Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

[Entre Parêntesis]

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

31
Jan18

Review da semana 26#

Carolina

Caixas de música na Conto de Fadas

 

“Quem sai aos seus não degenera”, diz o provérbio. E isso pode explicar o porquê de eu gostar de caixas de música - acho que posso agradecer à carga genética vinda da minha mãe. Na verdade não é nenhuma paixão assolapada, não perco a cabeça por um destes objetos - mas como adoro música de uma forma geral, o meu amor também se estende a estas peças, principalmente se as musicas forem do meu agrado (o que muitas vezes não acontece - acho-as normalmente repetitivas e irritantes).

Há uns dias estava no facebook e cruzei-me com um anúncio de uma loja de Viana do Castelo que vende, entre outras coisas, caixas de música. Não aquelas incríveis e bonitas, que valem mais pelo aspeto visual do que outra coisa (embora tenha algumas), mas simplesmente o realejo, com o cilindro rotativo e a pequena manivela para o fazermos “cantar”. Nunca me tinha lembrado de pesquisar estas coisas e imagino que no ebay e outros sítios que tais isto se venda ao preço da chuva, mas vi ali tantas musicas que gostava, a um preço tão simpático (menos de cinco euros cada) que mandei vir para pôr no meu quarto. 

Encomendei três: uma com a Yesterday, dos Beatles, para oferecer ao meu pai; outra com a Valse d’Amélie, do filme da Amélie, porque é talvez a minha musica preferida daquela banda sonora e às vezes atinge-me de tal forma que me apetece chorar as pedras da calçada; por fim comprei também um realejo (esse vinha mesmo dentro de uma caixa, que abre estilo livro) do Harry Potter, com o tema principal.

Aquilo que se ganha em comprar em lojas portuguesas em vez de no ebay - ainda que possivelmente se pague mais dinheiro -, para além de termos a noção de que estamos a ajudar a nossa economia e não outra do outro lado do mundo, é a simpatia com que nos tratam. Isto não é regra: há muita gente antipática e mal agradecida por aí, mas tenho tido experiências fantásticas ao nível das compras online em pequenas lojas portuguesas. Acho que as pessoas se aperceberam que muitas vezes, não podendo competir pelo preço, é no trato e nos detalhes que mora a diferença é isso sente-se. O pacote onde me enviaram as caixinhas era absolutamente amoroso, claramente feito com tempo e carinho, assim como o bilhete personalizado que estava dentro da encomenda.

É lógico que não estamos a falar de caixas de música hiper potentes ou de alta qualidade - dado o preço, não poderíamos esperar isso. Mas os produtos correspondem à expectativa e a forma como tudo foi tratado deixa vontade de comprar mais, quase como uma dose de mimo vinda diretamente pelo correio. A loja chama-se Conto de Fadas e pode ser visitada aqui.

 

IMG_9854.JPG

(a caixinha onde vinham as minhas compras)

 

24
Jan18

Review da semana 25#

Carolina

O meu mini-projetor LED

 

Esta foi uma daquelas compras em que eu quase acendi uma velinha, com medo do que vinha dali. Ainda corria Novembro, estava eu a delinear os vídeos do meu projeto de Natal, quando comecei a pensar de que forma é que os ia mostrar à família. Nós somos muitos – éramos 26 este ano – e eu não queria mostrar uma coisa que sabia que ia ser importante num ecrã de computador ou até mesmo numa televisão. Ia ficar toda a gente amontoada, o som ia ser miserável, ninguém ia conseguir ver nada direito com tantas cabeças à frente e eu pensei que a melhor forma era projetar os vídeos. Havia apenas um ligeiro problema: não tinha projetor.

