Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

[Entre Parêntesis]

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

12
Jan17

Arrumações do demónio

Carolina

Há três coisas que tenho de fazer periodicamente, que odeio e que juro sempre que não volta a acontecer [e depois faço na mesma]. Acontecem porque faço igualmente três coisas, mesmo não devendo e embora me chicoteie mentalmente sempre que as tenho de desfazer. São elas: 1) gravar documentos no ambiente de trabalho com a desculpa "não tenho tempo para arrumar no devido lugar"/ "é para apagar logo a seguir por isso não tem mal gravar aqui" / "está mais à mão para ter no blog"; 2) deixar acumular emails no gmail, ao ponto do meu telemóvel anunciar que tenho 1278 emails por ler e ter outros dois mil para arrumar pelas 54 pastas que tenho, com a desculpa "não tenho tempo para ver este email agora" / "este tem de se ver no computador porque é um powerpoint" / "este é muito grande e não tenho paciência" / "quando chegar a casa depois do trabalho trato disso"; 3) e por fim, uma combinação destas todas: arrumar tudo nas devidas pastas - incluindo aquelas coisas que já estão naquelas outras pastas criadas em desespero de causa, chamadas "PARA ARRUMAR".

E sim, estão a pensar bem: estou no meio de uma dessas arrumações do demónio. Já estou a arrancar cabelos e a pensar "porque raio é que eu deixo isto acontecer sempreeeee?!" e a fazer promessas que sei que vão ser em vão - o que não impede que eu as faça - tais como "NUNCA mais na vida deixo isto chegar a este estado de sítio". Porque a verdade é que isto chega a um ponto em que eu própria já não consigo conviver com o meu computador - não há sítio por onde passe que não tenha lixo e coisas por arrumar e eu começo a dar em doida. Chego a estar a trabalhar, gravar alguma coisa numa pasta caótica e me apetecer parar tudo só para arrumar a dita cuja.

Mas esse é o problema das arrumações: quando uma pessoa começa a arrumar - e se quer as coisas bem feitas - acaba por ter de mexer em tudo. Põe-se uma coisa noutra pasta, essa pasta também está num caos, começa-se a arrumar, passa-se a outra que está igualmente desarrumada... e nisto passam-se dias. E ainda há outro problema: aquelas coisas que simplesmente não têm sítio e não há pastas onde as meter. Enfim. É um drama.

Sei que devia ter uma regra qualquer para impedir isto - sei lá, obrigar-me a limpar as pastas e o ambiente de trabalho todos os domingos ou algo assim parecido. Mas acho que vou falhar com a minha palavra. Juro que não sou uma pessoa desarrumada e até gosto muito de organizar coisas - mas não consigo ultrapassar esta questão. Aí umas três vezes por ano isto acontece: e durante todas elas eu digo mal da minha vida, passo horas de desespero enquanto arrumo tudo e depois, estúpida, faço igual. Há dias em que me odeio. Arrg!

27
Set16

Como arrumo os meus postais?

Carolina

Ainda mais do que os colares (que já falei aqui), os postais foram das coisas que mais dores de cabeça me deram. Tenho muitos postais e não sabia onde e como os arquivar. Andei pelo ebay à procura de alternativas e coisas feitas a pensar nesse problema e não encontrei nada que gostasse; vi ideias no pinterest, perguntei a pessoas que também fazem coleção... nada. Ou ideias pouco práticas (o pinterest é particularmente rico nestas...), caras ou de que não gostava.

No meu caso o problema não estava nos postais do postcrossing, que arquivo consoante o país de envio em capinhas especiais para o efeito. Só aí tenho 600 postais, por isso todas aquelas alternativas janotas de os pendurar na parede e coisas que tais não funcionam muito bem; arquiva-los em capas não é uma opção que adore, porque só se vê a parte da frente do postal (na parte de trás está outro, para otimizar espaço), mas aprendi que nesta matéria não há alternativas perfeitas. 

O problema estava em todos os outros que já tinha antes de fazer postcrossing ou que fui adquirindo ao longo do tempo: os que comprei em viagens, outros antigos (e escritos) que comprei em leilões, ou ainda muitos que me foram oferecendo, ora porque compraram especialmente para mim ou porque tinham em casa uma coleção antiga a que já não davam valor. Muitos não eram de locais ou assuntos fáceis de catalogar, pelo que estavam aqui a monte até lhes arranjar uma alternativa - até porque alguns são especiais ou têm notas engraçadas por detrás e não queria que ficassem entalados numa "mica" para todo o sempre.

