Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

[Entre Parêntesis]

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

11
Dez17

Sou uma fã controlada de Game of Thrones

Carolina

Detesto ser uma info-excluída. E, como tal, há coisa de um ano comecei a ver Game of Thrones. Isto porque sempre que passa uma nova temporada o meu facebook tem, post-sim-post-não, algo relacionado com a série; nos ajuntamentos de família a malta da minha idade só fala da Daenerys, da Sansa e do John Snow - e o mesmo acontece com os poucos amigos que tenho. E eu detestava não perceber nada daquilo, não conhecer os nomes nem a história, por isso só tive uma solução: começar a ver a série.

Há um ano vi duas temporadas de uma só assentada mas entretanto parei. Já antes disso tinha comprado os dois primeiros livros da saga e disseram-me que se eu começasse a ver a série nunca mais ia pegar neles, pelo que esperei que uma vontade divina de ler me assolasse a alma... mas não aconteceu. Os livros continuam ali, intocáveis, até porque não tenho lido praticamente nada e não tinha qualquer força de vontade de ler algo "mastigado". 

O ano foi passando, sem grandes notícias da série, mas quando chegou o verão... boom. Eram spoilers por todo o lado, a mesma quantidade incrível de entrevistas e artigos no meu mural do facebook, conversa entre-cruzadas de pessoas sobre as personagens e as ocorrências dos últimos episódios e eu ali parada na segunda temporada, sob as perguntas impressionadas das pessoas: "mas ainda só vais aí?".

E pronto, fiz-me ao caminho. Vi a série toda. E sim, gostei, mas não consigo sentir aquela maluqueira toda que as pessoas parecem transparecer. Um amigo meu dizia e eu acho que tem razão: o facto de eu ver a série de uma assentada, de ter os episódios ali à minha mercê, de os poder ver quando quiser e nas quantidades que bem me apetecer, tira um bocado a piada, a essência e a magia daquilo. Porque, na verdade, muito do que é Game of Thrones faz-se pela espera, pelo suspense, pelas expectativas - principalmente tendo em conta que as temporadas são curtas e o tempo de espera entre elas é longuíssimo. 

Durante todos estes anos em que não vi a série também fui "recolhendo" spoilers (algo que, confesso, não me afeta muito...), pelo que já sabia quem sobreviveria à matança submetida pelo George R. R. Martin, apesar de não saber porquês nem o decorrer da história. Talvez por isso nunca me afeiçoei a nenhuma personagem que tivesse sido morta nem nunca fui arrebatada pela violência de um episódio. Simplesmente era aquilo e eu aceitava-o, sem grandes revoltas ou espantos - o que pode ser normal em qualquer outra série, mas nesta é no mínimo estranho.

Isto pode querer dizer que não vivi a série da melhor forma - ou, pelo menos, da forma clássica - mas foi o que foi. Acho-a fenomenal e aconselho-a a quem goste do género, embora a ache pesada em muitos aspetos. Vi sempre os episódios antes de dormir e por vezes dava por mim a pensar "se calhar não devia ter visto isto, ainda vou ter pesadelos". Nunca aconteceu. Pelo meio desenvolvi uma paixoneta pelo John Snow (devia ter juízo, não é?) e agora espero ansiosamente, tal como os comuns mortais, pela última temporada. Acho que só aí é que vou poder viver isto com a intensidade com que todos os outros viveram até agora. Ou então não... talvez eu simplesmente já não me surpreenda com nada do que vem daquela mente terrífica do George R. R. Martin. A ver vamos. 

11
Nov17

Web Summit: o rescaldo final

Carolina

Acho que antes de começar este post devo fazer um disclaimer: em primeiro lugar, eu não paguei para ir ao WebSummit - como sou menor de 23 (ou 25? anos), o bilhete foi-me oferecido devido a uma promoção que na compra de dois bilhetes normais dava outro para um "entrepreneur"; em segundo lugar, fui lá como mera adepta das novas tecnologias e do conhecimento geral - há poucas coisas sobre as quais não goste de aprender e dada a vasta quantidade de talks disponíveis, achei que seria interessante e que enriqueceria a minha bagagem; em terceiro lugar, nunca esteve nos meus planos conhecer startups, (porque não ia investir nem escrever sobre elas) nem pessoas - o que, depois de lá ter estado, acho que é o core deste evento.

 

"O problema não és tu, sou eu". Acho que esta frase, tão comummente usada para terminar relações pelos quatro cantos do mundo, se aplica na perfeição no que diz respeito à minha visão da Web Summit. Acho que ficou patente no meu primeiro texto sobre o evento que eu não estava a adorar e a verdade é que, quando saí, não passei a gostar mais do que no primeiro dia. Não fui feita para viver em ambientes caóticos, cheios de gente, com barulhos e estímulos vindos de todos os lados. Mas era expectável que um evento com mais de 50 mil pessoas, metidas em cinco pavilhões, fosse assim: eu é que fui naive ao ponto de não me lembrar disso.

Acho que vale a pena ir quem, de facto, estiver interessado em conhecer parceiros de negócio. Mas é muito importante saber-se concretamente aquilo que se quer e ao que se vai, porque a oferta é tanta que, se não segmentarmos bem a coisa, o mais provável é passarmos o tempo entre vai-e-vem's. Eram imensos os balcões de startups, sobre tudo e mais alguma coisa, em que cada micro-empresa só tinha prá'i um metro quadrado para ter as suas coisas, o que tornava aquelas zonas sempre em sítios super caóticos. Para além disso, havia os stands das grandes empresas, que devem pagar balúrdios para lá estar. Eu sou sincera: não percebo muito bem o que é que muitas entidades estão lá a fazer, de um ponto de vista prático. Acho que a ideia é só estar presente no evento, marcar um X, gastar um dinheirão e depois voltarem de novo para as suas vidas.

Isto é o que acontece, aliás, com a maioria das pessoas. Percebe-se perfeitamente que muita gente está lá para fazer parte daquilo - basta ver a quantidade de pessoas que andava a fazer diretos enquanto passeava pela feira ou simplesmente esperavam que as filas da segurança andassem. Eu, como pessoa que fui lá para conhecer o evento mas principalmente para ver as talks, digo sinceramente que preferia ter ficado em casa. Foi giro conhecer, foi giro ter um badge com o meu nome e uma pulseirinha para o evento mais falado do ano, mas quando percebi que todas as talks a que fui - ou que queria ter ido - estavam no facebook, com uma qualidade de áudio e de imagem dez vezes melhor do que eu presenciei, arrependi-me um pouco das horas e do cansaço que ali dispensei. Acho que podemos comparar isto a um jogo de futebol: se quiserem sentir a adrenalina e a emoção, vão ao estádio; se querem ver tudo na mesma (ou ainda melhor) e estarem confortáveis, com opção de puxar para trás, parar para ir à casa de banho ou pôr o som mais baixo, enquanto estão sentados no sofá com uma mantinha nas pernas, ficam em casa. Isto sem esquecer a parte monetária: poupam umas boas coroas se decidirem ver as coisas à distância.

