Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

[Entre Parêntesis]

Tudo o que não digo em voz alta e mais umas tantas coisas.

27
Jul17

À atenção de todos os que não sabem o que fazer da vida, aos que querem escrever e aos que querem ser jornalistas ou assessores #2

Carolina

Chega a esta altura do ano e começo a receber emails, mensagens e comentários relativamente ao curso que tirei (na verdade, recebo-os durante todo o ano, mas nesta época de candidaturas é naturalmente mais intenso). Há uns anos escrevi um post onde falava sobre tudo o que achei pertinente sobre a licenciatura de Ciências de Comunicação da Universidade do Porto e sei que muita gente vem cá parar graças a isso. É notória a falta de informação que há sobre os cursos e as pessoas querem, logicamente, saber experiências e ter o feedback de quem lá andou para saber o que lhes pode cair na rifa. Mas na altura tinha acabado de completar o primeiro ano, algumas das minhas opiniões mudaram e agora que já trabalho e tenho algum distanciamento penso que consigo ser mais justa e realista em tudo o que vou escrever. Para além de que já posso falar de todo o curso, porque já o acabei (yeyyy!).

As perguntas rondam sempre o mesmo: que vertente tirei, se gostei, se tenho trabalho, o que acho do curso e etc. Tentei sempre responder a todos os que, descontextualizados com a minha vida e caídos aqui de paraquedas, me fizeram perguntas - mas acho que está na altura de escrever um post com tudo, para que possa dar resposta de forma mais rápida e completa a todos as que a procuram. Para quem é leitor habitual, vou fazer uma revisão daqueles três anos (um bocadinho penosos) da minha vida, pelo que é mais do mesmo. Aos outros: sintam-se livres de fazer questões sobre aquilo que eu não mencionar - estou disponível para ajudar. Sei que aqueles dias em que temos de pôr, por ordem de preferência, os cursos que em princípio definirão o futuro da nossa vida, são sempre difíceis.

 

Antes de mais, gostava de começar falando sobre esta referência que fiz no final do último parágrafo. Quando queremos escolher um curso pensamos que tem de ser algo para a vida e que vai obrigatoriamente definir o nosso caminho. A verdade é que é uma decisão pesada e que queremos que seja a melhor possível, mas que 1) podem sempre mudar de curso e 2) a vida dá muitas voltas e não é linear, pelo que podem até tirar o curso numa área e arranjar trabalho noutra (ou até querer tirar outro curso, por exemplo). Acho importante ter isto em mente porque às vezes pomos tanto peso em cima dos nossos ombros e desta decisão que, quando corre mal, desabamos e perdemos o norte. Isto não quer dizer que não devamos ter capacidade de resiliência, paciência e ir à luta - desistir à primeira dificuldade é o maior erro que podemos fazer quando vamos para a faculdade. Eu pensei muitas vezes - mesmo muitas! - em mudar de curso, porque, em particular no primeiro ano, não fui nada feliz. Mas continuei e hoje em dia não me arrependo dessa decisão.

Para quem não me conhece é importante saberem um facto sobre esta minha passagem universitária: eu não gostei de andar na faculdade, não vivi aquele espírito universitário de que tanto se fala e não participei em quaisquer atividades relacionadas com o curso ou a própria o universidade (incluindo praxes, uma vez que sou anti-praxe já desde a altura do secundário). É importante também saberem que este ano letivo (a começar em 2017) o curso vai sofrer alterações, nomeadamente nas suas instalações, e eu não estou totalmente inteirada sobre o assunto. Mas já lá vamos.

 

Os ramos e a escolha de assessoria

Eu comecei a tirar o meu curso em 2013 e acabei-o três anos depois, com uma média de 16 valores. Este curso tem a particularidade de, no terceiro ano, se escolher uma vertente: jornalismo, assessoria ou multimédia (os dois primeiros anos são comuns para todas as vertentes). Eu escolhi assessoria - que, para quem não sabe, é a comunicação por parte das empresas ou entidades; pode ser, em alguns casos, comparado com o jornalismo - a diferença é que a comunicação é feita para o proveito de uma entidade e não do bem público, algo que define sempre (ou devia) o jornalismo. A assessoria envolve muitas coisas, entre elas a gestão das redes sociais, gestão de crise (quando algo corre mal), a conversa com jornalistas, o planeamento de atividades... enfim, depende muito do ramo onde trabalhamos e do nosso empregador. E porquê que escolhi assessoria? Porque, na altura, me pareceu muito mais dinâmico do que o jornalismo.

