Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

[Entre Parêntesis]

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

16
Dez17

A Maria Vaidosa Magazine é uma lufada de ar fresco

Carolina

Um dos meus posts mais comentados e vistos do ano foi aquele em que falava da casa dos Youtubers. O post não era abonatório mas ao menos tentava pôr água na fervura – coisa que alguns dos comentadores até nem achou muita graça. Mas enfim, a verdade é que há mais youtubers em Portugal do que aqueles que vivem todos juntos e fazem parvoíces – e eu acompanho alguns fielmente.

Uma das pessoas que sigo com atenção e que, diria, me iniciou nisto do Youtube – porque até há uns três anos atrás eu só usava este site para ouvir músicas e nem sabia para que servia o botão “subscrever” – foi a Maria Vaidosa. Consigo dizer exatamente o dia em que a comecei a seguir, porque veio na sequência de um post da Maçã de Eva (que sigo há vários anos), que falava dela como uma promessa nacional.

Confesso: o meu primeiro pensamento quando a vi foi “quem é que ela pensa que é?”. Ela é tão extrovertida, tão apalhaçada (num bom sentido - e era-o mais naquela altura do que agora), tão espalhafatosa - quase como sentíssemos que nos ocupa o quarto e a mente toda - que eu achei aquilo irritante e quase ultrajante. Mas ficou-me o bichinho e a verdade é que, apesar desta primeira impressão, eu voltava sempre ao canal dela para ver mais - ainda que o assunto maquilhagem não me puxe e o lado da moda, embora seja algo de que goste muito, também não me leve a ver vídeos.

Passaram-se uns dois anos e eu sinto que já faço parte da vida dela. (É estranho este sentimento, não é?). Já lhe “conheço” o namorado, os cães, as partes de sua casa - e pelo caminho fui gostando de a conhecer, embora de facto nunca tenha falado com ela na vida. E fiquei mesmo orgulhosa quando ela lançou o seu mais recente projeto, a Maria Vaidosa Magazine, tornando-se assim na única youtuber portuguesa com uma revista homónima, que é quase uma extensão do seu canal para o papel, com conteúdos e estilos muito semelhantes.

Eu nunca fui compradora de revistas de beleza e de moda, por várias razões que vou passar a enumerar: 1) são normalmente caras; 2) têm pouco conteúdo e o que têm é muitas vezes irrelevante; 3) ter pouco conteúdo não quer dizer que tenham poucas páginas - quer dizer, sim, que a maioria da revista se resume a anúncios publicitários; 4) não cai no meu leque de interesses saber qual a cor da moda, o novo rímel da marca X ou ver sessões fotográficas com roupas que eu não tenho dinheiro para comprar. Mas, dado que a revista era dela, decidi experimentar - e a verdade é que saí surpreendida pela positiva.

A revista é trimestral e só por isso é que lhe “perdoo” o preço: quase cinco euros. Mas diria que esta é das poucas desvantagens. Acima de tudo, aquilo que tenho de realçar é que quase todas as páginas são de conteúdo e não de publicidade - e só isso é um fator altamente diferenciador para todas as revistas do mercado. Depois, gostei da proximidade com que ela escreve, dirigindo-se diretamente ao leitor, de forma descontraída e despreocupada, tal como faz nos vídeos. A seleção de conteúdo também é interessante - não tem aqueles testes tipo “saiba se o seu namorado a está a trair com a sua melhor amiga” ou páginas de teor sexual tipo “os casais contam-nos as suas experiências em casas de swing”, porque felizmente também não é esse o target da publicação - e inclui entrevistas, tutoriais e pequenos destaques tipo produtos a comprar, livros ou filmes para ver. Há ainda mais dois pormenores, para mim, interessantes: naquelas seleções tipo “o amarelo é que está a dar”, onde se apresentam não sei quantos artigos daquele estilo, a maioria deles é de lojas comuns e a preços acessíveis, o que me parece importante; sinto que a revista vive muito de pessoas, de fotos bonitas (e realistas, não tanto daquelas sessões conceptuais) e de histórias de pessoas que, na perspetiva da Mafalda, valem a pena conhecer.

Acima de tudo, aquilo que mais gosto aqui é a ideia de que os sonhos e os projetos em grande podem ser uma realidade. Mais do que gostar da revista em si, gosto da força de vontade da Mafalda, que espero que inspire os mais novos a trabalhar e a lutar por aquilo que realmente gostam – em vez de acharem que se ganha dinheiro a atirar canetas de varandas ou a comprar cobras gigantes para ter em casa. A, mim, pelo menos, inspira-me muito - ao ponto de ter ficado um bocadinho “invejosa” por este seu feito. Um dia espero poder fazer um igual - não em forma de revista mas, esperemos, em forma de livro.

 

DSC_0250.JPG

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Também estou aqui!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2017 Reading Challenge

Carolina has read 0 books toward her goal of 15 books.
hide

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Ranking