Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

[Entre Parêntesis]

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

25
Jul17

Veneza, a cidade mais encantadora do mundo

Carolina

 CruzeiroAdriatico (28 de 436).jpg

Vista de um dos canais perto do meu hotel - uma zona muito sossegada e menos apinhada de turistas

 

CruzeiroAdriatico (39 de 436).jpg

As típicas mascaras - há muitas à venda em boutiques, sendo mais caras mas provavelmente originais, e outras em lojas de rua (de não-italianos), muito mais baratas. Curiosamente, esperei ver muito mais máscaras do que as que vi - talvez seja um símbolo que se está a desvanecer no tempo. 

 

Foi em Veneza que começamos a nossa viagem - fomos dois dias antes de entrar no barco para aproveitar a cidade, mas como só chegamos depois das sete da tarde do primeiro dia só tivemos, na prática, um dia para passear. Mas essa primeira noite ainda deu para dar umas voltas - fomos até à praça de São Marcos, sendo que o nosso hotel ficava precisamente no lado oposto da ilha - e esse caminho até foi, precisamente, a minha primeira impressão de Veneza. E atrevo-me a dizer que foi uma impressão rara: aquilo que senti foi que a cidade estava vazia.

CruzeiroAdriatico (42 de 436).jpg

Na primeira noite, na Praça de São Marcos - o local mais populado onde estive nessa primeira prospeção da cidade. Havia esplanadas com pequenos coretos, onde bandas tocavam alguns temas - o primeiro que ouvi foi o 007, que tem uma cena no "Casino Royalle" que se passa precisamente na cidade (e, curiosamente, noutras por onde passei).

 

No dia seguinte, tal como calculava, percebi que a impressão estava errada - mas a verdade é que às dez da noite de uma terça-feira, um pouco mais longe do epicentro da cidade, não se via vivalma. O que por um lado foi bom, porque ver Veneza sem turistas é quase impossível de imaginar, mas por outro lado foi estranho e um tanto ao quanto assustador. As ruas são muito estreitas - algumas mal dão para passar duas pessoas lado a lado - e os edifícios relativamente altos, pelo que nunca se sabia o que esperar na próxima esquina; a iluminação era parca - quando havia sequer alguma - o que me fez perguntar muitas vezes a mim mesma "se estivesse sozinha, fazia isto sossegada?". A resposta é não, não fazia. A falta de luz nas ruas - algo que acontecia mesmo nos recantos mais populares e onde havia edifícios e detalhes que mereciam iluminação devida (não sei se tem que ver com alguma medida preventiva, por exemplo, devido aos insetos - uma vez que os canais são potenciais atrativos de bicharada) - não me deixava sentir totalmente segura enquanto percorria aquelas vielas, e cada vez mais este é um aspeto em que penso e reparo porque acho que, mais tarde ou mais cedo, vai chegar a altura de viajar sozinha. E para além do aspeto da segurança senti falta de iluminação por darem normalmente uma aura especial aos espaços (Paris é o exemplo perfeito disto: muito daquilo que vemos de mágico nas fotos nocturnas da capital francesa é culpa das luzes). Veneza tem as paredes em tons quentes - avermelhado,  laranja, amarelo -, algo que adoro e que me dá uma sensação de conforto difícil de explicar, mas que normalmente é ainda mais potenciado pelas luzes nas paredes e nas praças, que infelizmente aqui não existiam.

Sempre ouvi falar de Veneza como uma cidade hiper romântica mas cheguei à conclusão de que aquele é um bom sitio para os apaixonados porem os seus sentimentos à prova. Por muito bonita que a cidade seja, por muito que nos sintamos estrelas de Hollywood a andar pelos canais de water taxi e por muito romântico que seja ouvir falar italiano em qualquer recanto, há uma palavra mágica que pode estragar o encanto: humidade. Nunca tinha pensado no assunto, mas com tanta água parece-me lógico: a cidade é muito húmida, mal pomos os pés fora do aeroporto a nossa pele parece ter sido barrada por cola e nada vai tirar aquela sensação colante que temos no corpo inteiro. Não é fixe e, acima de tudo, não é sexy. E o cabelo? Só mesmo nos filmes é que ele fica lindo e impecável depois de andarem de barco, de terem apanhado com 109 pingas e da humidade o fazer parecer que não é lavado há duas semanas. Eu posso dizer-vos que mal conseguia tocar em mim própria, por isso, caso vão numas férias românticas e os vossos parceiros continuarem a agarrar-se a vós como se nada fosse, os meus parabéns: é amor.

 

CruzeiroAdriatico (15 de 436).jpg

 No water taxi, do aeroporto da caminho do hotel. Foi um daqueles momentos felizes, felizes, felizes - de alma leve, livre de preocupações.

 

CruzeiroAdriatico (67 de 436).jpg

No Vaporetto (os "autocarros" venezianos), a ir do meu hotel até à Praça de São Marcos - sensivelmente 40 minutos num barco apinhado de gente! Pagam-se 7 euros por viagem e pode comprar-se já dentro do próprio barco.