É difícil arrependermo-nos de coisas que queríamos mesmo fazer. Eu estava entusiasmada para ir, queria muito ouvir certas coisas, e por isso não estou triste por ter metido uma semana de férias para ir para a capital. Olhando para trás, confesso que não aprendi grande coisa: para além das talks serem muito superficiais, muitas vezes saíam dos tópicos iniciais - e nunca dava para fazer uma "pescadinha de rabo na boca" porque o tempo era tão pouco que nunca dava para fechar o ciclo ou tirar grandes conclusões. Outra das coisas que esperava e não aconteceu foi sentir-me inspirada: estava confiante de que ia ouvir histórias de empreendedores, de negócios ou histórias de vida que me inspirassem a fazer mais, mas nunca aconteceu. Ouvi muitas pessoas a falar, algumas muito interessantes, mas nunca me caiu o queixo de espanto - pelo contrário, estive mesmo para passar pelas brasas em algumas (sabem aqueles momentos em que os vossos olhos estão a fechar e vocês dizem expressamente ao vosso cérebro que isso não pode acontecer?). 

E porquê que nessas conferências, eu que eu já não ouvia nada, não me ia embora para outras que mais me interessassem? 1) Porque só para sair de um palco podia demorar dez minutos, tal era a quantidade de pessoas que estavam em pé atrás das cadeiras e que formavam uma barreira difícil de transpor; 2) porque contando o tempo que demorava a sair de um palco e chegar a outro, a conferência que me interessava já estaria a acabar; 3) porque por vezes somos obrigados a fazer escolhas chatas - e se eu queria estar numa talk, naquele palco, que não era imediatamente a seguir mas apenas 20 minutos depois, mais valia aguentar e esperar. Isto fez com que sacrificasse muito do que queria ouvir e ver - no primeiro dia não me apercebi disto, tentei andar sempre de um lado para o outro, qual barata tonta, mas não há hipótese senão fazer escolhas e sacrificar outras se não queremos acabar o dia com as pernas em gelatina e a cabeça em água. 

Para pessoas como eu que vão para lá para conhecer, para aprender e centrar-se em talks, aconselho a que fiquem em casa. No final do dia, depois de ouvir dez ou doze conferências, estava arrasada e sentia que tudo aquilo que tinha ouvido tinha caído em saco roto: e olhando à minha volta, com toda a gente a mexer nos telemóveis, penso que não era a única. O evento é giro em teoria, mas na prática - e a menos que sejamos supersónicos - não conseguimos disfrutar nem de metade.

Reafirmo o que disse no início: acredito que estes sejam dias de ouro para startups, investidores e entendidos. Para pessoas "normais", e julgando por tudo aquilo que vi (pessoas sempre na conversa ou nos telemóveis, sempre imensa gente nos espaços comuns e de come e bebes) tenho as minhas sérias dúvidas. Acho que é fixe fazer parte do Web Summit, é incrível as massas que aquilo aquilo movimenta, o dinheiro que traz ao país, o movimento que leva para a cidade, o investimento que atrai, os conhecimentos que proporciona: e é por isso que tanta gente vai. Eu também fui, vou guardar a minha credencial na caixa das recordações e relembrar estes três dias com graça. Mas uma coisa é certa: não volto.

07
Nov17

As minhas primeiras impressões sobre o Web Summit

Carolina

Pois é: estou em Lisboa, para a cimeira tecnológica mais popular do universo. Depois de no ano passado ter ficado com alguma pena de não ter vindo, desta vez pude vir e estava com as expectativas em alta. A minha ideia era explorar o Web Summit ao máximo, mas também tirar o maior partido do meu tempo na cidade. Para já, fiz mais a segunda parte. Porque relativamente à primeira, tenho três palavras para vos dizer: UM. CAOS. COMPLETO!

Cheguei ontem à hora do almoço e fui fazer o registo, até porque tinha uma entrada para a Opening Night - onde acabei por não ir. Há uma constatação mais que óbvia: a organização é uma desgraça e podia ser muito melhor com pequenas coisas como cartazes ou pessoas informadas; formam-se filas que ninguém sabe bem para o que são e só se sabe que o nosso sítio não é ali dez minutos depois, as pessoas do evento não sabem dizer onde são os palcos ou zonas específicas do evento, o som durante as talks era muitas vezes miserável e os atrasos inaceitáveis quando se tratam de apresentações de 20 minutos que encadeiam umas nas outras. Para além disso, um detalhe que a mim me chateia e me entristece é ver centenas de voluntários em funções que deviam ser claramente pagas, como a registar pessoas ou a carregar os sofás para cima dos palco de cada vez que mudam os painéis.

De uma forma geral, como já se puderam aperceber, não fiquei muito impressionada. Gostava de dizer que todas estas desvantagens compensam com a qualidade das talks e das empresas presentes, mas o caos é tanto que nem sempre é fácil fazer uma avaliação isenta das coisas. Acho que depende também muito das pessoas: a mim as multidões stressam-me, deixam-me nervosa. Não estou sozinha no Summit mas ando, maioritariamente, sem companhia - não tenho a quem me agarrar, conversar ou descomprimir, por isso a minha vontade, como boa anti-social-desesperada-no-meio-de-70-mil-pessoas-a-tentar-fazer-networking, é aninhar-me a um cantinho e esperar que o barulho passe. Mas não passa. E eu vim para aqui por vontade própria e preciso de arranjar outra forma de lidar com os problemas sem ser em posição fetal. Por isso mentalizei-me de uma coisa: "estás sempre livre de sair". E foi assim que o dia correu - comigo stressada e a balançar esse estado de nervos com pensamentos apaziguadores como "não te preocupes que tens o oceanário aqui ao lado caso queiras silêncio". Aguentei-me histoicamente.

Como não vim para aqui em trabalho, mas sim como uma pessoa interessada em tudo o que é novas tecnologias, estava mais virada para as talks - podia dar uma volta nas startups e nos stands, mas não era a isso que pretendia dedicar o meu tempo. Preparei o meu horário, com bastantes mais coisas do que podia ver na realidade, e daquilo que vi e passeei já tirei algumas conclusões: 1) gosto muito mais de apresentações de uma só pessoa do que conversas moderadas por jornalistas - sinto que as primeiras já estão preparadas para agarrar o público, enquanto que os debates acabam por não ser tão pensados e por isso potencialmente menos interessantes; 2) o Altice Arena é, sem dúvida, o melhor local para as conferências porque têm o número de lugares sentados ideal, assim como condições de som e imagem; 3) a zona de comes e bebes é aparentemente grande, mas fica completamente lotada em horas de ponta - de tal forma que eu saí do recinto e fui ao Continente buscar uma baguete; 4) as melhores conferências são, às vezes, aquelas que não esperamos, por isso vale a pena dar uma hipótese.