Eu sabia que aqueles projetores como há na escola e nos restaurantes eram caríssimos e estava fora de questão comprar material desses quando não tinha outro objetivo para além desta utilização pontual. Fui pesquisar e descobri que há todo um mundo de mini-projetores LED à venda, alguns por menos de 50 euros. O meu tempo já não era muito e eu não podia correr o risco de mandar vir uma caixa da China, de ela demorar um mês a cá chegar e ainda ficar presa na alfândega (e eu ter de pagar um balúrdio para a tirar de lá). Tinha por isso a condição de mandar vir o material da União Europeia, por uma questão de tempo e para minorar os riscos. O problema é que, normalmente, as coisas mais baratas vêm do Oriente, por isso esta condição iria exigir-me mais pesquisa para arranjar algo bom a um preço competitivo.

Acabei por ter sorte. Encontrei um site de tecnologias que tem vários armazéns – uns na China, outros na Alemanha – e do meu top 3 de projetores, um deles tinha stock no país europeu. A medo, mandei vir. Não confio muito nestes sites estrangeiros que vendem material eletrónico a preços de saldo, mas era a minha única alternativa. E a verdade é que a encomenda chegou, direitinha, sem qualquer tipo de problemas. Assustei-me foi com o tamanho dela. Eu sabia que aquilo era um mini-projetor, mas não sabia que era assim tão mini! O projetor é mais pequeno que a minha mão, e eu não sou propriamente um gigantone. Aí voltei a ficar preocupada, mas relaxei quando o liguei e percebi que funcionava.

Aliás, fiquei surpreendida! Não é como aqueles que vemos nos sítios públicos, mas serve perfeitamente para nos safarmos destas situações. O detalhe não é genial (até porque a focagem é pouco precisa) e a distinção de cores também não é a melhor, sendo esta falha mais notória nos tons mais escuros. Mas dá um som porreiro, tem várias ligações possíveis (HDMI, USB, ligação de som) e lê vários formatos, sendo possível mostrar fotos, documentos e vídeos. Não tive qualquer tipo de problema com o formato dos filmes que coloquei (coisa rara – hoje em dia há tantos que a falta de codecs dá quase sempre problemas) e fiquei acima de satisfeita.

Curiosamente acabei por não o utilizar no Natal – o meu irmão conhecia alguém que tinha um projetor “a sério”, que deu outra qualidade aos vídeos, mas tenho a certeza que se isso não tivesse acontecido também veríamos tudo sem problemas. Arranjei-lhe uma caixinha e está guardado para outra eventualidade – talvez um dia destes transforme a minha sala num cinema ;) Ah, e não esquecer um detalhe: o projetor é amarelo, lindo, tem a minha cara. Caso queiram, comprei-o aqui, por 44 euros (portes incluídos).

 

V2344EU-1-d946-KKCk.jpg

 

17
Jan18

Review da semana #24

Carolina

Trello

 

Não sei quanto a vós, mas eu sou doidinha por listas. Infelizmente ando a desleixar-me no meu bullet journal, que devia ser a casa-mãe de todas as minhas listas e listinhas, mas mesmo na altura em que andava sempre com ele de atrelado apercebi-me que já não o usava 100% das vezes que queria apontar algo. Tudo o que eram coisas rápidas, que estavam no meu top-of-mind e que eu sabia (ou achava?) que não me ia esquecer, optava por não escrever só com a preguiça de ter de ir buscar o caderno, abri-lo, pegar no estojo, tirar a caneta, escrever e guardar tudo de novo.

Acho que já se imagina o final desta história: eu às vezes não apontava e acaba por me esquecer de algumas coisas. Como dizem os outros, de boas intenções está o inferno cheio - e eu tinha muitas, mas também já tinha uma lista mental demasiado grande para conseguir dar conta do recado. Entretanto chegou Janeiro, eu ainda nem sequer inaugurei o mês no meu bullet journal e o trabalho não abranda... muito pelo contrário. E eu sinto-me perdida, com um medo terrível de falhar, de que a memória não chegue para tudo... e por isso recorro às minhas melhores-amigas listas. Acima de tudo - mais até do que a componente organizacional - é uma forma de me acalmar, de saber que tudo o que paira na minha cabeça está assente em qualquer lado, de que não ficará esquecido e que está sempre lá mal chegue o tempo de executar a tarefa x ou y.