 

Agora que já disse tudo o que nunca tinha ouvido ou lido sobre Veneza (e que não são coisas assim tão más, são só detalhes que penso que muitos se esquecem de referir, talvez por haver tanta coisa boa para mencionar) podemos passar ao lado mais clássico do discurso: mais do que linda, Veneza é uma cidade diferente de todas as outras cidades do mundo. E por isso é que agora está na moda chamar a outras cidades "little Venice" e coisas do género.  Porque, de facto, como esta não há mais nenhuma.

 

CruzeiroAdriatico (142 de 436).jpg

CruzeiroAdriatico (145 de 436).jpg

As cores de Veneza. Não é o caso, mas há muitos edifícios na cidade bem degradados - o que por um lado confere história aos locais, mas por outro começa a decadência a ser demasiado óbvia (e feia) para ser algo positivo.

 

CruzeiroAdriatico (166 de 436).jpg

A Veneza calma que tanto me encantou

 

CruzeiroAdriatico (172 de 436).jpg

Pontes privadas para um hotel, ornamentadas com flores

 

Não sei explicar os sítios por onde passeei. Sei, claro, que estive na praça de São Marcos, que estive na Ponte de Rialto, que passei pela Ponte dos Suspiros e que vi o Danielli - mas aquilo que mais foi perder-me nas ruas, tentar encontrar um recanto sem tantos turistas e respirar Veneza. E consegui - e foi essa a minha parte favorita da cidade. É claro que os highlights têm uma beleza extraordinária, mas a verdade é que muitas vezes nem os conseguimos ver devidamente com tantas pessoas que lá andam - é olhar durante três segundos, posar para a foto, tirar a foto e sair de lá no meio de cotovelas enquanto outras dez pessoas já tentam ocupar o nosso lugar. Por isso, acima de tudo, adorei as pequenas pontes com flores, os recantos com candeeiros antigos, conseguir ouvir as gôndolas a cortar a água, os vasos nas janelas. Adorei a Veneza calma, a Veneza rara. Mas esses sítios eu não sei precisar num mapa: procurava-os, encontrava-os e vivia-os.

 

CruzeiroAdriatico (91 de 436).jpg

Ponte dos Suspiros

 

CruzeiroAdriatico (132 de 436).jpg

Ponte de Rialto 

 

Decidimos não entrar na Basilíca de São Marcos porque a fila dava praticamente a volta à praça e tempo não era algo que tivéssemos em abundância. Outra coisa típica que também não fizemos foi andar de gôndola: já tínhamos andado de táxi (algo que eu acho que toda a gente devia fazer pelo menos uma vez, apesar de ser caro, porque é uma sensação incrível andar nos canais tal como vemos nos filmes) e, para além disso, todos concordamos que estes barcos típicos têm um ar um tanto ao quanto tétrico - e aquilo que nós queríamos eram boas energias!

 

CruzeiroAdriatico (118 de 436).jpg

 Basilíca de São Marcos

 

CruzeiroAdriatico (126 de 436).jpg

Gôndola

 

Ficamos hospedados no hotel Carnival Palace, que fica relativamente longe do centro - cerca de meia hora a pé, indo pelo caminho mais curto. É um hotel muito atual e recente, com um pequeno almoço razoável e uma esplanada (tanto fora como dentro do hotel) muito agradável, onde escrevi um dos textos que aqui publiquei. No início achamos que o facto do hotel estar deslocalizado do centro era uma coisa má mas, no final, acabamos por gostar muito. Porque, apesar de tudo, estávamos num desses sítios calmos de que gostei em Veneza: onde nunca havia uma grande afluência de estrangeiros, onde se viam gentes típicas (vulgo velhinhas), a falar aquele italiano quase gritado que tanto gostamos de ver nos filmes e barcos que de facto faziam a cidade viver e funcionar (nunca tinha pensado que eles têm de ter ambulâncias, barcos funerários, mini-barcos frigoríficos e essas coisas todas - e é tão giro!). Mas, apesar dessa vertente funcional, Veneza continua a ser uma cidade atípica: vi pessoas que claramente eram de lá, mas não se vêem supermercados, farmácias, "bombas de gasolina" ou grandes lojas de roupa como uma cidade normal onde se possam "abastecer". Não sei se está tudo escondido, se é tudo em ponto pequeno ou se de facto essas coisas não existem na ilha e estão na parte grande da cidade.