Em mais um destes fins-de-semana de arrumação decidi que a confusão generalizada em matéria de postais não podia continuar e, mais uma vez, socorri-me da loja dos chineses para comprar uma caixa de madeira fina para os guardar a todos. Alguns são de cidades e regiões, pelo que consegui pô-los por ordem alfabética; outros não são de nada em concreto e estão simplesmente lá. Também tenho alguns que estão numa espécie de álbum que não quero estragar, pelo que esta solução foi perfeita para isso.

Não é nada de especial, é talvez a opção mais óbvia e prática, mas pareceu-me a melhor. Tentei organizar a caixa da forma mais racional e lógica possível e, até agora, tem resultado bem. Estas caixinhas, para além de leves, práticas e baratas, podem ser decoradas e pintadas - eu não tenho via artística para isso e gosto de as ver assim, em modo simples, mas é mais um ponto a favor delas. Ficam as fotos.

 

DSC_0535.JPG

DSC_0548.JPG

 

DSC_0541.JPG

DSC_0552.JPG

 

 

25
Set16

Como arrumo a minha bijutaria?

Carolina

Eu posso não ser a pessoa mais arrumada do mundo, mas sou definitivamente organizada (sim, porque são coisas diferentes!). Aliás, acho que tenho uma certa panca pela organização. Percebi isso há vários anos, quando ainda fazia colares e outro tipo de bijutaria. Eu tinha uma espécie de "banca de trabalho", com várias caixinhas, saquinhos, mini-armários... enfim. E tinha muitos materiais de trabalho: mosquetões, peças de vidro, peças de feltro, botões, arame, alicates, etc.. E dava por mim a organizar tudo isso das mais diversas formas, muito mais do que a fazer colares - punha as peças por cores, as coisas para colares num sítio, para pulseiras noutro, sendo que dentro dessas gavetas ainda tinha saquinhos catalogados. Uma panóplia de coisas que nunca mais acabavam, porque há sempre formas diferentes e melhores de se organizar o que quer se seja.

Hoje em dia já não faço colares (só às vezes) e a minha banca de trabalho há muito que não existe. Mas a minha veia de organizadora compulsiva continua. Tenho dedicado os meus fins-de-semana a arrumar coisas e, logicamente, isso implica organiza-las. E há certos objetos que é um drama organizar e que eu ando há anos há procura de soluções viáveis. Um desses dramas era a bijuteria: onde é que posso meter as centenas de coisas que tenho ocupando o mínimo de espaço e mantendo-as organizadas, sem formarem nós cegos entre elas? Ao longo dos anos optei por várias soluções, umas melhores que outras, e no último fim-de-semana fiz mais uma remodelação neste campo. 

A primeira medida foi dar metade daquilo que tinha. Tinha muito colares feitos por mim que já não usava, outros que já não gostava. E anéis? Tudo o que era made in Parfois&Companhia foi morar para outra paragem - já me mentalizei de que não vale a pena gastar dinheiro, por pouco que seja, em anéis que não têm (pelo menos) banho de prata. Eu sou daquelas pessoas que usam anéis até à exaustão, que tem paixões e amores efusivos por eles, e os anéis da Parfois não se podem usar durante mais de duas horas, a menos que queiramos andar com os dedos manchados durante dias. Para além do mau que é andar com os dedos todos negros, os próprios anéis ficam horríveis, por isso é um desperdício de dinheiro. Para além desses, tinha outros também feitos por mim que já não gostava e ainda outros que já não me serviam e que optei por dar.

Com tudo o que restou (e que ainda foi muita coisa) optei por ir comprar umas caixas de madeira (daquela muito fina e leve) aos chineses. Conheço uma loja gigante aqui perto de casa que tem caixas de todos os tamanhos, formas e feitios a preços muito apetecíveis, que já me tinham sido úteis noutras situações (depois partilho), e que são perfeitas para o efeito. Também já tinha umas de acrílico, compradas na Área para outro efeito (na altura por uma pequena fortuna, acho que o preço deve manter-se - e digo já que não compensa!), e que também improvisei para pôr as minhas pecinhas. Assim fiquei com muitas divisórias, de diferentes tamanhos (não precisava de divisórias grandes quando tinha colares que eram só um fio de prata), e algumas com tampa, o que previne do pó. Como vão ver, a maioria está na gaveta do meu armário e só duas das caixas, por serem demasiado altas, é que ficaram de fora. 

Até hoje, e de todas as soluções que tive, esta parece-me ser sem dúvida a melhor. Ficam as foto abaixo para terem uma ideia.

 

DSC_0520.JPG

DSC_0505.JPG

DSC_0500.JPG

DSC_0503.JPG

DSC_0508.JPG

DSC_0496.JPG

DSC_0518.JPG

DSC_0528.JPG

DSC_0531.JPG

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Também estou aqui!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2017 Reading Challenge

Carolina has read 0 books toward her goal of 15 books.
hide

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

o