Lembro-me de ter esta sensação nos meus primeiros tempos no mundo laboral: vinham coisas para fazer de todos os lados, sobre assuntos diferentes, que implicavam recados para ali, tarefas para acolá, marcações na agenda, emails para uns, notas para outros... e eu sentia que o meu cérebro estava a jogar à cabra-cega, de tão perdido que estava. Na altura passou mas, nesta nova fase no trabalho, em que faço o dobro do que fazia antes, o pânico de me faltar algo voltou para me assombrar. E por isso eu voltei a utilizar uma ferramenta que tinha utilizado há cerca de um ano e meio, na altura para uma função muito específica, mas que é maravilhosa para "listólicos" como eu. Chama-se Trello e consiste numa aplicação à base de... (rufos de tambores) listas!

Podem criar vários "cartões", que é como quem diz tópicos-chave, e a partir daí recheá-los com tudo e mais alguma coisa. Mesmo dentro dos próprios tópicos podem colocar comentários, pondo notas se assim precisarem, e até anexar fotografias e ficheiros, colocar datas limite, fazer check-lists e até adicionar outras pessoas às vossas listas e tabelas, sendo por isso uma ferramenta útil também para o trabalho. Depois de feitos, arquivam os tópicos-chave ou simplesmente as tarefas neles contidas (ou movem-nas, conforme preferirem).

Tem a grande vantagem de funcionar em browser e em aplicação no telemóvel, o que faz com que tenham sempre um aparelho à mão para atualizar as listas quando necessário. Acima de tudo, é uma forma rápida, organizada e muito flexível (pelas muitas possibilidades que tem, tanto a nível das listas, como de personalização e até de partilha) de trabalhar com listas, principalmente para alguém como eu que se apoia nelas para ter sempre tudo sobre controlo e que passa a vida a escrever e a apagar coisas à medida que o dia vai passando. 

 

usecases-board05.jpg

 

20
Dez17

Review da semana 23#

Carolina

Os cheirinhos da Muji

Só os meus pais sabem – e a minha mãe em particular, porque era ela o alvo da fúria – o quanto eu detesto ambientadores, também conhecidos por “cheirinhos”. Eu sou extremamente sensível ao nível do olfato, deteto coisas à distância, e custa-me muito sentir o ar poluído com um aroma qualquer. Até porque eu acho que o sinto mais do que a maioria das pessoas e é quase doloroso.

Às vezes basta entrar em carros alheios para ficar agoniada com aqueles cheirinhos demoníacos que vêm daquelas “árvores” penduradas no retrovisor. E perfumarias? São o meu pior pesadelo. E por isso eu dispenso qualquer tipo de ambientador, velas intensas, incensos e coisas do género. Foi uma batalha cá em casa, porque a minha mãe adorava (e ainda adora) espalhar essas coisas pelos espaços e eu andava sempre atrás dela a apagar as velas, tirar os cheirinhos das tomadas e coisas assim do género.

Mas quando estive em Lisboa há um mês atrás entrei na Muji e cheirou-me a mentol. E há uma coisa que devem saber sobre mim: eu adoro tudo o cheire a mentol, cidreira e menta. Adoro chás, adoro chicletes, adoro perfumes (embora não use, porque não consigo)… tudo! E aquele aroma era tão fresco, tão real, tão disperso mas ao mesmo tempo tão intenso… era absolutamente incrível.

Dito isto, acho que já deu para perceber que quebrei uma das minhas regras de ouro: comprei um cheirinho. Aliás, dois: um de menta e outro de mentol. São daqueles líquidos, que se dissolvem em água e que com uma vela por baixo vão purificando o ar. Há umas máquinas que fazem o mesmo efeito, libertando vapor de água  – inclusivamente na Muji – mas são demasiado caras comparado com algo que tem exatamente o mesmo efeito.

Já os experimentei e tenho a dizer que são divinais. Já adorava as canetas de Muji, agora acrescentei mais um item à lista. Estou a fazer figas para que, dentro em breve, abram uma loja no Porto.