Nos dois primeiros anos comuns damos um bocadinho de tudo: cadeiras práticas de jornalismo (rádio, televisão, imprensa), outras de multimédia (onde se inclui fotografia, vídeo, programação de html e javascript) e também de assessoria (relações públicas, marketing e etc.). Para além disso há também disciplinas transversais, opcionais ou não, que são tidas como essenciais para uma base de cultura geral que qualquer profissional de comunicação devia ter - como história, economia, metodologias de investigação ou ética. E é aqui que temos de começar a perceber aquilo que gostamos mais ou menos para, no terceiro ano, fazer uma escolha minimamente consciente.

Uma das coisas que disse no post que escrevi há três anos é que é uma falácia ir para jornalismo só porque se gosta de escrever. Pelo menos numa primeira fase, a criatividade que podemos ter é muito curta - e a visão que nos dão desta profissão enquanto andamos na faculdade é muito cinzenta, monótona, cheia de regras... uma autêntica seca, que eu detestei. A nível jornalístico a vossa criatividade só se vai poder soltar se estiverem num meio de comunicação atípico, se mandarem no jornal ou fizerem crónicas e artigos de opinião - o que, para principiantes, me parece altamente improvável. Multimédia, para quem gosta, também pode ser uma hipótese - sempre foi o meu caso mas, na minha opinião, há outros cursos só dirigidos para esta vertente que acabam por estar mais preparados do que nós e ter vantagem competitiva quando se fala em arranjar trabalho. Por isso a minha escolha recaiu sobre assessoria.

 

O local

Como disse anteriormente, o curso vai ser parcialmente movido para a FLUP. Isto causou grande barafunda nos últimos meses, com direito a manifestações e tudo mais, mas penso que a mudança vai mesmo acontecer. A parte teórica do curso vai passar a ser dada no pólo de letras, enquanto que as cadeiras práticas continuarão em Coronel Pacheco (na baixa, por detrás da Faculdade de Direito). Pelo que percebi, os alunos passarão uns dias na FLUP e outros no pólo - e eu não tenho dúvidas de que isto dificultará a vida a quem lá anda. Isto porque é na baixa que estão todos os materiais necessários para a componente prática (que não se faz em aula, mas sim nos tempos livres). Alugar materiais de fotografia, vídeos e gravadores; ir às ilhas de rádio gravar peças; estar no estúdio de televisão. Quem fez esta nova divisão não percebe que os alunos andam sempre cá-e-lá atrás dos materiais, que há momentos de correria e desespero profundo em que há vinte alunos para um só gravador, e por isso não tenho dúvidas de que daqui para a frente vai ser ainda mais confuso.

Não sei se os mini-serviços administrativos continuarão em Coronel Pacheco. De qualquer das formas, tudo o que tem que ver com inscrições em melhorias e assim, sempre foi na FLUP (o que não faz sentido nenhum). 

Esta mudança faz ainda menos sentido porque agora, finalmente, fez-se um bar no pólo! Enquanto lá andei tínhamos sempre de ir aos cafés lá perto caso nos desse a fome e, pelo que sei, agora há um bar (bem giro) para todos. Reprografia, cantina e outros serviços de faculdade a sério continuam a ser tratados ora em Direito, ora na FLUP.

 

 A minha opinião sobre o curso

Há muita coisa que podia dizer sobre o curso mas, lá está, não passa da minha opinião e não é transversal a todos os que o frequentam. Eu acho que o curso tem muitas coisas boas, mas onde assentam também as suas falhas. É um curso prático - a dificuldade dele não está propriamente nas matérias em si mas sim na gestão de tempo que tem de ser (muito) bem feita; vão ter de sair à rua, vão ter de fazer entrevistas, de escrever, de fazer vídeos, de fazer sites de raiz - e eu até fiz um programa de televisão! Mas isso não quer dizer que vos prepare muito bem para o mercado de trabalho: diria que em jornalismo o problema se coloca menos, uma vez que é a área que mais trabalhamos ao longo da licenciatura; mas ao nível da assessoria é tudo muito teórico - quando nos põem os problemas, nós só nos lembramos de princípios teóricos que na prática pouco nos valem.

