Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Entre Parêntesis

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

11
Fev21

Chávena de Letras: "O enigma do quarto 622"

enigma.jpg

Quinto livro de Dicker no cardápio e sua consolidação como um dos meus escritores favoritos da atualidade - embora esta não seja, para mim, a sua melhor obra.

O problema de se escrever recorrentemente livros muito bons é que a nossa expectativa fica demasiado alta - e a queda, quando se dá nesses casos, também é maior. Apesar da história, como todas as outras que escreveu, nos prender até ao fim do livro, este "O Enigma do Quarto 622" peca por alguns trechos um bocadinho parvos (deixo um pequeno excerto, que guardei mal li, por me parecer imediatamente ridiculo e digno de livro de crianças: "Arma ficou furiosa. Pegou numa esferográfica e, num gesto de raiva, cobriu de traços negros o rosto de Lev, antes de rasgar a fotografia, para o fazer desaparecer. Ah, como o odiava, a este destruidor de lares que destruía a vida do seu patrão!") e por uma série de recursos levados quase à exaustão - das reviravoltas na história até às analepses (demasiado) recorrentes. Chegam a ser a analisadas quatro fases da vida das personagens em simultâneo - e a certa uma altura já não sabemos muito bem em que patamar estamos. Isto dificulta muito a análise posterior da obra; depois de tantas "trocas e baldrocas" gostava de tirar algumas dúvidas a limpo (sim, nem todas as explicações me satisfazeram) e, de tanto andar para a frente e para trás, é quase impossível encontrar as respostas que procuro. Em 600 páginas, é como encontrar uma agulha no palheiro.

Diria que o autor se perdeu no meio da sua própria armadilha, em que normalmente prende os leitores, que não deixa que larguem as páginas até chegarem ao fim. É talvez um livro demasiado longo para o que seria necessário. Ainda estou para perceber se gosto, ou não, do facto dele se ter incluído a ele próprio no rol de personagens (mais: se ter escolhido como personagem principal). Vou investigar, mas creio que há algo de muito pessoal nesta história - talvez uma homenagem ao tal editor?

Apesar de tudo isto, é mais um bom livro para acrescentar à estante. Óptimo para se ler nas férias, quando temos tempo para ler as 600 páginas praticamente de uma só vez, enquanto a curiosidade nos corrói por dentro. O fim, esse, é uma reviravolta daquelas (quando achávamos que o golpe maior estava dado, zás, eis que Dicker saca do seu último trunfo). Nisso, o escritor é rei. E, talvez por isso, continue a salivar por cada novo livro que escreve.

08
Fev21

Uma história com princípio, meio e sim 4#

Casar em casa ou numa quinta?

Este post podia chamar-se "a segunda grande - ou gigante, vá - cedência".

Se eu um dia casasse, iria fazê-lo em casa. Foi essa a premissa com que cresci, embora durante muitos anos casar não estivesse na equação. Quando me juntei ao Miguel e se começou a ver a seriedade da coisa, o meu pai relembrou-me: se te casares, casas aqui! E, neste caso, eu partilhava da sua vontade.

O meu irmão - o único casamento "a sério" na minha família nos últimos 25 anos - casou numa quinta, mas a verdade é que, principalmente do lado do meu pai, sempre houve a tradição de se fazer casamentos e festas de grande calibre dentro de portas. A minha avó já estava calejada, com vários casamentos, batizados e comunhões celebrados na sua casa, que era bem mais pequena que a nossa. A minha própria festa de batizado foi lá - e dizem que foi tudo óptimo! Também os meus sobrinhos tiveram a sua festa de batismo em casa dos meus pais - montou-se uma pequena tenda, contratou-se um serviço de catering e estava a festa pronta. Foi a primeira que fizemos e a que recorremos a serviços de fora, montagem de infraestruturas e etc., mas correu tudo bem e ficou-se com a ideia de que era uma coisa viável para se repetir.

Mas se no batizado dos meninos éramos uns 60, no meu casamento poderemos chegar aos 170. Mal soube deste número liguei ao meu pai, que tem uma noção de espaço bem melhor que a minha, já com a pergunta na ponta da língua: "é possível pôr está gente toda lá em casa?". Ele respondeu que sim. Um alívio!