Pontos a realçar de hoje: gostei muito do José Neves, da Farfetch, sobre o qual tantas vezes já escrevi; vi o Triple H no Altice Arena - não se pode dizer que tenha sido um sonho de infância, mas quase... tive muitos throwbacks com os tempos em que gostava de ver wrestling; duas das apresentações de que gostei e que não estavam nos meus planos eram com uma senhora do hotel Hilton (que falou da aplicação inovadora que têm) e o brand guy da Shell - fiquei muito bem impressionada, pela positiva. Ainda assim, uma das melhores coisinhas de hoje foi ter chegado ao hotel, tirado as sapatilhas e pôr os pés para o ar. O Web Summit pode ser fixe, mas não deixa de ser uma feira (lembrei-me bem dos meus dias em Munique)... e as feiras cansam pr'a carago. 

Vemo-nos amanhã, com as expectativas reajustadas e com um novo embate da realidade. Em caso de desespero, já sei: tenho sempre o oceanário ali ao lado. No final dos três dias faço um balanço que, tal como este post, não deixará de ser menos caótico que o próprio Web Summit.

 

IMG_8932.JPG

 

02
Nov17

Em busca da francesinha perfeita 9#

Carolina

Adorava dizer que esta rubrica está morta porque eu me deixei de gulodices e passei a ter uma alimentação espetacularmente saudável. Mas não. A verdade é que deixei praticamente de comer francesinhas. Sou aquele género de pessoa que está sempre a dizer (e a pensar) “estou tão gorda” e estar a comer francesinhas que não me sabiam bem só aumentava o meu nível de desespero.

Sempre gostei bastante desta iguaria portuense e acho que, desde que me lembro de comer como gente grande, nunca tinha passado tanto tempo sem comer uma francesinha. Este ano devo ter comido umas três, o que bate um recorde mínimo nunca antes alcançado.

Porque a verdade é que comia e não me sabiam bem – ou, se sabiam, deixavam-me maldisposta a seguir, com o fígado a gritar por misericórdia depois de tanto molho inglês. Há mais de dois anos que não comia uma francesinha que não fosse demasiado picante, que não tivesse o bife mais fraco que se encontrava no talho, cujo pão fosse rijo e crocante e as carnes de boa qualidade.

Mas neste feriado decidi fazer mais um tentativa, sacrificando mais uma vez as minhas ancas em prol desta causa. E talvez tenha resultado. Gosto de pensar que, em parte, a culpa é do sítio.

 

Francesinha 9#: A Marisqueira do Porto (antigo Gambamar)

A Marisqueira do Porto abriu há pouco mais de um mês num sítio, para mim, muito especial: o antigo Gambamar, onde aprendi a gostar de francesinhas e onde havia, para mim, as melhores de todas. Esta rubrica surgiu quando o restaurante fechou e eu fiquei “órfã” de francesinha, por isso esta nona tentativa representa quase o fechar de um ciclo.

Estava bastante esperançosa. Conheço o dono, que me disse que elas eram boas, e que quem as fazia tinha vindo d’A Regaleira (que, para quem não conhece, é a criadora deste “petisco”). Tudo era um bom prenúncio e veio a concretizar-se.

Acima de tudo, e deveras importante, o picante não se sobrepunha a nada; não era demasiado intenso, não queimava o paladar, não deixava o estômago a roncar horas depois. O molho é, aliás, um pouco para o adocicado.

Mas a melhor maneira de descrever esta francesinha é dizendo que ela é “rica” e “pesada”. É muito grande – eu já não sou o que era, porque há dez anos comia o prato inteiro enquanto o diabo esfregava um olho, e agora deixei parte da comida no prato, porque já estava a arrebentar pelas costuras – mas muito bem constituída, com muito boas carnes. E o bife era excecional, com uma altura bem razoável, saboroso e tenro, tal como se quer.

Vem com o típico camarão por cima (eu, por acaso, dispenso) e um cestinho de batatas fritas. Ao todo, dez euros.

O veredicto não podia ser mais positivo. Dado o preço que se paga por aí, num simples café, por uma francesinha… penso que a relação preço/qualidade desta é, até, muito aceitável. O restaurante é muito agradável, tem estacionamento e fica no coração do Porto, por isso não se pode pedir mais. Foi das melhores francesinhas que comi desde que comecei esta rubrica e é óptima para quem gosta de bem enfardar. Estou contente e prometo voltar.

 

image1 (1).JPG

 

23
Out17

Roma, a cidade imponente

Carolina

Já diz o ditado: Roma não se fez num dia. E, por isso, também não se visita em 24 horas... e muito menos em cinco! Mas eu tinha de tentar. A capital italiana foi a última paragem do cruzeiro que fiz e eu tinha voo nesse mesmo dia, o que significa que tinha cerca de cinco horas para "ver a cidade". Aqui não tivemos grande escolha: a tour era a nossa única alternativa se não queríamos ter problemas. O porto não é mesmo em Roma, mas sim em Civitavecchia, que fica a quase uma hora de distância do centro da cidade; já o aeroporto fica a cerca de meia hora das principais atrações turísticas. Para além disso ainda tínhamos as malas: eram três e pesavam todas mais de vinte quilos, por isso não davam propriamente para andar a passear. Ou seja: entre transferes, logísticas com as malas (guardar, pagar, ir buscar, carregar) e outros possíveis problemas, o tempo para passeio iria ser escasso (e sofrido, porque iríamos estar sempre preocupados). Esta foi, por isso, a primeira tour que compramos (e já estava praticamente esgotada!) para não haver problemas ou imprevistos. No final, comprovou-se que foi a melhor opção, até porque o cansaço já nos estava a transformar em crianças birrentas: o dia de desembarque é duro e longo - às 7 da manhã já estávamos fora do barco, o que fez com que às 6.30h já nos estivessem a correr dos quartos e que às 6h o pequeno almoço já tivesse quase tomado.

Agora vamos lá ser diretos: eu não visitei Roma. Eu vi um bocadinho da cidade (o outro bocadinho que podia ter visto passou-me ao lado, porque adormeci no autocarro). Do que vi, gostei muito e é de certeza uma cidade a visitar. O meu pai chamou-lhe "a cidade dos toldos", porque todas as casas e lojas tinham toldos para proteger do sol - já eu, apesar de não lhe ter dado nome, achei-a uma cidade muito jovial e alegre, principalmente nas zonas da margem do Rio Tibre, que me conquistaram à primeira vista.

No fundo, só fomos a dois locais, dois pesos pesados do turismo: a Basílica de São Pedro e o Coliseu - até porque ir a Roma e não ver o Papa é coisa grave de se fazer. Não vimos Sua Santidade, mas foi como se víssemos: na altura em que fomos deixaram de fazer missas na praça, porque o calor era tanto que as pessoas, ao esperarem, desfaleciam e havia episódios menos felizes que todos queriam evitar. Se não estou em erro, só ao domingo é que o Papa aparecia na janela do seu quarto para acenar às pessoas - e não foi esse o dia em que nós lá fomos.