 

13
Dez17

Review da semana 22#

Carolina

Os novos bodies com caxemira da Intimissimi

 

Acho que toda a gente já sabe que eu sofro horrores com o frio - aliás, eu sou provavelmente a blogger da história que mais escreveu sobre coisas relacionadas com este tópico. Para além de me queixar do meu sofrimento graças a temperaturas aparentemente amenas ou "só-frias" que me parecem negativas, também já escrevi muito sobre a moda que não respeita as pessoas friorentas ou simplesmente sobre gadgets e produtos que foram feitos para pessoas como eu.

Tenho evitado vestir-me com 31 camadas de roupa, escolher casacos bem quentes e acima de tudo relaxar - há cerca de um ano vi um vídeo que dizia que uma das coisas que faz com que sintamos ainda mais frio é o facto de estarmos sempre muito contraídos e encolhidos, pelo que devíamos fazer exatamente o contrário. E apesar de ser difícil - eu já "sou" naturalmente encolhida - tenho tentado e, de facto, é algo que funciona. Mas não faz milagres, por isso a roupa é mesmo a arma mais forte que tenho contra este flagelo digno do pólo norte.

Também no ano passado comecei a usar bodies, clássicos, de manga caviada, para tentar contrariar o frio. É uma óptima solução para não termos de pôr uma camisola extra por debaixo do camisolão, mas a falta de mangas e o conforto das rendas e daqueles materiais mais abertos não é igual ao de uma malha. De qualquer das formas, é óptimo para nunca termos pele de fora - não há sensação mais horrível do que baixarmo-nos para apanhar qualquer coisa, as camisolas subirem e ficarmos com as costas expostas e disponíveis para congelamento imediato.

Mas este ano descobri um 2 em 1 magnífico: os novos bodies de modal e caxemira da Intimissimi. Confesso que foi através de um anúncio que vi na televisão - é verdade, nós bem que os tentamos evitar, mas eles ainda funcionam - e pouco depois fui lá a loja experimentar, para ver se de facto era tudo aquilo que apregoavam. Desenganem-se: os bodies não são de caxemira! Há uma diferença entre "ser de caxemira" e "ter caxemira" e esta peça inclui-se no segundo caso: o que não deixa de ser óptimo. O toque deles é muito macio, muito leve e fino, mas têm uma boa capacidade de aquecimento, sendo muito confortáveis e não nos deixando com aquela sensação de sermos uns pneus ambulantes. São todos de manga comprida (yey!) e há versões de gola alta e gola redonda - e ainda há, penso eu, umas camisolas feitas com a mesma malha. Só peca pela falta de cores claras, para funcionar em perfeição com todas as peças: só tem preto, azul marinho e cor de vinho.

Vou esperar que isto seja um best-seller de vendas e que eles passem a fazer diste um clássico, com todas as cores e mais alguma, tal como têm as cuecas e os soutiens. Se assim for, têm aqui uma fã incondicional.

 

body intimissimi.jpg

 

19
Jul17

Review da semana #21

Carolina

UnRoll.me

 

Confesso que até há bem pouco tempo detestava newsletters – até perceber que elas me davam jeito. Antes serviam apenas para me encher a caixa de emails de entulho (quer dizer, isso ainda acontece, porque há newsletters que não têm o mínimo propósito), mas agora uso-as para meu bel-proveito.

Acho que tudo isto começou com a newsletter diária do Observador – que, por acaso, já não subscrevo (porque me apercebi que não a lia) e que me dizia, todos os dias, aquilo que estava a acontecer no país -, que me fez abrir a pestana sobre os potenciais desta ferramenta que, achava eu, estava a cair em desuso. A verdade é que ela começou a ser tão massivamente usada que acabou por perder interesse, ao mesmo tempo que as pessoas têm cada vez menos tempo para fazer o que quer que seja. Resultado: ia sempre parar tudo ao lixo.

Para além de ver as newsletters do ponto de vista do utilizador, fui obrigada a vê-la também do ponto de vista de quem as envia: o jornal onde trabalho faz um email diário com as notícias do dia, por isso eu tive mesmo de passar a gostar desta ferramenta. Ainda duvido um bocadinho da sua eficácia mas hoje posso dizer que ainda há muita gente que as abre e eu própria sou, agora, uma fã assumida.