Outras das coisas preocupantes no curso são os professores. Sempre disse que nós estávamos, naquele pólo, "longe da vista, longe do coração" e os professores, sediados ali, acham-se reis e senhores e fazem aquilo que querem e bem lhes apetece. Vi muitos, muitos exemplos de mau profissionalismo e má educação naquelas aulas. Mas o pior é que a qualidade de ensino de muitos é altamente duvidosa. Para mim, ter ido a algumas cadeiras é, hoje em dia, igual a zero. Acreditam que não me lembro de absolutamente nada? É incrível, mas é verdade. 

E depois há todo o comodismo à volta do pólo que não nos deixa evoluir, fazer mais, crescer. Dou o exemplo do programa de televisão que fiz no segundo ano: grande parte do grupo queria continuar e fazer mais programas. Mas não foi possível porque tinha de estar sempre um professor presente nos estúdios quando se gravasse alguma coisa e se mexesse no equipamento. Resultado? Milhares e milhares de euros em câmaras, televisões e máquinas, outros tantos em obras, e aquilo só é usado para uma cadeira, uma vez por ano. Cabe na cabeça de alguém? E rádio - faz sentido que um curso destes não tenha uma rádio, quando até a FEUP tem uma? Só nos deixam fazer podcasts (alguns com qualidade), mas sem transmissão em direto. E porquê? Porque dá trabalho, é preciso autorizações e burocracias. As iniciativas dos alunos acabam por ser escassas quando o atrito da "máquina" é enorme... e quem fica a perder somos nós.

 

Os estágios

No final do curso há sempre um estágio curricular que tem de ser feito - e há sempre uma lista, em todas as vertentes, disponível toda a gente escolher. Na vertente de assessoria até costumam sobrar porque há gente - como foi o meu caso - que se auto-propõe para locais fora da lista. Normalmente, entre eles, os alunos decidem e falam entre si para onde vão, para não haver grandes confusões - é claro que é preciso ter alguma noção da posição no "ranking" que ocupam - o aluno com melhor média tem todos os sítios à sua disposição, enquanto que o que está em 20º lugar não. É uma questão de bom senso e de discussão entre todos. Penso que no meu ano não houve grandes confusões e todos ficaram, mais ao menos, nos sítios onde desejavam. 

São 4 meses de estágio com um relatório final, que inclui não só a parte prática mas também a teórica (uma seca). Em jornalismo não funciona assim: passam dois meses no JPN (o jornal universitário) e outros dois meses no exterior, noutro meio de comunicação social. Mais detalhes sobre este ramo e multimédia não vos sei dizer.

 

A minha situação atual

Eu estagiei durante quatro meses num local relacionado com feiras de moda e gostei muito. Não estava à espera de ficar - e não fiquei - mas no seguimento desse estágio surgiu uma proposta de emprego, que eu imediatamente aceitei. E o que era essa proposta? Trabalhar num jornal (na área têxtil e de moda). Ou seja: eu, que andei anos a repudiar o jornalismo, estou há um ano a trabalhar como jornalista. Lembram-se de vos ter dito, em cima, que a vida dá muitas voltas? Era disto que estava a falar. Ou seja, para mim, ainda que de forma um tanto ao quanto retorcida, a coisa correu bem.

E, do que me parece, aos meus colegas também. Conheço muita gente que está empregada - curiosamente as que mais me vêem à memória são jornalistas, algo contrário ao que todos estávamos à espera. Diz-se sempre que jornalismo está às portas da morte e que não há emprego, razão pela qual muita gente foge para assessoria mesmo durante o curso, mas conheço mesmo muitas pessoas que acabaram por ficar ora nos sítios de estágio ou noutros locais. E falo tanto em rádios, como televisões e imprensa. Talvez isto aconteça porque se estão a substituir os da velha guarda, que ganham melhor, por novatos, mão-de-obra barata. Não sei... mas, daquilo que vejo, as coisas não têm corrido mal para os jornalistas da minha fornada - se calhar até melhor do que muitos assessores.

 

O que disse naquele primeiro post em relação à praxe, aos professores, aos acessos, às rádios e jornais universitários... continua tudo igual. De qualquer das formas, se acharem que falta algo neste post, sintam-se livres de perguntar. E boa sorte para essas candidaturas! Que a faculdade seja, para vós, uma aventura melhor que a minha =)

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Também estou aqui!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A ler:



goodreads.com


2017 Reading Challenge

Carolina has read 0 books toward her goal of 15 books.
hide

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

o