Apesar disso, tivemos uma hora à espera para entrar na Basílica - parte do tempo ao sol. Deu tempo para tirar as medidas todas ao espaço, apreciar tudo, ver as coisas com bons olhos e tirar fotografias para dar e vender. Aqui a questão não é de bilheteira, porque a entrada é grátis, mas sim do controlo que é feito à entrada: tudo tem de passar no raio-x, o que atrasa imenso o processo. Penso, aliás, que também é este o propósito: para além de ser mais seguro, faz com que a entrada dos turistas seja mais lenta e não encha a Basílica, nunca estando o espaço de tal forma cheio que se torna intransitável.

Uma coisa curiosa: eu imaginei que a praça fosse muitooo maior! Quando a vemos na televisão, com gente até arrebentar pelas costuras, parece uma coisa enorme: mas, na verdade (e na minha cabeça) é bastante mais pequena do que parece. Nessa altura ainda não tinha ido a Fátima (curiosamente fui umas duas semanas depois) e pude perceber que Fátima acaba por ser muito maior - até porque na praça do Vaticano há umas "pérgulas" que a circundam, acabando por reduzir de alguma forma o espaço, enquanto que em Fátima isso não acontece. Mas só aí é que este espaço pode ser comparado com o português: porque em tudo o resto (arquitetónicamente falando) é mais rico.

 

CruzeiroAdriatiMedit (823).jpg

Na praça de São Pedro

CruzeiroAdriatiMedit (832).jpg

Estátuas na orla da Praça de São Pedro

 

Podem-se tirar fotos à vontade dentro do espaço porque nada é pintado em frescos, não havendo riscos das pinturas se estragarem: no entanto, há uma grande rigidez relativamente às mochilas (têm de estar na frente) e, acima de tudo, ao facto dos ombros terem de estar cobertos. Estava um calor dos ananases e eu não tinha nada com que me cobrir, por isso comprei um lenço na praça enquanto esperava.

Eu adorava falar-vos da Igreja mas, honestamente, faltam as palavras. Eu situo-me entre o agnóstico e o ateu, por isso quase todos os rituais e simbolismos da igreja católica me passam ao lado - mas, felizmente, tenho olhos para ver e gosto muito de igrejas devido à sua beleza arquitetónica. E a Basílica de São Pedro é o expoente máximo de tudo o que já vi na vida, não há fotos que lhe façam jus. Enquanto esperava e derretia na fila, pensei sinceramente se toda aquela espera era merecida: e, de facto, é. Visitei (até durante o próprio cruzeiro) igrejas de tirar a respiração, mas a imponência desta é qualquer coisa de espetacular. É tudo tão grande, tem tanto detalhe, tem tanta riqueza junta... que de facto se torna difícil descrever por palavras ou sequer por imagens. É obrigatório ir lá e ver. Independentemente das crenças ou da religião, é um edifício de uma imponência indescritível. Fiquei de boca aberta.

 

CruzeiroAdriatiMedit (836).jpg

O teto à porta da Basílica

CruzeiroAdriatiMedit (839).jpg

A sublime Pietà, de Miguel Ângelo - quando pensamos que ele esculpiu esta peça aos 23 anos, sentimo-nos verdadeiramente inúteis e despidos de talento...

CruzeiroAdriatiMedit (854).jpg

Nunca estive tão feliz dentro de uma igreja ;)

 

A nossa guia era muito simpática e estava sempre a impulsionar-nos a ver as coisas de perto e explorar a Basílica. Dizia "estiveram uma hora ali fora à espera, agora merecem ver tudo! Tirem fotos, observem, toquem!". Para mim, foi uma autêntica salva-vidas: sinto que o ramo da religião é um dos meus pontos fracos em termos de cultura geral. É um tema que, à partida, não me desperta muito interesse e por isso tenho muita dificuldade em reter a informação: ouço falar sobre o assunto, estou atenta, mas passado pouco tempo já não me lembro de nada. Para além disso, como nunca fui a missas ou tive catequese, o meu background religioso baseia-se apenas na cultura geral e nas discussões aqui de casa.

Foi por isso muito útil ouvir todas as explicações dela relativamente à igreja e a tudo o que estava lá dentro: as esculturas, o altar, o chão, as cúpulas, as paredes, o altar. Mais uma vez, lembro-me de pouca coisa, mas gostei muito e aprendi (ainda que levemente) uma série de coisas que antes desconhecia. 

Infelizmente, devido à nossa falta de tempo berrante, não conseguimos visitar a Capela Sistina...

 

CruzeiroAdriatiMedit (861).jpg

O topo do Baldaquino

CruzeiroAdriatiMedit (872).jpg

Uma visão mais ampla do espaço - que, apesar de estar cheio de turistas, é tão grande e tão alto que tudo parece dispersar-se

CruzeiroAdriatiMedit (880).jpg

Teto da Basílica

 

Depois seguimos para o Coliseu. Apesar das filas serem grandes, como éramos um grupo e já tínhamos os bilhetes pré-comprados, passamos à frente de todo aquele caos e entramos diretamente. Penso que só uma palavra pode descrever este edifício: imponente. Como é que uma coisa construída há praticamente dois mil anos continua ali, de pé, com aquela estrutura magnânime? Quantas pessoas já terão passado por ali, pisado aquelas pedras? Pessoas de épocas tão diferentes da nossa, onde nada era igual... enfim, o peso da história neste edifício é algo difícil de descrever. 

 

CruzeiroAdriatiMedit (884).jpg

À entrada do Coliseu

 

É incrível fecharmos os olhos e imaginarmos o que se passou ali - o povo aos berros, os leões esfomeados, os gladiadores a tentarem degolar-se mutuamente. É um peso que, naqueles segundos, carregamos nos ombros e que é corroborado com todas as histórias que ouvimos dos guias ou em documentários ou na internet. Eu já queria ter ido ao Coliseu há muito tempo, sempre adorei a história por detrás do edifício, mas só quando lá vamos é que conseguimos "entrar" dentro dela - vendo as bancadas, as arcadas, os subterrâneos. Se não fosse o caos provocada pelo movimento e pelo barulho dos turistas, seria muito fácil viajarmos no tempo e imaginarmos o que aquilo teria sido durante o Império Romano - porque o estado de conservação ainda é tão incrível que basta ter um bocadinho de imaginação para as coisas acontecerem por debaixo dos nossos olhos.