E aí começamos a pensar na logística da coisa: onde seria o copo de água, a cerimónia, o espaço de dança; já tínhamos uma ideia mais ao menos concreta e contactamos empresas de aluguer e montagem de tendas e pedimos orçamentos. Quando começamos a olhar para os espaços fomos colocando "e se's". Haviam sempre detalhes que não nos agradavam ou que não eram exequíveis - ou, quando eram, aumentavam os preços de forma louca. É engraçado pensar que uma casa pode ser enorme, mas que por vezes nenhuma área se adequa perfeitamente àquilo que precisamos ou idealizamos; a ideia era fazer tudo no exterior, com recurso a tendas, mas a certa altura tudo se complicou - ora porque havia árvores no meio, ora porque o chão não estava nivelado, ora porque havia elementos que iriam ficar no centro dos espaços e que não eram possíveis de remover... um sem fim de coisas. Depois partimos para outros problemas: e as casas de banho, como era? Utilizavam-se as dos quartos? E o catering, onde ficaria, tendo em conta que queriam água, fogões, fornos e coisas que tais? E os cães, onde ficavam? Podiam estar presos, mas iam ladrar a cerimónia inteira... E os meus pais, onde dormiam naquela noite perante todo o barulho? E se os vizinhos se queixassem? E se a tenda ocupar o espaço de passagem dos carros, como é que se vai passar para o interior? E quem vai limpar a bagunça toda depois da festa?

Fui vendo as pessoas a desistir uma a uma perante os entraves que iam aparecendo a cada ideia que tínhamos. Eu fui a única que me mantive firme na minha vontade. Sabia que ia dar mais trabalho. Sabia que ia ocupar mais tempo. Sabia que ia custar mais caro. Mas era o meu casamento e ia ser único - não ia haver fotos no mesmo sítio que 356 casais, não ia haver protocolo definido, não ia haver um igual. A ideia do controlo e da flexibilidade total das coisas deixou-me agarrada até ao último minuto. Queria muito poder escolher tudo, desde as coisas mais macro (onde montaríamos as tendas e a própria data do casamento) até aos detalhes mais micro (as flores, toda a decoração, o altar). O paraíso de qualquer control-freak.

Iam-me dando sempre conselhos em contrário, com argumentos muito válidos. O mais relevante de todos era de que um casamento em casa iria dar mais trabalho e custar mais dinheiro do que um numa quinta, onde tudo estará pronto sem termos de nos preocupar com o antes, o durante e o depois. E eu sabia que sim, mas continuava agarrada à ideia de casar em casa, embora o saco dos contras fosse pesando cada vez mais nas minhas costas.

Acedi a ir a uma quinta sob o mote de ter noção dos preços praticados e para tirar ideias em relação a toda a organização (tanto em termos de timings como de espaço) - mas sabia que, lá no fundo, aquilo era o princípio do fim do meu casamento de sonho. Apercebi-me disso mal nos metemos no carro, após a primeira visita, e toda a gente se mostrou deslumbrada com o espaço, enumerando todas as coisas maravilhosas de que gostaram. Só eu é que tinha uma lista maior de contras do que de prós - e fiquei tristíssima quando percebi que o meu casamento ia mesmo acabar por ser mais um num calendário cheio deles, igual a todos os outros, nos moldes em que outras pessoas o queriam.

Sem saber muito bem como, a partir da visita àquele primeiro espaço, comecei num sprint de quintas que só terminou no último dia de desconfinamento - e já com uma quinta escolhida. Foram cinco dias de loucura pura, de um cansaço horrível e de um processo de luto do meu próprio ideal de casamento... que foi triste e duro para mim. 

Sei que a decisão foi para bem de todos e não estou arrependida - mesmo ainda não tendo o casamento acontecido. Para mim os problemas não eram o trabalho nem o dinheiro - mas coisas tão simples como o conforto e a paz dos meus pais (e dos meus cães) e o fator de instabilidade que o processo iria criar em todos nós. Gosto da quinta que escolhemos - tanto pelo espaço como pela flexibilidade que me proporcionam, que me traz de volta um bocadinho da sensação de controlo que tanto gostava num casamento em casa - e acho, no fundo, que tomamos a decisão certa. Mas as decicões certas também doem.