Mas todos nós já fomos adicionados a uma lista de emails que não interessa nem ao menino Jesus. A verdade é que vendem as nossas informações sem nos dar cavaco e nós que nos lixemos (e que façamos unsubscribe). Ao primeiro email nem reparamos e deixamos passar. Ao segundo apagamos sem ler. Ao terceiro já vai para o lixo de forma mais agressiva. Até que, depois disso, percebemos que aquele email nos está a chegar com mais frequência do que queríamos e já nos começa mesmo a chatear, pelo que procuramos o botãozinho mágico que nos deixa sair daquela lista do demónio em que nós nunca nos inscrevemos.

Pois que, há uns tempos, encontrei uma ferramenta que me permite ver todas as listas em que o meu email está inserido e… fazer unsubscribe em todos eles, sem ter de andar a procurar a palavrinha mágica em cada email. Neste caso não é matar dois coelhos de uma só cajadada: é matar muitos! E dá um jeitaço incrível, porque na verdade nem sequer sabemos metade das coisas em que estamos inscritos.

Para isso basta irem a UnRoll.me, entrarem na vossa conta de email e assustarem-se com a quantidade de coisas em que estão metidos e não faziam ideia. Penso que eles têm um limite de “unsubscribes” por dia ou por semana, por isso se não se conseguirem livrar de todo o lixo na vossa primeira visita, voltem a tentar passado uns dias. A mim, já me livrou de cerca de 100 listas de newsletters. Por isso a minha review não podia ser mais positiva. Por uma caixa de correio electrónico mais limpa! Amén!

08
Jun17

Review da semana #20

Carolina

A review da semana costuma sair à quarta-feira mas, com a falta de tempo, não consegui escrever. Vamos, por isso, fingir que ainda estamos a meio da semana e que este post é publicado no dia certo.

 

Porto Exit Games / Escape Games

 

Eu já queria fazer isto há muito, muito tempo! Mas a falta de oportunidade, conjugada com a preguiça de combinar com as pessoas e todas as logísticas que envolvem juntar grupos, gastar dinheiro e coisas que tais... fui sempre deixando para depois. Mas há coisa de um mês uma das minhas primas decidiu lançar o desafio à família e, finalmente, lá fui eu fazer um escape game!

Cá no Porto há vários, mas nós decidimo-nos pelo Porto Exit Games - em primeiro lugar porque é a mais conhecida, em segundo porque tem versões alargadas para grupos maiores. A adesão da família foi maior do que o esperado - dos que foram, nunca ninguém tinha feito, alguns já tinham ouvido falar e outros iam completamente às cegas. No total fomos 16, por isso tivemos de nos dividir por duas salas e tiramos à sorte quem ficava em qual. O primeiro grupo ficou na Porto Wine Sabotag" (com dificuldade de 60%) e o segundo (onde eu me incluía) ficou no "The Sacrifice" (com uma dificuldade de 80%). Quando me saiu o papelzinho com um 2 - ou seja, indicando que ia para a segunda sala - fiquei logo com o rabinho entre as pernas; não gosto nada de coisas que metem muito suspense ou terror e, pela descrição que eu tinha lido, esta sala era baseada nisso. Aliás, não fui só eu que, quando nos trancaram naquela sala praticamente às escuras, fiquei um bocado apreensiva. Mas correu tudo hiper bem!

Sobre a sala mais fácil não posso dizer muito, porque não sei - neste caso, o segredo está literalmente na alma do negócio e eles têm de confiar na boa fé das pessoas para não estragarem toda a piada e os enigmas do jogo. Nesse aspeto, é um negócio volátil e arriscado - mas eu acho que as pessoas se divertem tanto que tentam não matar a sua essência. Mas enfim, na minha família toda a gente se portou muito bem e não contou nada às pessoas do outro grupo - embora nos apetecesse muito falar sobre as charadas, os enigmas e tudo o que passamos naquela hora (que voou!!), nunca abrimos o bico, até porque um dia destes queremos trocar de salas e ver quem sai mais depressa.