 

CruzeiroAdriatiMedit (901).jpg

 Coliseu

CruzeiroAdriatiMedit (907).jpg

Uma visão global do Coliseu - foto tirada do primeiro andar

 

As catacumbas não se podem visitar, mas pode-se subir ao primeiro andar e ter uma visão mais ampla do espaço. Nessa altura, depois de lá chegar, já estamos ofegantes devido à subida íngreme das escadas, mas ao olharmos para aquela vista perdemos definitivamente a respiração: a magnitude do Coliseu é incrível e merece ser vista, pelo menos, uma vez na vida. Preferencialmente com tempo (algo que eu não tinha), com um bom guia e numa época onde não existam tantos turistas como em pleno Julho. 

A viagem de regresso a Roma não está marcada no papel, mas já está na minha cabeça. É inconcebível não lá voltar. Foi uma passagem breve, mas também foi só um até já.

10
Out17

Há um equilíbrio possível entre o turismo e as gentes da cidade?

Carolina

O meu facebook está inundado com uma notícia sobre um alfarrabista portuense que foi despejado do local onde estava há quase duas décadas, na Rua das Flores, aqui no Porto. A razão? O prédio foi vendido e querem pô-lo fora para fazer render o peixe. Para quem não conhece, a Rua das Flores é atualmente uma das mais movimentadas da cidade, cheia de lojas, restaurantes, bares e tasquinhas - a maioria vocacionadas para turistas, como é óbvio. É uma rua pedonal que, como quase todas as ruas, estava deserta há pouco mais de cinco anos. Hoje em dia desenvolveu-se de tal forma que, por vezes, não se consegue andar normalmente sem atropelarmos meio mundo e a calcarmos outro meio.

Há duas posições que quero deixar aqui claras: a primeira é a minha "admiração" perante um feed de facebook tão culto e intelectual. Eu não conheço o alfarrabista em questão, mas aparentemente toda a gente o conhece - ou, pelo menos, finge que conhece (esse e muitos outros...)! A verdade é que eu, que adoro livros, raramente entro em lojas deste género - não sei bem explicar porquê, mas sinto que há um maior sentimento de pertença por parte dos donos e por isso sinto-me um pouco "vigiada", não sei explicar. Por outro lado também sinto que está tudo mais apertado, é mais difícil encontrar o que quer que seja, por isso desisto com facilidade de encontrar algo que me agrade. Ou seja, surpreende-me que eu, que gosto de ler, não conheça estes sítios mas metade do facebook sim. Mas ainda bem, é sinal de que somos todos muito cultos e que queremos que a cidade continue super intelectual (cof cof cof).

A segunda questão que quero deixar evidente é que, como é óbvio, não apoio este tipo de atos. Tenho muita, muita pena que o comércio local esteja a desaparecer e a dar a vez a lojas de souvernirs, Nut's e coisas do género - porque eram essas lojas que também faziam do Porto, o Porto e o seu desaparecimento é também o esquecimento de uma identidade muito própria e muito nossa, com a qual me identifico quando digo que sou "uma mulher do norte". Mas a hipocrisia que se vive nas redes sociais é coisa para me irritar. Porque a verdade é esta: se o alfarrabista em questão fosse um sucesso, se vendesse imensos livros, não tinha de sair, porque provavelmente conseguiria pagar a renda pedida pelos novos donos - ainda que seja provavelmente absurda, dado os preços impossíveis que se praticam hoje em dia na cidade.

Mas não vende. Porque nós queremos as lojas lá, porque são bonitas, porque fazem parte da nossa identidade, mas não as apoiamos, não compramos lá coisas - e eu contra mim falo, como se leu acima. Porque nós somos práticos e preferimos mandar vir os livros da net, onde muitas vezes podemos ler o primeiro capítulo do livro que nos interessa sem estarmos a ocupar o corredor de uma loja e ter a obra em mãos em dois dias úteis sem termos levantado o rabo da cadeira. Porque nós adoramos as lojas de ferragens ali na zona de Ceuta, mas quando precisamos de uns parafusos vamos ao Leroy Merlin, onde até aproveitamos para comprar o tapete da casa de banho que fazia falta. Porque nós achamos imensa graça aos joelheiros na baixa do Porto, mas quando precisamos de um anel para oferecer às nossas mães vamos ao NorteShopping porque há mais variedade. Porque nós gostamos imenso daquele tasco na Rua dos Caldeireiros, mas arranjar estacionamento lá é uma loucura e por isso preferimos ir ao Madureira's que oferece o bilhete do parque lá ao lado. Porque nós simpatizamos com a senhora da frutaria ali ao pé do trabalho, mas esta semana o Continente está com 15% na secção de fruta fresca por isso temos de ir aproveitar. Porque aquelas lojas de artigos em segunda mão na Rua do Almada também têm boas pechinchas... mas para quê comprar um armário que ainda vamos ter de lixar, limpar, pintar e envernizar quando podemos comprar um no IKEA pelo mesmo preço? 

É muito fácil criticar o estado, o governo e as políticas quando somos incapazes de olhar para o nosso próprio umbigo. As coisas não acontecem por acaso e a evolução que estamos a assistir não aconteceu só graças aos estrangeiros, mas também por nossa causa. As gerações mudaram, as necessidades e os hábitos são outros. Nas redes sociais e nos blogs pede-se mudança, uma política que proteja os habitantes das cidades - e, meus amigos, eu compreendo e concordo! Principalmente quando demoro meia hora a percorrer um quilómetro de carro na baixa, só porque a afluência de turistas a passar nas passadeiras é de tal forma que não dá folga para os veículos circularem. Mas não se pode ter tudo. E eu acho que, neste caso em particular, não há um equilíbrio - havemos de ter passado por ele no meio de todo este processo, mas há muito que a balança se desequilibrou. Porque isto é um ciclo vicioso difícil de quebrar: o turismo gera emprego, algo que nós precisamos de como pão para a boca; o crescimento do emprego faz dinamizar a economia, que por si só atrai investimento e por aí fora. E o dinheiro, como quase sempre, está primeiro que as pessoas. É "apenas" o mal estar de alguns, enquanto muitos outros esfregam a barriga de contentes. E enquanto forem mais os que estão contentes do que aqueles que são despejados, que são obrigados a ir viver nos suburbios ou os que não conseguem dinheiro para uma renda, as coisas vão continuar assim. 

Eu amo a minha cidade e adoro vê-la dinamizada - já disse aqui várias vezes que me lembro de ver o Porto morto, deserto e de ficar triste ao ver aquele cenário. Mas sabem: mesmo aí, as coisas estavam prestes a fechar. Porque nessa altura, nem nós comprávamos no comércio de rua, nem os turistas - porque eles simplesmente não existiam. E por isso é ainda mais difícil comparar esses tempos com os atuais, decidir o que é melhor para nós enquanto habitantes.