07
Fev21

Seis coisas que considero importantes num currículo ou numa candidatura

No último meio ano passaram-me centena de currículos pelos olhos. Infelizmente para mim a tarefa ainda não está concluída. Foram cinco anúncios espaçados ao longo do tempo, muitos currículos analisados criteriosamente e colocados depois numa short-list, culminando numa dezena de entrevistas presenciais e uma pré-contratação em que me deixaram ficar na mão passado quatro dias (quando, no terceiro, me tinham pedido um adiantamento). Ou seja: ainda não encontrei a pessoa certa para o cargo que preciso de preencher. 

É um trabalho dupla ou triplamente frustrante, porque o recrutamento é algo que não me traz qualquer tipo de prazer e porque se está a mostrar infrutífero apesar de eu tentar ao máximo fazer tudo direitinho e de, aparentemente (?), andarem milhares de pessoas atrás de emprego. 

Recrutar pessoas é injusto, é dar não's não fundamentados e sim's sem o devido mérito. Um currículo não mostra nada daquilo que uma pessoa é - e isto serve tanto para o bom como para o mau. Há pessoas que se sabem apresentar e a sua imagem é sobrevalorizada e há outras que, não sabendo, ficam a perder, podendo até ser profissionais de mão cheia. Recrutar é ter de tirar conclusões de forma preconceituosa, recheadas de estereótipos. Mas quem recruta tem de começar por algum lado e seria impossível estar com todos os candidatos presencialmente - sendo o currículo o pontapé de saída para depois se avançar para algo mais. 

Há muita coisa que podia escrever sobre este tema - a falta de pessoas que de facto quer trabalhar e a quantidade ainda menor que se quer sujeitar a trabalhar numa indústria, a lata de algumas ao dizerem que só mandaram o currículo porque o centro de emprego obriga, a dificuldade que é fazer entender o que de facto precisamos e em que consiste o trabalho que estamos a oferecer... Enfim, sinto que contratar alguém para um trabalho não standartizado (caixa de supermercado, repositor de loja, enfermeiro, professor e etc.) é uma autêntica odisseia. Uma que preferia não estar a viver mas que vou ter de voltar a enfrentar (estou a aguardar que a pandemia abrande para poder voltar às entrevistas), porque estou desesperada à procura de alguém que de facto queira aprender, trabalhar e crescer dentro de uma empresa. É uma jornada de desalento, mas sei que tenho de ser a pessoa que mais acredita que é possível - ou, por outro lado, a última a perder a esperança. Há-de existir alguém. Hei-de conseguir. 

Até lá, das poucas coisas boas que posso tirar desta experiência é ter ganho a noção do que é estar do lado do empregador - e assim consigo, eventualmente, ajudar quem está do outro lado, mostrando aquilo que os empregadores (ou, neste caso, eu em particular) queremos e que achamos bom ou mau num documento de apresentação.

Deixo aqui seis dicas que considero importantes para quando estamos a elaborar um currículo ou a candidatarmo-nos a um determinado emprego. (Deixei de fora coisas básicas como "não mentir", suponho que já se saiba que isso não é suposto.) Ora cá vai disto:

 

1 - Ler os anúncios com atenção (ou evitar perguntas parvas e desnecessárias)

Se há coisa em que eu tive cuidado aquando da redação dos vários anúncios que coloquei foi ser detalhada. Quando estive à procura de trabalho sempre me fez muita impressão aqueles anúncios - que infelizmente são a maioria - meio misteriosos, em que não se dizia qual era a empresa, onde se localizava ou qual era o trabalho em si. Eu escrevi tudo. E, por isso, a primeira triagem fazia-se logo pela forma como as pessoas me abordavam a propósito do anúncio - se havia algo que me fazia à partida desistir de alguém (ao ponto de nem sequer abrir o currículo) era fazerem-me perguntas cuja resposta estava espelhada no texto do anúncio. "Onde fica a empresa?", "para onde mando as minhas informações?", "qual é o salário base?", etc. Mais uma vez, somos também aqui obrigados a generalizar: mas a ideia que fica é que de alguém pouco atento, curioso e criterioso. E, logo aí, fica fora de contas. Por isso é essencial ler com muita atenção tudo o que é dito e pedido, para não ficar excluído à partida.