Sobre a sala que eu fiz, posso dizer que adorei. Como éramos oito fizemos a versão extended, que eu depreendo que seja mais longa e difícil ainda, mas a verdade é que conseguimos sair a 14 segundos do fim!!! (Ai a adrenalina!!) Os outros conseguiram sair com um quarto de hora de avanço, mas a sala deles também era mais fácil. A organização aconselha a que se comece precisamente pelo nível mais baixo mas, no nosso caso, como éramos um grupo grande, tivemos de dividir. A senhora que nos recebeu e guiou durante todo o jogo foi muito simpática e divertida e confessou-nos, no fim, que achava que nós não íamos sair - porque a verdade é que para se conseguir sair é preciso desvendar um número de charadas muito elevado, não é mesmo fácil. Quando eu achava que já estavávamos no fim, pumba, mais uma nova surpresa - era sempre assim, parecia que nunca mais acabava!

Apesar do tema ser sombrio e de haver uns barulhos um bocado sinistros, assim como alguns objetos mais creepy, não há que ter dramas em fazer esta sala. Não mete medo nem há nada muito assustador, vive-se perfeitamente. E se vos estiver a dar um fanico têm sempre o botão de pânico, que abre a porta imediatamente. 

Os desafios são de todos os tipos: sensoriais, lógicos, de equipa... enfim, é óptimo para dinâmica de grupo e passa-se uma hora num abrir e piscar de olhos! Eu adorei e voltava a repetir sem dizer um "ai" e gostava mesmo muito de, num futuro próximo, fazer as outras duas salas - a mais fácil e a mais difícil, que dizem que é mesmo tramada. Aconselho vivamente a que experimentem esses escape rooms pelo país fora!

17
Mai17

Review da semana #20

Carolina

The Crown

 

Sou uma hiper entusiasta de todas as famílias reais, mas a inglesa tem, sem dúvida alguma, um lugar especial no meu coração. Adoro a rainha (tenho três mini-estátuas dela...), adoro a Kate, o William, o Harry e as pequenas crianças, claro está. Acompanho com alguma atenção os eventos onde eles aparecem, gosto de ver o protocolo, as vestimentas, os casamentos e essas coisas todas - e por isso era óbvio que ia adorar a série "The Crown", produzida pelo Netflix.

Dizer que é uma série magnifica é dizer pouco. Tudo nela é bom: os atores, os cenários, a banda sonora, a realização... já para não mencionar a fotografia, que é para lá de incrível. Mas, acima de tudo, pela riqueza de detalhes (tanto históricos como visuais). Todos nós podemos ter acesso à história, como é que as coisas se passam, mas isso não tira qualquer magia à série, uma vez que ela está tão bem feita que nos faz sentir tudo aquilo que se vivia à época.

A série tem dez episódios de uma hora e começa no fim do reinado de George VI, passando pela sua morte e consequente início do reinado de Isabel II. Isto envolve, claro está, o casamento de Isabel II com o Duque de Edimburgo, os arrufos com Winston Churchill e os problemas com a Princesa Margaret. No início de cada episódio aparecem alguns flashbacks que, muitas vezes, ajudam a contextualizar o resto do episódio - aparecem as duas princesas ainda pequenas, o não coroado rei Edward VIII (que também entra ativamente na série, sempre em alturas de confronto) entre outros momentos. Para quem não estiver minimamente contextualizado com a história da monarquia inglesa, para além da série ser potencialmente desinteressante, pode ser até um pouco difícil de entender - mas, para os restantes, é um autêntico regalo para os olhos e para a nossa cultura geral. Saber de política mundial (desta época) também pode ajudar a compreender alguns momentos.