O ideal era ter o melhor de dois mundos: sermos o melhor destino Europeu, mas impedir grandes franchisings de vir para cá ganhar dinheiro; aumentarmos a qualidade de vida, mas não sermos confrontados com rendas e preços impraticáveis dentro da nossa própria cidade; mantermos vivo o tradicional, mas preferindo usufruir das novas tecnologias e do conforto. Mas, para já, os milagres ainda não existem. E uma coisa é certa: todo este problema não se vai resolver enquanto olharmos para ele com olhos hipócritas, como todos nós não estivessemos também a usufruir ou a contribuir - um bocadinho que seja! - para este fenómeno.

29
Set17

Blogs do Ano: vamos lá pôr a boca no trombone

Carolina

Confesso que esperei ansiosamente pelas nomeações dos blogs do ano. E porquê, perguntais vós? Para me rir um bocadinho! Porque, avaliando pela edição do ano passado, quase punha o mindinho no fogo apostando que nesta edição ia virar o disco e tocar o mesmo. E não é que não me enganei?! O "best of" da blogosfera está todo lá... pena é esse mesmo "best of" não ter modificado de um ano para o outro. Pelo meio há ainda umas boas pérolas, quase para disfarçar que este é um concurso decente. Ora vejamos.

Precisamos primeiro de esmiuçar o conceito de blog. Um blog é uma página de facebook? Um blog é um sítio virtual com um domínio próprio - e bem estabelecido, que nunca teve como sufixo "sapo" ou "blogspot" à partida - e com não sei quantas pessoas envolvidas por detrás, incluindo programadores e gestores de conteúdo para fazer a coisa acontecer? O conceito é de facto abrangente mas, para mim, um blog é (era?) um sinónimo de autenticidade - um espaço para quem não tem espaço na opinião pública mas que, ainda assim, se quer fazer ouvir ou mostrar algo sobre assuntos do seu interesse. Para mim é impensável que alguém que não o próprio dono do blog lá escreva ou o gira; para mim, um blog é algo com uma estrutura relativamente simples, sem grandes floreados e ramificações, porque - lá está - parte de alguém sem grandes condições para fazer tudo isso e que só quer carimbar o seu nome em algo. A meu ver, há diferenças entre um blog e um site - um sendo muito mais complexo que o anterior. E nem vale a pena mencionar o facebook - acho que já sabem o que eu acho.

É por isso necessário perguntarmo-nos o quê que a Bumba na Fofinha está a fazer na categoria de "Entretenimento" quando, na verdade, ela não tem um blog: tem uma página no facebook, onde publica vídeos - bem engraçados, mas isso já não é para aqui chamado - que por acaso também estão no YouTube. (Engraçado, ia jurar que há uma categoria precisamente sobre vídeos de entretenimento... mas devo ter visto mal). 

Depois chamam-se ao caso todos os "blogs" de figuras públicas. Cláudio Ramos, Júlia Pinheiro (a sério que o "Júlia" é o um blog? ah ah ah), Ana Rita Clara, Leonor Poeiras, Pedro Teixeira, Raquel Strada ou Jéssica Athayde são alguns dos nomes que me surgem. Penso que já aqui escrevi sobre esta questão, sobre a necessidade de todas as figuras públicas agora terem um espaço e chamarem-lhe de "blog" e como acho isso ridículo - e estou pacientemente à espera que tal passe de moda. Isto para mim não são blogs por várias razões, muitas das quais já enumerei acima: primeiro porque são assinados por alguém que já tem exposição e espaço na opinião pública; segundo porque são raros (existentes?) aqueles que são genuínos, totalmente geridos pelos supostos autores; terceiro porque já têm todo um trabalho de agência envolvido, tanto na parte de produção de conteúdos, como de gestão de redes sociais, que têm só um propósito: vender, fazer publicidade e parcerias. A parte do "genuíno" e da "partilha de ideias" é posta num saco e mandada ao fundo do rio com pedregulhos bem grandes. Quase tudo o que fazem é vender-nos coisas: se não são produtos, são muitas vezes estilos de vida que não podemos alcançar. Ou seja: há toda uma máquina por detrás de todos estes "blogs" que, para mim, lhes tira logo esse estatuto. E ainda podemos ir mais longe: muitos destes sites são "apadrinhados" pela TVI - entidade que, coincidentemente, promove o concurso...

Depois há um par de questões que me apoquentam. A primeira chama-se "Nêspera no cu". Até gosto do conteúdo, mas primeiro o facto de estar inserido na categoria "Vlog Entretenimento" (ah, afinal sempre existe!) irrita-me um bocadinho, tendo em conta que aquilo não é bem um vlog - é só um podcast com umas figurinhas dos intervenientes a mexerem a boca de forma muito pouco natural. Para além disso, tendo em conta que o concurso é anual, parece-me lógico que se nomeiem (e premeiem) canais/blogs que estiveram ativos nesse mesmo período - o que não é o caso da Nêspera. Dei-me ao trabalho de ir ver e o último vídeo publicado neste canal foi no dia 25 de Maio do ano passado. Ou seja, temo que exista aqui um erro e os senhores do júri se tenham confundido um pouco, trazendo do ano passado um candidato esquecido. Uma chatice. A segunda questão também se insere no capítulo "porquê que este site está nesta categoria?", onde temos a La Dolce Rita - uma das minhas favoritas, toda a gente sabe - que está incluída nos "Vlogs de Lifestyle". Ora bem, se for um "lifestyle" para pessoas como eu, lontras, que gostam é de comer, de fazer bolos e aprender sobre como fazer doçaria conventual... até concordo. Fora isso, acho só um bocadinho descabido. Mas enfim, eu percebo: não há dinheiro para tudo, e não se pode criar uma categoria para culinária, porque o troféu ainda fica caro e a vida está difícil.

Mas enfim, isto tudo são "pormenores", que apenas distraem da questão global de tudo isto. Para mim, era lógico e expectável que os concorrentes iriam ser em todo semelhantes aos do ano passado. Porquê? Porque estamos em Portugal, uma país pequeno, onde não emergem propriamente blogs populares todas as semanas. Aqueles que eram líderes o ano passado, continuam a sê-lo agora. E por isso, a continuar neste formato, os mesmos blogs e as mesmas pessoas vão continuar a arrumar troféus nas suas prateleiras - ainda por cima quando o voto final é feito pelo público, o que vai fazer com que os mais lidos sejam também os mais votados. A continuar assim, mais vale fazerem o concurso de cinco em cinco anos, na esperança de que algo mude no panorama da blogosfera nacional. 