 

2 - Colocar uma foto a fazer bico de pato ou a mostrar o decote como se tivessem vestido um corpete dos anos XIX vestido não vos vai garantir trabalho - quer dizer... agora que penso, depende dos tipos de trabalho (cof cof)

As fotos sempre foram algo a que nunca dei grande atenção, nomeadamente quando estava a trabalhar no meu próprio currículo. Mas isto foi no passado, quando não via as fotos que as outras pessoas colocavam nos seus CV's. Eu juro que não me acreditei quando vi metade das imagens que as pessoas colocavam delas próprias! Fotos com a língua de fora, com o famoso biquinho de pato; fotos claramente com outras pessoas, que foram cortadas da imagem sem dó nem piedade; fotos tiradas de cima, dando destaque a decotes vertiginosos; fotos que metiam medo ao susto, ao ponto de nem sequer vermos o currículo até ao fim. 

Nos dias que correm não acho nada importante ter no currículo uma foto tipo-passe, tirada nu fotografo. A fotografia que escolhi para o meu, por exemplo, foi tirada por mim própria num dos muitos auto-retratos que fiz que e acho que me representa bem - descontraída, arranjada e a sorrir.

Eu vejo (e analiso) o currículo como um todo, que convém ser coerente: temos de ter a consciência de que vamos ser escolhidos (ou não) com base naquilo que lá colocamos (que não é só informação escrita!). Se dizemos que gostamos e temos um curso de fotografia, não vamos ter lá uma imagem cheia de grão, desfocada e em que apareçamos desfavorecidos. Se dizemos que a simpatia é o nosso forte, também não convém colocar uma foto com cara de mau. Percebem? É claro que há limites para esta coerência: se forem pessoas muito divertidas e com uma vida social mega animada não convém pôr fotos na discoteca ou com amigos. Mas há que tentar mostrar quem somos através de todas as vertentes que nos é possível - e isso vai muito além da nossa formação e histórico profissional. 

 

3 - Sim, a idade conta e é importante incluí-la

Quando um recrutador analisa um currículo tem de saber ao certo o que quer - e, inevitavelmente, vai ter fazer julgamentos e tirar ilações de tudo aquilo que vê e lê. Mais uma vez, repito, as conclusões que se tiram podem estar erradas. Pode querer-se alguém mais novo porque à partida tem mais energia, mas nada nos diz que um individuo de 25 anos não é mais preguiçoso e inativo que outro de 50; podemos querer alguém mais responsável e achar que uma pessoa com família formada e uma idade mais avançada é o ideal, mas pode existir um "miúdo" nos seus 20's com uma experiência de vida e responsabilidades muito maiores que alguém com 50 anos. A margem de erro é sempre grande, mas não temos outra alternativa senão tirar conclusões precipitadas e esperar que a lógica esteja a nosso favor - sendo que a triagem final é feita presencialmente, onde se tentar ter um "cheirinho" daquilo que é mesmo real.

Isto tudo para dizer que, de facto, é injusto avaliar alguém pela idade - mas ela define-nos, ainda que não sempre de forma correta. Colocar a nossa idade/data de nascimento no CV ajuda o empregador a fazer uma triagem, pois normalmente tem-se uma ideia do público-alvo ideal para o cargo que se quer ocupar. E se de facto for algo importante, o dado já esta lá; se não for, é só mais um detalhe que se passa a frente. A diferença é mesmo se esse elemento não estiver presente e for importante; a probabilidade de guardarem o currículo para perguntarem é pouca - normalmente esse vai para a pilha dos eliminados e passa-se ao próximo, na esperança que tenha toda a informação que lá esperamos encontrar.

 

4 - E sim, o local onde moram também pode pesar

Este ponto é mais importante para quem vive em grandes cidades - penso que é um problema que se dilui quando se trata de locais mais pequenos ou no interior. Morar perto do trabalho é uma vantagem enorme pois pode evitar constrangimentos no trânsito e no estacionamento ou, para outras pessoas, evitar grandes viagens de transportes públicos (com os quais uma pessoa nunca sabe muito bem com que contar, em termos de horários). Para além disso, há que fazer uma avaliação honesta: tendo em conta o salário que se vai pagar, vale a pena chamar alguém que vive a 30kms e tem de fazer esse percurso diariamente, pagando portagens e gastando gasolina? Mais uma vez, o empregador está a assumir algo sem fazer perguntas ao verdadeiro interessado - e eu digo, mais uma vez, que na realidade não há outra hipótese... De qualquer das formas, diria que este é dos pontos que menos pesa caso encontremos a pessoa certa e soubermos que é aquela que queremos.