Mas o maior elogio que eu posso fazer a esta série é o facto de ela me ter posto a pensar sobre a vida dos reis. Algo que me faça pensar a fundo sobre um assunto merece sempre a minha vénia e, neste caso, fez-me debruçar sobre algo que eu adoro há anos e sobre o qual - agora vejo - não tinha pensado devidamente. Eu, como a grande maioria das pessoas, olha por exemplo para a vida de Kate Middleton como um conto de princesas que se tornou real - nasceu plebeia, conheceu e apaixonou-se por um príncipe, casou-se numa igreja majestosa com um vestido incrivelmente lindo na presença das altas patentes do estado (incluindo a Rainha) e, se tudo correr bem, um dia terá a coroa em cima da cabeça. Parece magnífico, não é? Eu também achava, até ver esta série e perceber que tudo isso deve ser super chato.

Acima de tudo, entendi, primeiro, o quão "ridículo é ser" rainha. Não é fácil explicar isto, mas a série expoe-no demasiado bem: ter empregados para tudo, ter que ostentar uma coroa em cima da cabeça (pensem bem no assunto e imaginem-se a andar com uma coisa pesadíssima na cabeça - e pensar que isso vos dá quase todos os poderes). Em segundo, o quão difícil é executar esse papel - como deve ser difícil ser Papa, por exemplo: é uma responsabilidade demasiado grande, há demasiados deveres quando, na verdade, é só uma pessoa normal que o está executar. Estas pessoas têm de deixar de ser elas próprias para passarem a ser aquele papel; têm de se pôr em segundo lugar (ou muitos mais lugares abaixo), assim como a sua família, para não derrubar nenhum valor das instituições que governam - e na série vê-se muito bem que, por vezes, os valores colidem e há decisões que têm de ser tomadas, por muito que doa a todos os envolvidos.

É difícil explicar algo quando está tão bem feito e demonstra coisas que, de outra forma, é difícil entender. Aqui, pomo-nos nos pés de um rei ou de uma rainha. Percebemos que não é um mar de rosas, que o quem reina passa a ser Rei e deixa praticamente de ser "a Isabel" ou "o Duarte". E as dificuldades que isso traz, tanto a nível pessoal como na relação com os outros - nomeadamente a nossa família. 

A única coisa em que, nesta série, tenho algumas dificuldades é em fazer a ponte da ficção para a realidade - não a nível dos acontecimentos históricos, mas em imaginar (por exemplo) que a Rainha Isabel foi mesmo assim. Acho que nestes episódios, para além de mais bonita, a Rainha é representada de uma forma muito mais simpática e empática do que é na realidade; é lógico que eu nunca a conheci e não era viva nos anos seguintes a ela ser coroada mas, pelo que vejo agora, ela tem um semblante (ainda que ligeiramente simpático) austero e custa-me imagina-la tão querida como ela às vezes é aqui repretratada. Mas enfim, se calhar fiz uma leitura errada da senhora - ou então foram os anos que a tornaram mais amarga o que, tendo em conta tudo aquilo que passou, também não deixa de ser legítimo.

Não posso dizer mais nada. É um must see. Pelo que li, a série foi das mais caras de sempre e terá (felizmente!) uma segunda temporada, que vai dar mais enfoque no Philip do que propriamente na Rainha (o que é uma pena, mas não duvido que será igualmente interessante). Não percam!

 

blog-1482.jpg

 

10
Mai17

Review da semana #20

Carolina

O partidor de ovos ou CoisasSupostamenteInúteisQueComproNoEbay, parte 2#

 

Há uns meses tive uma insónia e, já em desespero de causa, liguei a televisão em busca de algum consolo e companhia, uma vez que o sono não estava para chegar. Calhou nas televendas. Entre fazer zapping e não fazer, vi um anúncio de uma ferramenta “partidora de ovos” e delirei com aquilo. Custava uma pequena fortuna para aquilo que fazia (podemos partir os ovos à mão e sem custos, não é verdade?) mas eu achei a ideia hilariante.

Passado uns tempos, nas minhas pesquisas por gadgets-giros-e-potencialmente-não-funcionais no ebay, lembrei-me de pesquisar pelo partidor de ovos e, como é lógico, encontrei (há alguma coisa que não exista no ebay?). Estava a um preço muito mais simpático do que nas televendas e, numa de gozo, mandei vir.