Eu sei que a maioria das pessoas acha que existe uma correlação entre o sucesso de um blog e a sua qualidade - ou seja, se um blog é bem sucedido é porque é bom naquilo que faz. Mas eu não concordo, ainda para mais com a quantidade de sites de figuras públicas aqui envolvidos, com autênticas máquinas de publicidade por detrás deles. Aliás, desconfio até que a maioria das coisas lá escritas tenham sequer um dedo dos supostos envolvidos, mas enfim, essa é toda uma outra luta. Hoje em dia, o sucesso de um blog depende muito da gestão das redes sociais, da publicidade, do passa a palavra - e pouco da informação que realmente lá é veiculada. Mas neste sentido, o que eu acho que era bom - eventualmente até se mantendo este formato de "líderes dos blogs" (porque é isso que este concurso é) - era mostrar ao mundo blogs mais pequenos, com muito menos exposição, muito menos contaminação por marcas/publicidade/mentiras, muito mais genuínos e reais (e não, não estou a puxar a brasa à minha sardinha, porque não quero nem preciso de ter milhares de pessoas a lerem-me, a criticarem-me e a mandarem-me postas de pescada de cada vez que troco um "a" por um "o"). Mas enfim, como isso não vende, arruma-se a ideia para debaixo do tapete e organiza-se, ao invés, uma gala de arromba com pseudo-figuras-públicas - algo que dá pano para mangas nas revistas, sites e redes sociais, rendendo mais cliques, dando mais dinheiro de publicidade e, no fim de toda esta cadeia, enchendo os cofres de alguém. Nada a que já não estejamos habituados, portanto.

Como nota final, resta-me contar-vos que a minha mãe me perguntou porquê que não me inscrevi neste concurso. A resposta é simples e divida em três partes: a primeira é porque não tenho exposição mediática para ganhar o que quer que seja deste género. A segunda é porque escrevo posts destes, porque ponho a boca no trombone, porque digo as verdades que ninguém quer dizer e isso não é propriamente bem-vindo nestes meios. E a terceira é porque eu, de facto, tenho um blog: genuíno, pobrezinho às vezes, nem sempre com conteúdo e muito menos com conteúdo interessante - e, claramente, não é de blogs que trata este concurso.

26
Set17

Dizendo adeus ao melhor verniz do século

Carolina

Sabes que estás a fazer um post demasiado tarde quando o produto que ias elogiar já foi retirado do mercado. Eu sei que não tenho desculpa e quase devia ser açoitada por isto - fiz-vos perder, provavelmente, o melhor verniz da história dos vernizes. Mas isto levanta uma questão muito pertinente: porquê que no mundo dos cosméticos e de materiais de beleza, os melhores produtos e muitas vezes os mais vendidos são descontinuados? Não faz sentido! Não é que eu perceba do assunto - pouco utilizo produtos de maquilhagem e derivados - mas estou a começar a perceber que é uma prática comum.

O produto sobre o qual eu há meses vos queria falar era a dupla de vernizes "Shine&Color" da Flormar - que, segundo eles, dava um toque de gel às unhas sem precisarem de ir à luz ultra-violeta. Experimentei-o por acaso numa ida à manicura e aquilo durou-me tanto tempo, de forma tão espetacular e heroica, que voltei lá de propósito comprar o verniz. E há cerca de duas semanas, quando lá fui, pedi para levar outra cor... quando me disseram que praticamente já não tinham, porque a linha tinha sido descontinuada. Como assim?! Como é que se acaba com o melhor verniz do mercado? Disseram-me que era por ser realmente tão bom: os outros produtos deixavam de se escoar e por isso acabava-se com estes, que eram quase "canibais" de toda a marca. Não sei se a explicação é verdade, mas faz de facto algum sentido... mas não deixa de ser uma pena.

O último caso que me lembro assim do género, ainda mais berrante - e soube isto através das notícias - foi a da paleta da Urban Decay, a Naked Smoky, que era das mais vendidas da marca. No artigo que li, a explicação era semelhante à que me foi dada no cabeleireiro: diz um representante da Urban Decay que "Estamos sempre à procura de maneiras para que os nossos produtos fiquem melhores. Cada vez que criamos um novo produto, partimos de um ponto de vista novo e procuramos ser tecnologicamente inovadores. Lamentavelmente, por vezes, isto significa que temos de deixar de fabricar produtos que todos gostam, para lançar produtos que gostem ainda mais". Ou seja: tretas. Ninguém deixa de vender um dos seus best-sellers a menos que tenha uma boa razão para o fazer. 

Por isso, minhas boas amigas, serve este post para pedir desculpas e para, se quiserem, ainda tentarem encontrar estes produtos numa loja perto de vós. Para vos dar o exemplo, posso dizer-vos que pintei as unhas numa terça-feira e que só no domingo da semana seguinte (doze dias depois) é que ele escamou um pouquinho - e eu não sou minimamente cuidadosa com as mãos, passo a vida a lavar coisas e a roer as peles e etc. Não diria que tinha um toque tipo gel, mas era magífico - mantinha o brilho e, quando se tira, não mancha minimamente as unhas como os de outras marcas mais baratas. Era de facto um achado... Se virem uma destas preciosidades à venda ou souberem de notícias, gritem: eu estou disponível para fazer um stock que dure, pelo menos, para o próximo par de anos!

 

24
Set17

O que penso sobre a casa dos youtubers e os vídeos dos seus moradores

Carolina

Eu acho que é impossível que quem tenha filhos, primos, sobrinhos ou irmãos com idades compreendidas entre os seis e os 14 anos nunca tenha ouvido falar do Wuant, do Windoh, do Ovelha Nigga, do Gato Galático ou, de uma forma geral, da casa dos youtubers. Eu aqui em casa - creio que como todos os adultos - recebi um tratamento de choque: berros, asneiras e muitas gargalhadas um tanto ao quanto irritantes vindos das colunas de computadores alheios. Entretanto a exposição mediática desses youtubers, em grande parte devido à casa onde passaram a viver, já fizeram o trabalho de os mostrar ao público em geral. Ou seja, suspeito que, de uma maneira ou de outra, já devem ter ouvido falar sobre eles.

Aliás: provavelmente já ouviram dizer mal deles, que é o que mais se faz por aí. Somos todos peritos a criticar, mas a fazer... nem por isso. Porque apesar de eu não achar graça ao conteúdo deles - e sim, falo com conhecimento de causa, porque tenho ouvido demasiadas vezes "COMO É QUE'É MEUS PUTOS, DAQUI É WINDOHHH" e coisas que tais, para poder escrever este post - sou capaz de apreciar o trabalho que está por detrás de toda aquela palhaçada ou "trollagem", como eles gostam de chamar.