 

5 - Os currículos Europass são overrated

Se há uns anos os Europass eram o que se queria (para todos os efeitos são mais fáceis de analisar, pois têm todos a mesma estrutura, embora possam ser densos e pesados), acho que hoje não é bem assim. Sendo totalmente honesta, a mim, dão um bocadinho a ideia de desleixo. Aliás, depende da idade: percebo que pessoas mais velhas, com mais dificuldade em mexer em softwares ou fazer pesquisas mais elaboradas, não passem de um editor de texto; já gente mais nova, que durante toda a sua vida teve em contacto direto com novas tecnologias, já não me parece tão bem. Não é preciso uma coisa XPTO - só algo bonito, minimamente trabalhado, para demonstrar que de facto houve empenho na elaboração daquele documento (o que, por acréscimo, dá a ideia de que de facto se trata de alguém que quer mesmo arranjar um trabalho).  

 

6 - Os currículos podem ser iguais - as cartas de apresentação não

A verdade é que para cada candidatura devia haver um currículo; consoante aquilo que é pedido devemos destacar certas coisas, diminuir outras, tirar coisas que potencialmente nada acrescentam (e com isto não estou a dizer para esconderem nada!). No fundo, potenciar a nossa apresentação. Mas eu sei que para quem precisa e manda uma dezena de currículos por dia isso é impraticável. E, como tal, a solução está nas cartas de apresentação (que pode ser mesmo isso ou, simplesmente, a descrição de um email).

Mas atenção: até aí é preciso saber o que se está a fazer. Dizer que se é "assíduo e pontual' faz-me lembrar os tempos de escola, em que no final de cada período éramos obrigados a fazer a nossa auto-avaliação e a justificar a nota que almejávamos. Mas a escola já lá vai - e ser assíduo e pontual não é uma qualidade que devamos assinar, pois à partida devia ser uma obrigação. Devemos chamar à atenção de especificações sobre nós mesmos que, para o posto de trabalho em questão, sejam pertinentes. Que somos engenhocas e que nos tempos livres gostamos de nos dedicar à bricolage; que em pequenos tínhamos o sonho de ser veterinários e por isso fazemos voluntariado numa associação que alberga animais; que temos uma escrita muito fluida porque desde criança que escrevemos diariamente. Tudo, desde que seja contextualizado. Ninguém quer saber se um trolha escreve desde os três anos; mas se gostar de bricolage e tiver jeito para tudo um pouco, pode ser um belo investimento e adição a uma empresa.

 

Como disse acima, há muito mais coisas que poderia aprofundar sobre este assunto. Será que vale a pena?

01
Fev21

Uma história com princípio, meio e sim! #3

Casar pela igreja? It's a no for me!

O casamento pela igreja era uma não-questão. Isto porque era daquelas que, para além de saber bem aquilo que queria, era também dos tópicos em que eu não iria ceder (isto tendo em conta o noivo que tenho; se fosse alguém extremamente devoto, a história poderia ser diferente).

Se há coisa que eu prezo na vida é a coerência - foi assim que fui ensinada e é algo que gostaria de manter. Se é verdade que as pessoas mudam, também o é que não mudam assim taaaanto. A minha parca ligação com a igreja é algo constante - em nenhuma fase da minha vida fui praticante ou tive um contacto mais presente com a religião. Sou batizada mas, para além disso, só pus os pés em igrejas para funerais e casamentos (nunca fui à catequese). Costumo dizer que sou católica pela cultura que tenho e pelos princípios com que rejo a minha vida - a preocupação com o bem do próximo, a solidariedade, etc.

