" que há no facebook - de certeza que já se auto-apelidaram de alguma coisa.)

Enfim, divaguei, desculpa. Na verdade é mais ao menos como faço contigo: entro na loja e em vez de ir direta ao pão ou ao presunto, vou dando umas voltas para ver o que encontro de novo. E isso tem-me trazido consequências. Graves. Gravíssimas. Não porque o resultado tenha sido mau... é só pessimamente bom.

Porque é assim: já todos sabemos que os produtos do Bosque Verde cheiram muito bem, que as vianinhas estão fresquinhas e no ponto, que a carne sai sempre bem, que a tua peixaria é o mais próximo que um supermercado tem de uma lota, que os mirtilos são dos melhores que se encontra no mercado, que os pãezinhos com alho são um mimo, que os iogurtes de proteína têm uma excelente relação qualidade-preço, que as pizzas são muito boas, assim como os morangos, os gelados, as castanhas congeladas, o pão ralado e, claro, o presunto que é de bradar aos céus de tão delicioso. Mas é assim... há uma linha que separa. Que separa o bom do diabolicamente bom; o desejável do irresistível; a capacidade de escolha e o vício. Que separa aquilo que se quer daquilo que não se consegue evitar. Que distingue o querer comer e não ter escolha. O querer parar e o não conseguir.

E é aqui que entram os teus chocolates, os Fusion Oreo, que eu descobri enquanto passeava e olhava para as prateleiras, numa das minhas últimas visitas. É que uma coisa são os iogurtes, a carne, o peixe e até o presuntinho. Outra coisa são aqueles chocolates, importados diretamente pelo Diabo, para nos infernizar as papilas gustativas para todo o sempre - e que, mal habituadas, não querem saborear mais nada desde então. Sabias que a gula é um dos sete pecados mortais? E que os cúmplices são tão culpados quanto os próprios culpados? 

Como tal, teremos de tomar medidas - até porque nenhum de nós quer ir parar ao inferno, certo? A medida mais sensata da tua parte seria retirar isto do mercado; tal como as drogas são proibidas, chocolates neste calibre de viciação e gostosura não deveriam ser permitidos. A outra alternativa será eu deixar de frequentar os teus supermercados e arrumar o meu crachá de merca-dóna - sei que parece exagerado e será duríssimo viver sem o teu jámon reserva, mas para grandes males, grandes remédios, e já se sabe que a ideia de resistir a comprar aquele pedacinho de céu (perdão - inferno) é perfeitamente utópica. Podemos arranjar também aqui uma solução intermédia, algo que te ficava bem de qualquer das formas, uma vez que o mal já está feito: criar vários clubes de chocolatólicos anónimos distribuídos pelo país, para todas as pessoas que, tal como eu, já só têm oito quadradinhos de chocolate e que não sabem como será a vida depois deles acabarem; serviria também de apoio a todos aqueles que se sentem fortes o suficiente para deixar o Fusion Oreo de vez, partilhando as suas emoções e dores neste processo de doloroso desmame para as papilas gustativas e o corpo de uma forma geral.

Neste momento já fomos obrigados a tomar medidas aqui em casa e a única coisa que me separa do restinho da tablete que jaz na cozinha é a providência cautelar que o meu marido colocou para salvaguardar as minhas ancas, muito queixosas desde o dia em que descobri o maldito chocolate. Ele ameaça-te com processos judiciais, nomeadamente por achar que isto se pode encaixar num quadro de adultério, uma vez que acha que neste momento gosto mais do chocolate do que dele. E o pior é que não sei se ele não terá razão.

Há por isso várias vertentes de peso envolvidas nesta questão: a fé (queremos ir ambos para o inferno?), a moral e a ética (será correto ter um produto destes no mercado?) e até a justiça (por ciúmes do meu marido). Não valerá mais a pena cortar o mal pela raiz e segregar o chocolate de vez das tuas prateleiras? Por favor. Por mim, pelas minhas ancas e glicémias. Por nós, no fundo, e pela relação que temos vindo a construir ao longo do último ano. E, claro, pelo meu marido - pessoa que, não sabendo a chocolate, eu também gosto muito. 

Conto com a tua compreensão.

Obrigada,

A tua merca-dóna favorita,

Carolina

 

776cee1ced90cf46b1a0589b805e1b70.jpg

Pesquisar

Mais sobre mim

foto do autor

Redes Sociais

Deixem like no facebook:


E sigam o instagram em @carolinagongui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Ranking