Para mim há, naqueles vídeos, um conflito de valores. Primeiro os que estão à vista de todos, os preocupantes: que é fácil ter uma vida desafogada, que se compram facilmente sapatilhas de mil euros e carros de alta cilindrada, que é fácil sair de casa dos pais para ir viver com os amigos numa "mansão", que se podem ter ações inconsequentes sem pensar nos resultados finais (exemplo: pôr super cola na cara de alguém sem antes ter pesquisado como se tirava o produto da pele) e que é prudente deixar de se investir na formação para viver de um canal do youtube sem ter um plano B. E depois os valores subjacentes, esses sim com importância: que é o trabalho que lhes proporciona aquela vida, aquela fama, todas estas oportunidades. O problema é que o que está à vista de todos acaba por ser, para quem vê (crianças maioritariamente), o principal, porque não há maturidade suficiente para se perceber os valores implícitos. Para os putos, aquilo é o trabalho mais fixe de sempre! O meu sobrinho mais velho, por exemplo, queria ser experimentador de colchões (eu sei, eu sei...). Agora? Quer ser youtuber. Porquê? Primeiro porque acha que lhe vai dar tanto trabalho como andar a saltar para os sítios onde as pessoas dormem - erro crasso! -, segundo porque acha que mal crie um canal lhe vai logo sair um Audi XPTO na rifa. Nem ele nem a maioria sabem o trabalho e as horas que aqueles miúdos passam entre filmagens e edições - e também não fazem noção do tempo (os anos!) que eles passaram a fazer vídeos sem likes, comentários ou putos a berrarem-lhes à porta.

Se calhar estão a ler este texto de sobrolho levantado e pensar "esta miúda está mesmo a defender aqueles energúmenos?". Pois, eu sou assim, tento sempre ver o outro lado da moeda - e acho que, como em tudo na vida, isto não é uma questão linear. A única coisa que defendo nestes vídeos - e que absolutamente ninguém pode negar - é que aquilo dá trabalho. Lá por eles se estarem a divertir e a fazer asneiras de forma consecutiva, não quer dizer que depois não passem horas em frente ao computador para fazer aquilo resultar e passar os vídeos para algo "comestível" e visualizável, com todos aqueles pózinhos de perlimpimpim que aparentemente fazem daqueles canais um sucesso. As pessoas "normais" não sabem as horas de edição que estão por detrás daquilo - como não sabem o trabalho que dá escrever diariamente para um blog. São coisas camufladas como hobbies, como algo ligeiro para quem as faz, mas para além de já ser o trabalho para algumas pessoas em Portugal (caso deles), requer muitas horas de dedicação e empenho.

Mas isto não quer dizer que eu apoie aquilo que eles fazem e muito menos os valores que eles lá transmitem. No outro dia o meu queixo bateu no chão quando ouvi o Windoh, num vídeo filmado no seu quarto de hotel no Brasil, a dizer: "este quarto está mesmo muito desarrumado, tenho de chamar a senhora para o vir limpar". Mexeu-me com as entranhas. Elas já estavam remexidas ao ver o estado caótico daquele quarto, com lixo espalhado pelo chão, misturado com roupas sujas e lavadas - roupa interior incluída -, mas quando me apercebo que ele ia chamar uma criada para o limpar, toda eu fiquei revoltada. E preocupada. Porque percebo que é daqui que vêm algumas das mentalidades dos meus sobrinhos e de tantos outros miúdos. Coisas que já deviam ter ficado no século passado e que estão a ser alimentadas por miúdos com uma noção de respeito e educação muito diferente da minha. E isto sim, é alarmante. Mais do que os berros, mais do que as asneiras, mais do que as expressões horríveis como "bem poddddddre". Aquilo com que devíamos estar preocupados são os valores ali transmitidos que, infelizmente, ultrapassam os do trabalho e da dedicação. 

 

Foto: Visão

17
Jul17

Calças, calças everywhere (ou #contraextinçãodasmumjeans)

Carolina

Passo a minha vida a passear-me entre rádios em busca de alguma música que goste, por isso já nem sei bem dizer em qual delas é que ouvi uma das animadoras a dizer que uma fashion advisor fez uma lista com uma série de coisas que todos tínhamos imediatamente de parar de usar. Liguei tanto àquilo que só me lembro de duas delas: a primeira eram leggings, a segunda eram mum jeans.

Não me vou meter na discussão das leggings – muito poderia ser dito aqui sobre esse tópico, mas nem sequer sou grande pessoa para opinar porque só as uso para ir ao ginásio (e como não vou ao ginásio, não as uso…). Mas falar nas mum jeans é tocar-me na ferida! Isto das opiniões relativamente à moda tem muito que se lhe diga e estas listas dos “must-have da estação” ou do “livre já o seu armário destas peças” fazem-me um bocado de espécie.

Primeiro porque só quem tem um poder económico alto e uma paciência de santo é que renova o roupeiro segundo cada estação e segundo porque há milhões de formas de conjugar as coisas e até de fazer com que as peças mais horrendas resultem em coisas visualmente aceitáveis. É tudo uma questão de gostos e estas medidas “restritas”, a mim, tiram-me do sério e não deviam ser levadas a peito só porque é uma fashion advisor que as diz. Se fosse eu, diria para se abulir o roxo de todas as roupa; ou tirar as culotes do mercado. Mas são gostos e tenho de admitir que há quem goste e que até existem pessoas a quem aquilo fique bem.

Mas voltando às mum jeans: foram as minhas salva-vidas. Já escrevi aqui que detesto comprar calças, é um verdadeiro suplício. Eu sou a receita perfeita para grande parte das calças me ficarem pessimamente: pernas e coxas gordinhas, anca larga e, para ajudar à festa, um tornozelo inchado (o que é importante, principalmente hoje em dia, em que falta um palmo em quase todas as calças existentes no mercado). Por isso, sempre que eu começava a ver que precisava de comprar esta peça de roupa, até tinha suores frios.

Até virem à baila às mum jeans. Para quem não está dentro da nomenclatura, estas são calças de cinta bastante subida e com a perna mais larga, afunilando um bocadinho em baixo (mas não exageradamente, como as skinny jeans). E para mim, esta moda foi a descida do céu à terra. Só eu sei como sofri durante todos aqueles anos em que apenas se vendiam skinny jeans e calças de cintura baixa. Eu posso usa-las (e usei-as, que remédio), mas tenho a perfeita noção de que não me ficavam bem. E uma das coisas que mais me irrita na moda é isto: criar as coisas, massifica-las e esquecerem-se de que a grande maioria das mulheres não têm aquele típico corpo de modelo em que tudo parece assentar na perfeição. Portanto a diversidade que existe hoje nas lojas – e falo ao nível dos jeans – é o que devia existir sempre.

Mas eu sei que na realidade não é assim, que a moda é imprevisível e que daqui a um par de anos ora só se usam calças à boca de sino ou se volta outra vez para as ultra skinny jeans. Por isso, para me precaver, tenho-me abastecido de jeans para os próximos anos. Se encontrar umas que gosto, que vestem bem e com uma lavagem que não tenho, nem sequer penso muito: trago para casa e está o negócio fechado.

O objectivo é funcionar quase como a Arca de Noé: quando, no mundo, já só existirem calças que só me servem nas orelhas ou e ficam para lá de mal, ainda posso contar com o meu baú pessoal de jeans, salvas no tempo em que as havia em bom e em abundância. #contraextinçãodasmumjeans

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Também estou aqui!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2017 Reading Challenge

Carolina has read 0 books toward her goal of 15 books.
hide

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Ranking