Tenho fé - mas não é algo que caiba dentro dos "parâmetros" normais, justificada por um Deus. Não a encontro em locais de cariz religioso. A minha fé materializa-se no acreditar numa qualquer forma de perpetuação das pessoas que já partiram e que fizeram parte da minha vida; sinto a sua presença em pequenos detalhes do dia-a-dia, e em mim própria, em várias ocasiões... e é nisso que acredito. Mas, para mim, isso em nada tem que ver com a igreja. 

Diria até que, ao nível da igreja-instituição, a minha relação tem-se vindo a degradar. A ideia dos peditórios, dos dogmas, das ideias fixas e pouco flexíveis e os escândalos afastam-me cada vez mais desse tipo de práticas.

O curioso é que embora sempre tenha gostado de marcar a minha posição, a religião é um tema muito sensível, sobre o qual tive dificuldade em impor o meu ponto de vista numa fase inicial da minha vida. Apesar de nunca ter sabido qualquer tipo de reza, não gostava de estar calada numa igreja onde todos pareciam saber os cânticos e os rituais; tinha a tendência de mexer os lábios para dar a ideia de que estava a dizer algo e procurava manter um ritmo natural daquele levanta-senta chato a que somos submetidos em todas as missas. Cheguei até a fazer uma leitura no funeral da minha avó e a andar com o cestinho a fazer a recolha das dádivas! E esse foi o ponto de viragem.

Aquela não era eu. Nunca fiz parte de grupos e nunca me preocupei por não fazer parte de um rebanho - pelo contrário, sempre me orgulhei disso. Porque é que ali, naquele sítio, tinha de ser diferente? Porque é que tinha de fingir saber fazer algo que de facto não sabia? Porque é que tentava fazer parte de algo que não me dizia nada?

Deixei de me benzer quando entro numa igreja. Deixei de mexer os lábios durante a missa. Deixei de me sentir pressionada naquele ambiente tão cheio de rituais e aceitei que não os sabia. Sento-me e levanto-me à medida que os outros o fazem e não me importo de ser a última a fazê-lo. Recusei fazer uma leitura no funeral do meu avô. Porque se é para ser coerente, é para o ser em toda a linha. 

Por isso, relativamente ao casamento, não é preciso dizer nada, pois não? Se nunca fui praticante, porque me havia de casar pela igreja? Por ser bonito? Por ter um altar? Por ser costume? Não.

Não me esqueço de algo que o padre que celebrou o casamento do meu irmão lhe disse. Podendo falhar-me aqui alguma coisa na sua narrativa, a ideia é que hoje em dia só vamos à igreja em três ocasiões, transportados pelos 3 C's: primeiro por um carrinho, quando somos batizados; depois de carrão, quando casamos; e por fim de carrela, quando morremos. Eu quero ser coerente e quebrar este ciclo. Quando fui batizada não tive escolha (e, honestamente, não é algo que me afete) - mas hoje, adulta, acho que devo ir de encontro às minhas crenças e as minhas práticas (ou, neste caso, à falta delas). Se não frequento a igreja no dia-a-dia, também não me faz sentido lá ir num dia que para mim é tão importante.

Nos dois casamentos a que fui, ambos os padres, de diferentes paróquias, fizeram menção a esta hipocrisia em que todos vivemos mas que fazemos questão de assobiar para o lado de cada vez que nos toca a nós. Que devíamos frequentar a igreja no dia-a-dia, não só nestes dias especiais; que as igrejas não eram só para este tipo de celebrações. E a verdade é que estão corretos - estão a pedir coerência.

Aqui entre nós, devo confessar que quando vejo aquelas fotos dos noivos de joelhos no altar, compenetradíssimos nos seus pensamentos, penso para mim: "será que eles estão a fazer o que eu faço durante a missa inteira? A pensar o que vou fazer para o jantar durante a próxima semana ou que emails ainda tenho por responder?".

No dia do meu casamento eu quero ser feliz - e isso implica, provavelmente, quebrar tradições e fazer o menor número de fretes possível. Não quero uma celebração chata, num local que não me diz nada para além da sua beleza arquitetónica e regida por alguém que acha ter em si a palavra de um Deus em que não acredito. No meu casamento eu quero ser eu. E, como tal, a igreja nunca esteve na equação. 

 

casamento igreja.png

 

Pesquisar

Mais sobre mim

foto do autor

Redes Sociais

Deixem like no facebook:


E sigam o instagram em @carolinagongui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Ranking