Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

[Entre Parêntesis]

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

06
Set17

Há dias

Carolina

Há dias em que gostava de ser igual a todos os outros, em que queria despir esta pele de diferença que sinto que vesti desde que me conheço. Há dias em que queria seguir a carneirada e não ter opinião própria, não ter personalidade, não ter de me impor perante os outros.

Há dias em que gostava de gostar de crianças, em que me apetecia já ter meia-dúzia de namorados na lista, que queria ter planos para casar e ter filhos – em vez de todos os dias perceber, cada vez mais, que não consigo estar com crianças durante muito tempo e que não há nenhum casamento ou relação que veja que me encha as medidas e eu diga “é isto que quero para mim”.

Há dias em que eu queria saber fingir que adoro shots de tequila, em que gostava de ter um grupo de amigos sólido, passar a gostar de dançar em frente a uma pequena multidão e de drum&base a altos berros – em vez de optar e não gostar de beber álcool, de ficar sozinha em noites que me apetece ir sair ou de não conseguir esquecer o trauma que tenho desde as aulas de dança que tive no básico.

Há dias em que preferia adorar falar ao telemóvel, ter paleio para os mais e menos simpáticos, de dizer que sou jornalista com toda a pujança e força de vontade – mas continuo a rever as minhas conversas internamente antes de clicar no botão verde e a torcer para que a pessoa do lado de lá da linha esteja a ter um bom dia e não decida descarregar as suas frustrações para cima de mim.

Há dias em que queria deixar de ter medo de fazer tudo e arriscar, de deixar de ser uma control freak, de escrever tudo na agenda, de relembrar tudo para escrever neste blog, de deixar de ser chata, mandona, nariz empinado, de deixar o espírito de liderança na gaveta, de me deixar ir e fazer o que os outros mandam sem sequer pestanejar.

Há dias em que eu gostava de deixar de ser anti-droga, anti-erva, anti-marijuana ou lá o que lhe queiram chamar, deixar de ser anti-praxe, deixar de ser defensora dos gays, dos bis e dos desiguais.

Há dias em que me sinto na Lua, numa realidade e com uma forma de vida completamente fora do normal, que ninguém entende. E há dias em que eu gostava muito de vir à terra, nem que fosse por uns momentos, porque na Lua está-se bem, a vida é boa, a vista é bonita e o silêncio apaziguador – mas há dias que, de tão sozinha, até o próprio silêncio se torna ensurdecedor.

9 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Também estou aqui!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2017 Reading Challenge

Carolina has read 0 books toward her goal of 15 books.
hide

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

o