 

CruzeiroAdriatico (45 de 436).jpg

Um barco funerário

 

CruzeiroAdriatico (506 de 17).jpg

 Uma ambulância

 

Sempre ouvi dizer mal da simpatia (ou, neste caso, antipatia) dos italianos para com os turistas mas em Veneza não o senti - fomos sempre bem tratados e eu deliciei-me a ouvir aquela língua tão bonita. Cheguei mesmo a conhecer personagens tipicamente italianas, que só faltavam fazer aquele gesto com os dedos das mãos para o caricaturarmos. Eles têm uma lábia muito própria, um saber vender característico: é tudo óptimo e magnífico, tudo o que escolhemos é bom - principalmente se for caro - e nós somos sempre "bellas" e encantadoras. A maior parte das vezes soa tudo a falso - mas não deixa de ser engraçado e não conseguimos evitar pensar "és mesmo italiano!".

Coisas em que fui reparando: não achei Veneza uma cidade muito limpa, mas a culpa não é de quem a visita - há muito poucos lixos espalhados pela cidade e a tentação de o largar algures num canto é demasiado grande, depois de se fazer ruas e ruas com o lixo na mão à espera de ver um balde. Também não há a cultura das esplanadas (a não ser em sítios específicos, como a praça de São Marcos), o que faz falta: nós tivemos mesmo de parar durante duas horas no pico do calor, senão caímos para o lado. E só dizíamos "vamos ver se encontramos um sítio onde possamos comer um gelado e sentarmo-nos à sombra". Pois sim... andamos, andamos, andamos... até encontrarmos um café, por detrás de São Marcos, onde pagamos mais por dois gelados e duas bebidas do que em muitos restaurantes se paga por uma refeição completa. Muitas pessoas também me perguntam sobre o cheiro dos canais: e eu, que sou uma cheirinhas do pior, posso garantir que não senti nada.

 

Chego ao fim deste texto e tenho medo de que pensem de que não gostei do que vi e visitei, por ter apontado tanta coisa "pior" que tanta gente despreza e não menciona quando fala de Veneza. A verdade é que adorei, apaixonei-me pela cidade mal entrei no táxi - apetecia-me quase chorar de felicidade por aquilo me estar a acontecer, só me conseguia lembrar do filme "O Turista" e do casamento do George Clooney (é parvo, não é?). Mas, de facto, acho que todas as cidades têm as suas partes boas e más e nós precisamos de as ver como um todo - e, na realidade, as palavras faltam para descrever Veneza. As próprias imagens não lhe fazem jus. Podendo, pelo menos uma vez na vida, toda a gente devia lá ir - porque acho sinceramente que não há nada assim no mundo. Para além da beleza berrante, é a diferença que nos "choca" pela positiva.

Veneza tem muito que ver sem ter muito que ver: tal como acontece em muitas cidades de Itália, as coisas bonitas encontram-se em qualquer canto, quase a pontapé. Nós passamos por elas e nem notamos - ora porque são pequenas, ora porque a envolvência e a confusão nos absorve ou porque, simplesmente, já é tanta coisa que nós já não temos olhos para tudo. São igrejas, são pontes, são portas, são fontes, são casas, são tantos detalhes... Mas dentro da sua beleza - no seu todo e no seu pormenor - Veneza é aquilo; vê-se rápido. Depois de uns dez quilómetros às voltas, acaba por ser ser mais do mesmo, já não há muitas novidades - e por isso é uma boa cidade para ir, visitar, apaixonarmo-nos e vir embora. E eventualmente voltar. Gostava muito de um dia voltar, numa fase diferente da minha vida - e sei que vou ver e viver tudo de forma diferente. Porque a cidade pode ser a mesma mas os olhos com que a vemos mudam ao longo dos anos.

Têm-me perguntado qual foi a minha cidade favorita em todo o cruzeiro e eu vejo-me à rasca para responder. Mas, se me pedirem muito, muito, muito, acho que me veria obrigada a pôr Veneza no primeiro lugar do ranking. No momento em que pus o pé no táxi, soube que parte do meu coração ia ficar lá. Não é a minha cidade como Londres - do ponto de vista de vida prática e cultural; não tem a luz de Paris, aquele som dos violinos como pano de fundo. É simplesmente Veneza, que se enquadra talvez numa área de mim talvez mais romântica, esperançosa e hollywoodesca. É toda uma categoria própria, única, acho que reservada só para esta cidade em todo o mundo. E é, por isso, um ponto de passagem obrigatório.

 

CruzeiroAdriatico (455 de 64).jpg

Na Praça de São Marcos

 

CruzeiroAdriatico (131 de 436).jpg

Rialto

 

CruzeiroAdriatico (473 de 64).jpg

Na noite do segundo dia, depois de um jantar de massa com marisco e de ser atendida por um velho tipicamente italiano

 

CruzeiroAdriatico (223 de 436).jpg

Numa ponte perto do hotel, na manhã da saída

 

CruzeiroAdriatico (242 de 436).jpg

CruzeiroAdriatico (258 de 436).jpg

 Já no barco, passando pela cidade

CruzeiroAdriatico (248 de 436).jpg

 Adeus Veneza!

11 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Também estou aqui!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2017 Reading Challenge

Carolina has read 0 books toward her goal of 15 books.
hide

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Ranking