Quando chegou já nem me lembrava do que aquilo era e fiquei um bocadinho a olhar para aquele objeto estranho como um boi olha para um palácio. Quando percebi, fui a correr ter com a minha mãe – outra experiente em gadgets-de-cozinha-giros-que-servem-para-pouco – para lhe perguntar se adivinhava o que era aquilo. Não chegou lá. Ri-me que nem bandeiras despregadas enquanto lhe explicava e ela resmungava que a dita ferramenta não servia para nada.

Mas bom, eu estava era em pulgas para a pôr em prática. Ansiava pela minha próxima tarte ou bolo para levar a uma festa de família só para ter de partir ovos. Estava híper curiosa para saber se aquilo ia funcionar – e, pelo aspeto, achei mesmo que ia ser um flop. Por isso filmei a minha primeira reacção, quando estreei o partidor de ovos.

 

 

Funcionou! E funcionou tão bem que não consegui não rir – muito! – com o sucedido. No vídeo não se vê porque a peça não estava encaixada, mas pode acrescentar-se uma pecinha por debaixo do sítio onde o ovo é aberto de forma a separar a gema da clara – o que torna isto ainda mais completo e “sério” (se é que isso é sequer possível).

Já testei mais vezes e foi muito raro o ovo em que isto correu mal. É óbvio que não é uma ferramenta essencial em todas as cozinhas, as nossas mãos fazem perfeitamente este trabalho… mas tem piada. E as gargalhadas que dei enquanto abri estes ovos, já valeu os três euros que dei por isto.

Podem comprar aqui.

19
Abr17

Review da semana #19

Carolina

Suporte para telemóvel ou #CoisasSupostamenteInúteisQueComproNoEbay, parte 1

 

Há uns meses decidi encomendar um suporte para telemóvel, daqueles para pôr em cima da secretária. Há quem tenha a mania de andar a circular por aquele corredor terrível do Lidl à procura de coisas um tanto ao quanto inúteis para comprar (sim, mãe, estou a olhar para ti - e sim, também sei que estou a ser injusta, porque até há lá coisas fixes e tu até nem tens comprado muita coisa, mas isso fica para as nossas discussões domésticas); eu tenho a mania de andar a percorrer o ebay à procura de coisas giras, baratas e com utilidades duvidosas. Mas depois surpreendo-me e essa é a melhor parte de todas (e, já agora, o facto de receber coisas pelo correio - adoro receber encomendas!).

No meio das minhas expedições "ebayianas" devo ter dado de caras com este suporte para telemóvel e encomendei um para mim, para ter no escritório. E a verdade é que fiquei fã! Quando estou a trabalhar tenho sempre vários jornais abertos à minha volta, mais o bloco de notas, mais a agenda, mais o estojo e as canetas, a par do copo de café e a carteira e... enfim. Resumo: o telemóvel ficava sempre perdido naquele caos todo e sempre que precisava dele quase que tinha de pedir para me ligar.

Agora não. Fica ali em pé, mesmo ao meu ladinho. Para além de agora ter um sítio fixo para o pôr e de já não ter de fazer autênticas expedições na minha própria secretária, vejo com muito mais facilidade todas as notificações que me caem no telemóvel (que, como pessoa pouco popular que sou, se resumem praticamente a coisas o género "Cebolas já estão prontas para ser colhidas", do Star Chef - sim, porque eu continuo a jogar!).

A verdade é que passado pouco tempo encomendei um para o meu chefe e vi-me obrigada a mandar vir mais um para mim, para ter em casa. Dei por mim a trabalhar no meu quarto e a sentir falta de ter um sítio fixo para o telemóvel, mesmo ali à mão de semear. Virei fã. 

Podem mandar vir do ebay aqui. Chega relativamente rápido, vem super bem acondicionado e, no meu caso, tornou-se o meu melhor amigo contra expedições-demoradas-e-inúteis-numa-secretária-inundada-de-papéis.

 

DSC_0205.JPG

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Também estou aqui!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2017 Reading Challenge

Carolina has read 0 books toward her goal of 15 books.
hide

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Ranking